© Sergio Guerini

DASARTES 22 /

Gonçalo Ivo

Ateliê de Gonçalo Ivo.

Por ocasião do lançamento de seu livro (em Livros e etc.), o pintor Gonçalo Ivo nos leva a visitar seu ateliê. Esse espaço foi criado em 2005 para abrigar suas telas em escala monumental, como Santa Maria de Taüll, entre outras, que foram expostas na Galeria Anita Schwartz, Pinacoteca do Estado de São Paulo e no Museu Nacional de Belas Artes.

Fale-me de sua prática diária no ateliê.

É um dia a dia de disciplina. Começa antes de o sol nascer e termina depois que ele se põe. A manhã é a parte mais intensa, quando as coisas se projetam e me sinto mais criativo. Funciona como para um ginasta ou um bailarino, que vai se aquecendo até chegar ao ponto em que é capaz de se expressar com certa plenitude e poesia. Pois é importante começar em um estado psíquico mais fluido, em que o inconsciente trabalha de forma tão ativa quanto seu lado racional. De manhã, trazemos fresco na mente o resquício dos sonhos e isso se projeta na obra.

E seu processo de criação?

A parte da criação nem sempre acontece no ateliê; às vezes, os estímulos para as telas vêm em outros momentos – no avião, em um quarto de hotel – e são registrados em anotações que depois são transformadas em pinturas e objetos. Quando passo essas anotações para a tela, porém, as regras mudam de acordo com o que sinto e vejo no momento da execução. Há um lado físico da criação, que faz com que o trabalho mude ao longo do processo, e é essa parte que está refletida no ateliê.

Como?

Bracque brincava que “não trabalhava com ideias, mas com materiais”, mas as ideias são parte vital do trabalho e estão o tempo todo se desenvolvendo e mudando. Ele também dizia que “a pintura é como um prédio, que parte de uma fundação”. Concordo com ele, o ateliê expressa essa imagem, pois lá tenho os trabalhos a serem terminados, com a fundação já pronta – muitos, pois sempre estou trabalhando em várias telas ao mesmo tempo – e os insumos e materiais e tinta… É um espaço dionisíaco, muito sensual e vibrante, com muita coisa acontecendo. Preciso desse espaço para me realimentar. Voltando às metáforas, o ator precisa de um teatro para virar ator e o ateliê é esse lugar para o artista, um lugar de experimentação e improviso, um instrumento de verdade.

O bucolismo do local influi no trabalho?

Não só influi como foi algo que sempre busquei. Eu cresci e morei a maior parte da vida em um sítio e sempre trabalhei em casa. O trabalho em arte, na verdade, não é apenas um trabalho, é a minha vida. Estou constantemente no ofício da arte, por isso não faria sentido sair da minha casa para trabalhar, seria como ter que sair de casa para estar vivo.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …