© Ivan Padovani

DASARTES 36 /

Ivan Padovani

Ivan Padovani por Elisa Maia

Por Elisa Maia

Campo Cego é o projeto fotográfico que vem sendo desenvolvido desde 2010, por Ivan Padovani, na cidade de São Paulo. Ele é composto por “um inventário de fachadas cegas”, imagens de paredes laterais dos prédios, as empenas, que muitas vezes servem de suporte para anúncios publicitários. Por meio de um procedimento rigoroso e um recorte que foca não nas sacadas frontais, mas nos espaços vazios e escondidos dos edifícios, Ivan produz imagens que introduzem silêncio e delicadeza na paisagem saturada de metrópole.

Em Campo Cego, o enquadramento frontal das construções ignora o horizonte e o entorno dos prédios – “esse procedimento era importante para que o olhar não fluísse pelas bordas da imagem. Pelo contrário, a intenção nesse caso é provocar o confrontamento com essa parede, fazendo com que o olhar explore a concretude e a transparência dessa superfície”, conta Ivan. Livres de perspectiva e profundidade, suas paisagens se apresentam inicialmente em uma condição quase geométrica. Contudo, as formas retangulares em tons de branco e cinza revelam indícios de que se trata de edifícios, “elementos primordiais”, que marcam uma presença ostensiva nas cidades. Rachaduras, antenas de televisão, janelas, grades, escadas e caixas de ar-condicionado sensibilizam os planos, reconstruindo o contexto que é, em um primeiro momento, eliminado pelo processo.

À carga visual excessiva que caracteriza a metrópole, Ivan contrapõe imagens que pedem tempo e atenção, que instauram pausas e estabelecem “um respiro visual em meio à complexidade”. Suas fotografias, cuja estética se confunde com a do desenho ou da colagem, propõem ao observador “um olhar mais atento sobre a cidade, independente do caos, das sobreposições, da velocidade, da imponência”. Assim, junta-se às iniciativas que buscam desacelerar o olhar contemporâneo, sempre em trânsito e muitas vezes “anestesiado” pela avalanche informativa que compõe esse espaço.

 

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …