© divulgação

DASARTES 19 /

Formação de novos quadros para o sistema de arte contemporânea

O assunto foi tema de recente debate no Parque Lage, Rio de Janeiro.

A questão anunciada pelo título deste texto foi o tema de recente debate no Parque Lage, por ocasião do lançamento de três livros, com edição bilíngue, da Coleção Fórum Permanente: Museu arte hoje, organizado por Martin Grossmann e Gilberto Mariotti; Modos de representação da Bienal de São Paulo, de Vinicius Spricigo; e Relatos críticos da 27a Bienal de São Paulo, de Ana Letícia Fialho e Gabriela Kunsch − textos que tiveram sua origem na transmissão on-line dos encontros e debates (http://www.forumpermanente.org/).

Como plataforma de mediação cultural, com intensa atividade há cerca de oito anos, o Fórum Permanente formou-se a partir de vários projetos, entre eles a ideia de um museu da virtualidade que gerou, após debates de diferentes ordens, o Museu do (In)consequente Coletivo (cf. www.eca.usp.br/prof/martin/in_consequente/). As referências que inspiram sua atuação remontam aos museus-laboratórios das décadas de 1960 e 1970, às práticas experimentais, bem como às revisões críticas das metodologias da museologia tradicional. A constituição de profissionais para o meio de arte inscreve-se, assim, no universo de questões que vêm sendo abordadas nos seus seminários e programas de oficinas e se soma à incontestável ampliação de debates, seminários, cursos ou grupos de estudos sobre curadoria, gestão cultural etc, bem como de projetos educativos. Contexto que não está dissociado da expansão do meio de arte em termos mundiais, do mercado editorial do setor, do mercado de arte etc e que, cabe ressaltar, tampouco se restringe, no Brasil, ao eixo Rio-São Paulo, mas abrange diversas regiões. Por outro lado, é cada vez maior a intelectualização do artista, em termos acadêmicos ou não, bem como mais frequente sua transição entre diferentes funções. Se artistas e críticos, nos anos 1970, mobilizaram-se no sentido de criar espaços produtivos para a arte contemporânea, a atenção volta-se, hoje, para as atividades que envolvem, sobretudo, a apresentação do trabalho de arte, em grande parte dispositivo da própria produção, cercada de agentes de várias áreas.

De fato, verificam-se, hoje, diversos níveis de ensino, a começar pelas pesquisas desenvolvidas no âmbito dos programas de pós-graduação, com significativo volume de dissertações e teses sobre a arte no Brasil. Embora essa produção permaneça de certo modo ‘invisível’, esses cursos capacitam profissionais para diversas funções. Em termos históricos, é notória a importância do curso de pós-graduação lato sensu de História da Arte e da Arquitetura no Brasil, na PUC-Rio, implementado, em 1980, pelo artista Carlos Zilio, decisivo, durante anos, para o desenvolvimento de artistas, críticos e curadores.

No contexto atual, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro, vem conjugando à formação de artistas a de profissionais do campo da arte, com cursos gratuitos do programa Fundamentação, bem como cursos normais da escola, abrangendo cenografia, design de exposição, iluminação e treinamento de monitores, possibilitando trocas de diversas ordens entre esses estudantes e os artistas.

Esses dados, certamente, indicam cenário algo otimista, que a mediação cultural crítica desenvolvida pelo Fórum Permanente vem corroborar. Não se pode, contudo, esquecer a inconsistência da capacitação de dirigentes de várias instituições brasileiras, ou de seus funcionários, resultante da falta de política coerente e de longo prazo para o setor. Quadro que se reflete, entre outros efeitos, na inexistência de uma política de fomento de coleções públicas que possibilite contato com as obras não apenas internacionais, mas também da produção brasileira; na precariedade das bibliotecas; e na falta de incentivo à pesquisa como elemento operatório das atividades do meio de arte.

 

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …