© Marcelo Tourinho

DASARTES 34 /

Heitor Reis

O ex-diretor do MAM Bahia também é um grande colecionador.

Além de sua própria coleção particular, formada afetivamente e que está dividida entre Bahia e São Paulo, Heitor Reis esteve e está em frente de diversas coleções institucionais. Não sabendo definir um artista ou suporte predileto, Heitor conversou com Dasartes sobre seu conjunto de obras e colecionismo de forma geral.

 

Como surgiu seu interesse por colecionar arte e quais foram suas primeiras aquisições?

Sou Museólogo de formação acadêmica e desde sempre me interessei pelas questões culturais, principalmente pelos museus e coleções das mais diversas. Iniciei minha coleção basicamente com artistas baianos, todos amigos com quem convivi bastante e que foram referências importantes. Mario Cravo, Sante Scaldaferri, Rubem Valentim, Caribé, Carlos Bastos, Mario Cravo Neto, Chico Liberato, Fernando Coelho, Leonel Matos e Calazans Neto são alguns dos muitos artistas que ocupam as paredes da minha casa em Salvador.

 

Há algum conceito específico por trás de sua coleção ou compra as obras por razões afetivas?

As coleções pessoais são formadas inicialmente por razões afetivas. A minha privada é composta das obras que gosto e me emocionam sem me preocupar com influências do mercado. Gosto de arte contemporânea, do barroco brasileiro, da arte popular… Sou eclético no meu gosto estético!

 

Estar à frente do MAM Bahia influenciou de alguma forma na sua coleção privada?

Todas as minhas ações na vida influenciaram meu olhar para a arte, mas com certeza o MAM e outros museus que dirigi influenciaram bastante não só na minha coleção privada, como nas públicas que ajudei a formar ao longo da vida. A própria Bahia que me deu todas as réguas e compassos culturais que precisava.

 

Seu envolvimento com a arte ultrapassa o simples colecionismo: além de diretor do MAM BA, você já foi presidente do Conselho Federal de Museologia, pró reitor de Arte e Cultura da FIB-Estácio. O colecionismo levou a este envolvimento ou foi o caminho inverso?

O colecionismo é uma consequência. Eu me considero mais um acumulador de obras afetivas do que um colecionador. Tudo que tenho de alguma forma faz ou fez parte de momentos da minha vida. Continuo adquirindo de acordo com minhas emoções do momento.

 

Quais são as aquisições mais recentes e planos para futuras compras?

Sou um pouco conservador e não tenho adquirido muita coisa para mim. Estou inteiramente focado na montagem da coleção BGA-Brazil Golden Art, fundo de investimento que sou sócio e gestor, e que vem a ser o primeiro da América Latina com foco em arte. Já estamos com 630 obras nas mais diversas linguagens que compõem um extraordinário panorama da arte brasileira dos últimos anos.

 

A partir de sua atuação na coleção BGA, como pensa a arte enquanto investimento financeiro?

A arte é uma excelente alternativa para diversificação de investimento e, pelo histórico dos últimos anos, tem se valorizado mais que qualquer outro ativo tradicional do mercado.

 

Alguma dica para novos colecionadores?

Procurem ver e ler o máximo que puderem sobre o tema. Hoje estamos num mundo globalizado e é muito fácil acompanhar tudo que está sendo produzido em todos os lugares, sem contar que nas grandes capitais brasileiras o circuito é muito intenso, proporcionando a todos democraticamente o conhecimento necessário para iniciar uma coleção.

 

Você guarda, vende ou troca suas obras?

As minhas obras pessoais não vendo nem troco! Como falei antes, sou um acumulador de memórias afetivas e não consigo me desfazer nem da minha coleção de selos da infância.

 

Então você se considera um colecionador impulsivo?

Quando se trata da minha coleção particular, sou impulsivo, sim. Mas nas das instituições ou do Fundo sou totalmente criterioso.

 

Qual sua obra de arte dos sonhos?

Aquela que ainda vai surgir, pois tenho certeza que aparecerá algo novo no mundo que revolucionará a estética mais uma vez, como sempre aconteceu na história da humanidade desde sua gênese. Espero que seja no Brasil e que eu esteja por perto para comprar antes dos colecionadores Gilberto Chateaubriand e José Olimphio (risos), duas grandes referências do colecionismo brasileiro.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …