© divulgação

DASARTES 21 /

Entre a dança e as artes visuais

Entre a dança e as artes visuais.

“É preciso adorar dançar para persistir. A dança não dá nada em retorno, nem manuscritos a guardar, nem pinturas a colocar na parede ou mesmo a expor nos museus, nem poemas a publicar ou vender; nada salva esse instante fugaz, único, quando você se sente viver”, diz Merce Cunningham. Este é o desafio de exposição Danser sa vie. Art et danse de 1900 à nos jours, com curadoria de Christine Macel e Emma Lavigne, instalada no Centre Georges Pompidou de novembro de 2011 a abril deste ano: explorar o diálogo, às vezes fusional, da dança moderna e contemporânea com as artes visuais; colocar em cena a arte do corpo em movimento, sua representação como mise en action, apresentando o desenvolvimento de uma aspiração à sinestesia que marca a arte moderna e se confunde com a perda das fronteiras entre as artes na contemporaneidade. Além de vários eventos paralelos, acompanha a exposição um belo catálogo, com textos importantes, cujo título é uma referência a Isadora Duncan.

A mostra é organizada segundo três eixos temáticos. O primeiro, a subjetividade que se exprime na obra, a dança como expressão de si mesma, tratando da liberação dos códigos preestabelecidos, em estreita relação com as artes plásticas. Um pequeno extrato de Vaslav Nijinski dançando L’Après-Midi d’un faune nos introduz a sua ambição de uma nova linguagem do movimento, sincrética, imediata e universal, em consonância com a concepção global, própria à síntese das artes experimentada pelo Ballets Russes ? uma espécie de nova concepção dionisíaca para as artes. Artistas, por exemplo, como Henri Matisse e André Dérain celebram o corpo nu e liberado da dança em rodas e cortejos dionisíacos. Comunidades como Monte Veritá, estabelecida por Rudolf von Laban, na mítica colina de Ascona, na Suíça, tentam educar os corpos em função de ritmos musicais em paisagens naturais ou em cena. Mary Wigman, sua aluna, que se considera uma dançarina da humanidade, encarnando pulsão de vida e morte, fascina, entre outros, os pintores Emil Nolde e Ludwig Kirchner ? trocas entre arte e dança, próprias ao expressionismo.

O segundo trata de uma história mais conhecida nossa – da abstração do corpo – e tem seu início com as performances dadá, e é comum a toda a vanguarda histórica, com fortes ressonâncias a partir dos anos 1960. Com um novo repertório de gestos e formas, dançarinos e artistas introduzem o corpo na modernidade, reduzindo-o a elementos simples e à mecanização. De Loïe Fuller e seu balé cinético às sinfonias cromáticas e rítmicas de Sonia Delaunay, ao dinamismo da obras futuristas como as de Gino Severino e de Fortunato Depero ou ainda a Vassily Kandinsky, a relação entre dança e arte é determinante na abstração. De Stijl e Bauhaus, são particularmente interessados pelo corpo em movimento, por suas cores, linhas, por seu dinamismo e ritmo. Célebre é o Balé Triádico de Oskar Schlemmer. Como assinala o artista em 1928: “Que quer dizer, o que significa abstrato? Para ser breve, e de uma maneira geral, significa a simplificação, a redução ao essencial, ao elementar, ao primário, para opor uma unidade à multiplicidade das coisas… ”.

O terceiro e último eixo temático trata especialmente da relação entre dança e performance na arte contemporânea, a começar pelas experiências do Black Mountain College, com a participação de John Cage, Cunnigham e de uma plêiade de artistas, como Nam June Paik, Andy Warhol e Robert Rauscherberg. A dançarina Ann Halpin, na Califórnia dos anos 1950, com suas tasks ? movimentos que estabelecem uma relação com os atos cotidianos, a natureza e o espaço sociopolítico ? teve grande influência no início da arte minimalista. Do Judson Theater, em Nova York, nos 1960, aos happenings de Allan Kaprow e ao movimento Fluxus, como dizem as curadoras, fazem “do corpo em movimento a sismografia dos estados da alma contemporânea. As idas e voltas estéticas, formais e conceituais entre coreógrafos e artistas são então incessantes”. Outros artistas, como Robert Morris, Robert Rauschenberg, Yvonne Rainer e Trisha Brown, atuam (ou atuaram) tanto na coreografia quanto nas artes plásticas. Inúmeros são os filmes ou vídeos e obras expostos, num total de 450. Destaco Pina Bausch, Wiliam Forsythe, Olarfur Eliasson (com Mouvement microspoce, de 2011) e Matthew Barney, que revisitou, nos anos 1990, o fauno encarnado por Nijinski. De brasileiro, apenas alguns parangolés de Hélio Oiticica, acompanhado do vídeo de Katia Maciel. O Balé Neoconcreto, de Lygia Pape, esse… Nem pensar.

 

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …