DASARTES 06 /

Grafite nas capitais brasileiras

De onde veio? Para onde vai?

Na capital paulista, os grafiteiros dividem-se em grupos por afinidades. O de maior relevância nasceu com a união entre integrantes da velha escola e novos talentos. Este grupo reúne nomes atuais como Nunca – com obras na atual exposição da Fundação Cartier, em Paris, sobre a arte de rua brasileira –, Ise, Coyo e Osgemeos, presentes na cena do graffiti desde os anos 1980 e que continuam pintando pelas ruas “como uma forma de conversar com a cidade, filtrando suas informações e devolvendo-as de forma criativa”, afirmam. No grupo de artistas mais novos na cena de arte de rua, aparecem pseudônimos como Finok e Zefix – ambos com desenhos no mural feito na alça de acesso à Av. 23 de Maio – e Toes. O trio desenha seus “nomes” com cores, letras simétricas e personagens divertidos, por meio de um estilo extremamente singular.

Por toda a parte, vê-se a influência da linguagem construída pelos grafiteiros atuais. É o caso dos murais de Ema, Marinho e do grupo Fleshbeck Crew, os mais presentes nos muros e viadutos cariocas. Alguns personagens de Toz, do Fleshbeck, como o bebê idoso e o polvo, já são familiares aos moradores da Zona Sul e fazem parte da paisagem. Outros, como Style e Ipek, seguem a essência dessa arte urbana pintando ilegalmente seus trabalhos em trens, metrôs e outros locais proibidos do Rio. Em Belo Horizonte, nomes como Dalata e Dninja representaram a região na primeira Bienal de Graffiti da cidade. Na região Sul, o artista Trampo decorou os vagões da Trensurb com seus trabalhos elaborados, que continuam pelas paredes de cidades como Porto Alegre, assim como os da dupla Imediato Crew e de Driin pelas ruas de Florianópolis. Alguns artistas fogem desta linha, como o pernambucano Derlon Almeida, que trouxe para suas intervenções a linguagem do cordel, e Orion, que produz uma arte “mista”: pinturas feitas em muro que revelam seu humor quando fotografadas em interação com os transeuntes.

Os estrangeiros também buscam as capitais brasileiras como meio de expressão artística e críticas com viés político. Um exemplo disso foi a obra do artista francês JR, integrante do coletivo Faile, na Favela do Morro da Providência, a mais antiga do Rio de Janeiro. Durante um mês, JR viveu no local para elaborar uma intervenção em homenagem aos moradores do local “com o mesmo improviso visto na organização da comunidade”, conta. No trabalho A Favela Diretamente nos Olhos, o artista parisiense instalou imagens inspiradas em mulheres que perderam seus parceiros na guerra do tráfico e pela violência policial.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …