Leaves and Shell, 1927

DASARTES 82 /

Fernand Léger

FERNAND LÉGER ficou fascinado com a vibração da vida moderna. Suas pinturas, murais, filmes e tecidos foram infundidos com a agitação e o ritmo da metrópole. Sua primeira grande exposição no Reino Unido celebra o desejo do artista de fazer da arte parte da vida cotidiana.

Fernand Léger (1881-1955) fazia parte de um célebre círculo de artistas e intelectuais que trabalhavam em Paris no início do século 20. Ele colaborativamente abraçou uma gama diversificada de disciplinas artísticas, incluindo pintura, desenho, arquitetura, murais de grande escala, filmes experimentais, livros impressos e têxteis. Talvez mais do que qualquer outro artista de sua geração, Léger buscou novas maneiras de tornar a arte moderna acessível e significativa para todos na sociedade.

Nascido na Normandia rural, ele foi treinado como arquiteto e se mudou para Paris. Ele começou a pintar logo após 1913 e desenvolveu um estilo visual único. Ele foi influenciado desde cedo pelo pós-impressionista francês Paul Cézanne e pela fragmentação visual encontrada no cubismo, refletindo a energia dinâmica da metrópole parisiense no auge da era da máquina. Cartazes e letreiros de neon se tornaram predominantes, suas pinturas fizeram declarações ousadas e otimistas sobre a experiência da vida moderna.

Elementos mecânicos, 1926

Léger foi engajado com os eventos políticos essenciais do seu tempo. Ele criou pinturas refletindo sua experiência de um guerreiro moderno como soldado durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1937, ele fez murais fotográficos funcionando como propaganda socialista para a Frente Popular na França.

Seus trabalhos posteriores incluem pinturas que promoviam o esforço coletivo; os sujeitos incluíam pessoas que apreciavam perseguições de lazer debaixo de céu azul radiante. Sua defesa ao longo da vida do valor da arte para toda a sociedade ainda está viva hoje.

AINDA VIVO E PAISAGENS MODERNAS

Léger acreditava que a beleza podia ser encontrada no mundo moderno cotidiano de objetos produzidos em massa, projetados para o consumo público. Em 1924, ele declarou: “uma obra de arte deve ser comparada a um objeto manufaturado”. Ele desenvolveu um estilo de pintura que refletia essa atitude, preenchendo seus trabalhos com a “Era da máquina”, com elementos como discos zumbindo, máquinas, transporte e objetos padronizados. Pinturas como O rebocador (1920) e Ainda vivo com uma caneca de cerveja (1921-22) demonstram sua união da estética moderna com um assunto acessível a todos.

Ainda vivo com uma caneca de cerveja, 1921-22.

Além de retornar a representações legíveis da vida urbana, desde o início da década de 1920, Léger também reivindicava a figura, a natureza morta e a paisagem como sujeitos por direito próprio. Em última análise, as formas fragmentadas de suas composições anteriores dariam lugar a planos de cores flutuantes. A domesticação da mecânica por Léger apresenta um ideal utópico do futuro, no qual a vida moderna e a inovação industrial coexistem harmoniosamente.

A EXPERIÊNCIA DA VIDA MODERNA

Em 1900, Léger se mudou para Paris para continuar seu treinamento arquitetônico. Chegou em uma época em que a cidade passava por uma rápida modernização e ficou fascinado com a maneira como a maquinaria e as novas formas de mídia estavam transformando o ritmo em que a vida era vivida. Para ele, essa intensa experiência da cidade exigiu uma mudança fundamental na expressão artística, declarando que “o homem moderno registra cem vezes mais impressões sensoriais do que um artista do século 18”. Isso foi expresso na Paisagem nº. 2 (1914), que apresenta uma paisagem usando uma linguagem de contrastes dinâmicos entre superfícies, tons e formas.

Três mulheres em fundo vermelho, 1927

Durante a Primeira Guerra Mundial, Léger serviu no exército francês e ficou fascinado com a estética da máquina compartilhada pelo movimento futurista italiano. Pintado durante um período de licença, Soldados jogando cartas (1917) apresenta uma cena de soldados com figuras compostas de elementos individuais, como peças de máquinas.

Inspirado pelos cartazes e letreiros de néon de Paris, Léger ficou igualmente fascinado pelo cinema antigo. Assim como pinturas como o Elemento mecânico (1924), o filme forneceu uma nova maneira de expressar o dinamismo visual e o movimento. Léger estava no set quando Abel Gance dirigia seu clássico filme The Wheel (1923), levando o artista a fazer uma série de pinturas sobre o tema.

Menina jovem, segurando uma flor, 1954

LÉGER E FILME

O fascínio de Léger pelo cinema começou em 1916, quando estava de licença da frente da Primeira Guerra Mundial, e, acompanhado pelo amigo Guillaume Apollinaire, descobriu Charlie Chaplin. Tal como acontece com outros artistas e poetas de sua geração, Léger considerou o filme como um meio de massa verdadeiramente acessível, oferecendo um potencial para representação visual libertada da narrativa. O Balé mecânico, concluído em 1924 e feito em colaboração com Dudley Murphy, Man Ray e música de George Antheil, compartilha muitos elementos com as pinturas de Léger do período, em que o elemento mecânico é “o personagem principal, o papel principal”. Um filme sem roteiro baseado em uma série de imagens, onde partes de corpos, fragmentos de objetos comuns são filmados em close e renderizados como formas abstratas. O objetivo de Léger era “criar aventura na tela, como é criada todos os dias na pintura e na poesia”.

O Acrobata e sua parceira, 1948.

OBJETOS POÉTICOS

No final da década de 1920, Léger se afastou de fazer pinturas que celebravam objetos feitos à máquina e da vida urbana moderna e passou a incorporar formas naturais, como conchas, folhas e raízes em seu trabalho. Esse desenvolvimento ocorreu quase em conjunto com seu reconhecimento do potencial da câmera como outra maneira de olhar para a pintura. A obra Os objetos que reagem poeticamente (1931-36), em parceria com Charlotte Perriand e Pierre Jeanneret, reflete o interesse comum de Léger em objetos e formas naturais. Os objetos foram encontrados por Léger, Perriand e Pierre Jeanneret, primo e colaborador de Le Corbusier, enquanto exploravam a floresta de Fontainebleau, perto de Paris, ou a costa da Normandia. Sua descoberta de objetos talvez seja uma reminiscência da prática surrealista de buscar o maravilhoso na vida cotidiana, através de uma abertura aos processos fortuitos.

Fernand Léger e Charlotte Perriand, Felicidade essencial, novos prazeres, 1937–2011.

A influência da fotografia na pintura de Léger pode ser vista em Folhas e casca (1927), que apresenta uma série de objetos naturais isolados no espaço, como se fossem vistos sob um microscópio. Para ele, isso forneceu “uma nova mentalidade para ver claramente [e] entender mecanismos, funções, motores… percebemos que esses detalhes, esses fragmentos, se vistos isoladamente, têm uma vida completa e particular”.

UMA ARTE IMEDIATA

Muitas pinturas posteriores a 1930 retratam imagens ideais do homem e da sociabilidade, expressando uma visão otimista da sociedade voltada para o futuro. Trabalhos como Composição I e Dançarinos com chaves (1930) apresentam uma abordagem clássica da figuração com formas abstratas biomórficas, ao lado de elementos arquitetônicos e decorativos à direita de cada composição. Era um estilo moderno de pintura com uma clareza gráfica às vezes citada como precursora da pop art dos anos 1960. Léger “queria proclamar um retorno à simplicidade por meio de uma arte imediata, sem qualquer sutileza”. Em última análise, Léger chegou a considerar a arte abstrata inacessível e, em 1950, afirmou que “o tempo da arte frequentemente criticada sem sujeito real (arte pela arte) e a arte sem objeto (arte abstrata) parece ter acabado”.

O GRANDE SUJEITO

Léger se juntou ao Partido Comunista em 1945 e suas pinturas resumem suas convicções políticas, artísticas e abordagem colaborativa. Muitas obras mostram também a importante influência da artista Nadia Khodasevich Léger, que conheceu na década de 1920 e se casou em 1952. Nesse período posterior de sua carreira, Léger procurou instilar uma educação estética como meio de melhorar a vida cotidiana. Muitas obras retratam acrobatas ou artistas de circo que celebram o empreendimento coletivo como um ideal. No estudo para Os construtores: a equipe em repouso (1950), trabalhadores são justapostos com formas biomórficas naturais, sugerindo uma união duradoura da natureza com o mundo em constante mudança da tecnologia e da indústria.

Os construtores: a equipe em repouso, 1950.

Tate Modern – até 17 de março

Instituto Valenciano de Arte Moderna (Ivam), na Espanha – de 2 de maio a 15 de setembro de 2019

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Leandro Elrich

No Estado da Geórgia, onde cresci, há uma pequena cidade equidistante de Atlanta e Athens chamada “Between”. Ao passar de …

Destaque

Cindy Sherman

Cindy Sherman é uma das artistas mais influentes e importantes do nosso tempo. Embora seja sempre a própria artista que …

Flashback

Hans Arp

Ao longo de uma carreira de mais de seis décadas, Jean (Hans) Arp produziu um corpo de trabalho notavelmente influente …

Entrevista

Carlos Cruz-Diez

Esculturas e pinturas que mudam de acordo com os movimentos do espectador são a marca registrada de Cruz-Diez, artista venezuelano …

Reflexo

Cao Fei

SÉRIE KARAOKE, 2019

Seguindo o estilo dos vídeos de karaokê, a Série Karaoke é um relato visual do cotidiano dos habitantes …

Alto relevo

À Nordeste

A exposição À Nordeste, em cartaz no SESC 24 de maio, de 16 de maio a 25 de agosto de …

Garimpo

Luiz Escañuela

Desde o advento da arte moderna, a pintura de caráter representativo ora é combatida, ora é celebrada pela crítica. Clement …

Do mundo

Dora Maar

A obra e a personalidade de Dora Maar (1907-1997) fazem dela, no momento, um tema de estudo e pesquisa dos …

Alto relevo

Frank Bowling

Frank Bowling nasceu em 1934, na Guiana (então Guiana Britânica), América do Sul. Em 1953, deixou sua cidade natal, New …

Destaque

Hudinilson Jr.

A Galeria Jaqueline Martins expõe obras de Hudinilson Jr. (1957-2013), algumas delas inéditas, em uma mostra que carrega o nome …

Reflexo

Bruno Vilela

Em fevereiro de 2019, embarquei em uma aventura para a Índia. Meu primeiro objetivo era fotografar o mais importante festival …

Entrevista

Ai Wei Wei

Ai Weiwei é o mais politizado artista da China, se não do mundo. Raras são suas obras que não criticam …

Matéria de capa

58ª Bienal de Veneza

A 58th Bienal de Veneza, intitulada May You Live in Interesting Times (Que você viva em tempos interessantes), inaugurou no …

Flashback

Joaquín Sorolla

A última vez que Sorolla expôs suas obras em Londres, nas Galerias Grafton em 1908, foi chamado de “o melhor …

Do mundo

Bernard Frize

Por mais de 40 anos, Bernard Frize vem desenvolvendo um trabalho com restrições. De sua primeira série, que foi traçar …