© Guilherme Cunha

DASARTES 29 /

Guilherme Cunha

Atmosfera artificial (2013), de Guilherme Cunha, integra a mostra Diálogos imaginários.

Atmosfera artificial (2013), de Guilherme Cunha, integra a mostra Diálogos imaginários, individual do artista que esteve em exposição este ano, no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia de Belo Horizonte. Para essa instalação, Guilherme usou 24 cilindros de um gás respirável, purificado e engarrafado industrialmente, chamado de “ar medicinal” devido às altas taxas de oxigênio presentes na composição. Os cilindros, geralmente utilizados na recuperação de pacientes hospitalizados, ficaram abertos ao longo de um mês, criando uma espécie de oásis para os visitantes que circulavam em meio à atmosfera poluída da cidade. O artista conta que a ideia surgiu a partir de uma pesquisa sobre os processos cognitivos e de um desejo de desmaterialização da obra – “Como fazer algo que existisse apenas em sua carga poética e potência experimental, sem estar refém dos suportes materiais ou das narrativas textuais?”. O trabalho foi pensado, então, como uma “escultura de ar”, “insípida, inodora e incolor”, capaz de se tornar “parte integrante da constituição atômico-molecular” dos espectadores que a consumiram.

Embora as pesquisas de Guilherme privilegiem uma abordagem da arte enquanto processo criativo, e não enquanto objeto, a valorização das ideias não ocorre às custas da dimensão sensível da obra. Suas instalações enfatizam não apenas a presença do corpo dos visitantes, mas também os aspectos sensuais envolvidos na experiência estética que, no caso de Atmosfera artificial, torna-se também uma experiência terapêutica. Investigando os trajetos entre as dimensões sensória e cognitiva, seu trabalho explora e desafia o dualismo entre o sensível e o inteligível – “a capacidade de se produzir conhecimento sobre algo percebido é um dos pontos centrais dessa reflexão”. Para pensar essa relação entre as percepções sensoriais e a produção de conhecimento, Guilherme amplia seu foco de interesse para contemplar diferentes campos da produção intelectual – “transito bastante entre o vídeo, a medicina, a engenharia sonora e acústica, o desenho, a escultura e os estudos de óptica na física.” Para saber mais, acesse www.guilhermecunha.fif.art.br.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …