© divulgação

Um homem nu dá uma cambalhota no quintal em frente a uma mulher que almoça na
varanda. Em primeiro plano, uma garotinha oferece uma flor como um convite silencioso. Lar
doce lar, do artista plástico Fábio Baroli, integra Sujeito da Transgressão, série de pinturas a
óleo composta por dípticos, trípticos e polípticos realizados a partir do mesmo princípio: a
pintura como linguagem, a apropriação como método e o erotismo como tema, motivados
pelo conceito de transgressão batailleano.

Cada composição é resultado da colagem de imagens provenientes de diferentes fontes –
fotos pessoais de álbuns de família ou fotos amadoras retiradas da internet, de sites
pornográficos, flickrs, blogs e outros bancos – manipuladas em um software de edição de
imagens e (re)contextualizadas nas pinturas em pinceladas largas, fluidas e bem marcadas.

O trabalho foi realizado na ocasião em que Fábio Baroli retornou à sua cidade natal, Uberaba.
Nesse contexto de retornar à origem, a casa, ao núcleo familiar, o artista procurou uma ação
que pudesse associar a uma atitude transgressora de recomeço, de transposição de limites a
uma descontraída brincadeira de infância: a cambalhota (cambota, como chamam em
Uberaba). Assim, o quadro leva o apelido carinhoso de Cambota da Fuleragem. A obra foi
exposta duas vezes, na Baró Galeria (São Paulo) e na Galeria Laura Marsiaj (Rio de Janeiro).

Para conhecer um pouco mais a obra do artista, acesse: www.fabiobaroli.blogspot.com

Compartilhar: