© Josivan Rodrigues

DASARTES 24 /

Jonathas de Andrade – À revelia do asfalto

Entre trabalho de arte e festa popular, o artista organizou a 1a Corrida de Carroças de Recife

O Recife é uma cidade onde os resquícios de um passado rural ainda perduram. Nas relações sociais, nos valores, nas crenças, nos costumes e, mesmo nas paisagens, a história de outros tempos mantém-se quase como um acinte ao desejo de modernidade presente aqui — e em tantos outros centros. No cenário urbano, as carroças surgem como um desses elementos “anacrônicos”, digamos assim. Circulam todos os dias pela cidade, mas se tornaram quase invisíveis aos olhos acostumados. No trânsito, geralmente são percebidas quando incomodam — e existe até uma lei em curso para tirá-las das ruas. Em tese, já são proibidas. Atento à presença dos carroceiros, que andam com seus animais à revelia da vida no asfalto, o artista Jonathas de Andrade resolveu pôr em prática uma ideia que vinha maturando: realizar a 1.ª Corrida de Carroças do Centro do Recife.

Depois de três meses de negociações com a prefeitura e de panfletos para mobilizar os participantes, o planejado aconteceu. No dia 5 de agosto deste ano, quando ele temia que ninguém aparecesse, cerca de 40 carroças atracaram no Recife Antigo, local da concentração do evento. Por razões de organização, pouco mais de dez delas puderam participar da corrida. E então saíram desembestadas em cinco tiros de dois e um tiro de três pelas ruas do Centro, fechadas previamente pela CTTU (Companhia de Trânsito e Transportes). Enquanto isso, Jonathas filmava o “acontecimento”, parte do trabalho mais recente do jovem artista, que participou da Bienal de São Paulo em 2010, com a série em cartazes Educação para Adultos.

A ação se desdobra agora na realização do filme O Levante, feito a partir das imagens do evento, e na construção de uma “instalação-documentação”, com cartazes, panfletos e fotos da corrida. Atualmente em fase de edição, o trabalho de audiovisual foi o ponto de partida do projeto, comissionado pela coleção austríaca Thyssen-Bornemisza Art Contemporary. Já a proposta da “instalação-documentação” veio depois, e a ideia é inseri-la num contexto expositivo, de preferência inicialmente no Recife.

Para o artista, o acontecimento possui diferentes perspectivas. Se para ele foi encarado, desde o princípio, como um trabalho de arte, para os carroceiros foi vivido como um momento festivo. Ambos, contudo, se encontraram pelo entusiasmo da situação. “O filme pouco importava para os carroceiros, e o projeto virou pretexto de gasto de vida e tomada da cidade num golpe e galope. Riscou-se o chão — a pata, a ferradura, a bosta. Incorporaram-se personagens.

Apagou-se qualquer protagonismo da equipe e dissolveram-se em massa. Tomou a frente o cavaleiro, o aboiador, a carroça em disparada. Forças vieram à tona em retomada de rédeas, ritmo, embalo — êxtase e desobediência. O barulho das patas dos cavalos sobre o asfalto multiplicava-se, ecoando nos paredões dos prédios e espalhando pela cidade. O som silenciava e demarcava o terreiro”, descreveu Jonathas, em texto sobre seu trabalho, publicado por ele na internet (http://cargocollective.com/jonathasdeandrade/o-levante). Após a corrida, as carroças saíram em cortejo pelas ruas do Recife, como se pedissem passagem; como se quisessem mostrar que, sim, ainda existem. A recompensa dos ganhadores foram bodes, recebidos de prêmio. Não será surpresa se o trabalho gerar ainda algumas polêmicas, como é de praxe nas obras de arte nas quais animais estão envolvidos. O próprio Programa para Redução Gradativa do Número de Veículos de Tração Animal (VTAs), em que o projeto de lei proibitivo das carroças se insere, trata da questão, embora saibamos que os motivos vão além.

Na perspectiva artística, contudo, o trabalho pode gerar muitas outras reflexões, sobretudo em relação ao projeto de urbanidade que o Recife almeja (e caminha para) ter. A ocupação dos espaços, para quem é a cidade e a camuflagem de ruralidade, em nome de um desenvolvimentismo, são talvez alguns pontos que o “acontecimento” suscita. Nesse sentido, ele é bastante político, mesmo que para Jonathas de Andrade não haja uma intenção declarada, no sentido do protesto e da defesa de uma classe social, como diz. Mas esse “espírito” está presente até no simples motivo de que a arte, instituída como tal, serve aqui para romper determinadas ilegalidades, legitimando situações a priori “desobedientes”, como é o caso da corrida das carroças. “Adoro que a arte seja a interseção possível que faz o improvável poderoso acontecer”, justifica Jonathas, que, diferente de artistas como Lourival Cuquinha, nunca tinha testado antes as fronteiras do constitucional. Aguardamos, pois, O Levante.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação que se apoia na parede. Estamos diante do interrogatório em …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …

Do mundo

O estranho mundo de Edward Burne-Jones

O nome Edward Burne-Jones (1833-1898) pode não ser tão familiar hoje como era antes, mas sua arte está ao nosso …

Reflexo

Hugo França

Cadeira Canoa

A “Cadeira Canoa” remete ao começo de tudo e também a um marco da minha carreira. Meu contato com …

Destaque

Sonia Gomes: ainda assim me levanto

“Ainda assim me levanto” apresenta a extraordinária contribuição da artista Sonia Gomes para a linguagem da escultura contemporânea. As obras …

Outras notas

Laércio Redondo: Relance

A pesquisa do artista brasileiro Laércio Redondo, que vive entre a Suécia e o Brasil, envolve a memória coletiva e …

Destaque, materia, yves klein

Yves Klein - Cronologia

CRONOLOGIA

1928 – Nasce em Nice, filho de um casal de artistas.
1947 – Inicia seus estudos do Judô e, no Clube …

Destaque, materias

57ª Bienal de Veneza

Viva Arte Viva

A 57ª Bienal de Arte de Veneza intitulada “Viva Arte Viva” inaugurou no início do mês de maio, …

Piti Tomé

O trabalho de Piti Tomé gira em torno da fotografia e da experimentação com a imagem. Sua pesquisa tangencia questões da psicanálise e trata …