DASARTES 86 /

Dora Maar

Fotógrafa profissional e pintora surrealista, DORA MAAR produziu uma obra de valor inquestionável, embora alguns aspectos cruciais de sua prática artística permaneçam desvalorizados. Retrospectiva no Pompidou se propõe a mostrar todos os aspectos de sua produção, a fim de restaurar seu status como artista, ofuscado por seu papel de grande musa de Pablo Picasso.

A obra e a personalidade de Dora Maar (1907-1997) fazem dela, no momento, um tema de estudo e pesquisa dos mais frutíferos e fascinantes. Muitas vezes simplesmente identificada como a musa e companheira de Picasso, Dora Maar é a que “tem todas as imagens a seu favor”, como escreveu seu amigo Paul Eluard em uma dedicatória.

Fotógrafa profissional do mundo da moda dos anos 1930, intelectual envolvida em múltiplas iniciativas antifascistas, artista surrealista, parceira artística de Picasso e, finalmente, pintora – um componente que representa uma verdadeira descoberta tanto para o público como para o mundo da arte –, Dora Maar atravessou o século com sua presença enigmática.

As imagens realizadas no auge de sua carreira fotográfica, em 1935 e 1936, mostram como Dora trabalhou com sucesso nos mundos da moda, retratos, fotografia de rua e surrealismo. Foi nessa época que ela conheceu Picasso. Nos oito anos seguintes, o relacionamento deles foi marcado por trocas intelectuais. Dora Maar estimulou a consciência política do pintor e lhe ensinou a fotografia.

Sem título, 1935.

Picasso fez muitos retratos da jovem, incluindo uma pintura e duas obras em papel, agora preservadas no Tate Modern. Em 1990, pouco depois da aquisição de The Crying Woman (1937), a diretora do museu Frances Morris conversou com Dora Maar sobre essa pintura e seu envolvimento na produção de Guernica e em seu trabalho de documentação dessa obra-prima.

Esta entrevista foi o ponto de partida do desejo de reconhecer Dora Maar como uma artista singular por si só, que encontrou o seu ponto culminante na presente retrospectiva que reúne peças de 80 instituições e colecionadores por meio de mais de 400 obras.

O QUE ESTÁ POR TRÁS DE UM NOME? A INVENÇÃO DE “DORA MAAR”

Modelo-estrela, 1936.

Ela nem sempre foi Dora Maar. Nascida Henrietta Theodora Markovitch em 1907, ela recebeu o apelido de Dora, um diminutivo de seu nome do meio. Foi chamada de Dora Markovitch durante seus estudos na União Central de Artes Decorativas em Paris (UCAD) – naquela época, uma escola progressista que treinava meninas nas artes decorativas – que ela frequentou de 1923 a 1926, quando ela se tornou a estudante do pintor André Lhote no final da década de 1920.

Após um breve período na Escola Técnica de fotografia e cinema da cidade de Paris, no final de 1920, ela publicou suas primeiras fotos em 1930 sob o nome de Dora Markovich.

Em 1932, formou uma empresa “para a execução de todo trabalho de fotografia” com Pierre Kéfer, diretor artístico e designer de filmes reconhecidos, sob o nome de “Kéfer-Dora Maar”. Esse anúncio, que é a mais antiga menção conhecida do pseudônimo Dora Maar, atesta sua transformação de Markovitch para Maar e sua reconversão (embora temporária) de pintora para fotógrafa.

De 1930 a 1939, Dora Maar fotografou moda e arquitetura, publicidade, retratos e nus no contexto de comissões para revistas tradicionais, editoras, casas de moda, costura, marcas de cosméticos e particulares. Durante esse período, ela também produziu imagens em estilo de documentário, colagens e fotografias de cenas incomuns, muitas das quais se tornaram  ícones da fotografia surrealista.

Assia, 1934

Esse foi um momento em que os limites entre as disciplinas fotográficas foram menos rígidos do que se tornariam mais tarde: a fotografia publicitária ainda não era considerada um gênero à parte, e artistas, incluindo Dora Maar, não catalogavam suas obras em termos tão estritos. Man Ray fez seu nome cultivando com sucesso essa conexão entre o mundo da fotografia comercial e o surrealismo. Como ele, Dora Maar fez fotografias que são o produto de cruzamentos dos gêneros: a encenação de nus eróticos etéreos para “revistas de encanto” como Seduction, que seguidas por imagens de modelos de cabelos curtos (sinal de radicalização em mulheres jovens) em revistas especializadas, como La Coiffure, de Paris.

A imprensa ofereceu a Dora Maar um lugar de experimentação fotográfica, uma área de fronteira onde o jogo e as contradições entre fantasia e realidade, uma dualidade que fascina os surrealistas, são permitidos e podem ser explorados.

 

ENGAJAMENTO: FOTOGRAFIAS DE RUA – BARCELONA E LONDRES

Barcelona, 1933.

Em setembro de 1931, Dora Maar foi para a Espanha. Certamente, chegou primeiro a Barcelona, ​​onde desceu ao hotel Oriente. Na Espanha, um país em si surrealista, vitalista e cruel, Dora Maar se comprometeu a aproveitar a vida das ruas e das pessoas que as povoavam.

A jovem captou perfeitamente a animação do mercado de rua e seus arredores. Cheia de movimento, as fotografias das vendedoras de avental branco e das crianças de rua que ela fez em Barcelona estão entre as mais bem-sucedidas nesse registro.

Ela reutilizou a do garoto que fazia acrobacias, corpo arqueado, pés na parede e de cabeça para baixo, em sua famosa colagem The Simulator. Na década de 1930, Dora Maar foi politicamente engajada: “Eu estava à esquerda no ano 1925, não como agora, mas eu nunca teria pertencido ao Partido Comunista”, disse ela em 1994. Mais tarde, participou do grupo Contre-Attaque, criado por Breton e Bataille, no qual atuou como porta-voz.

Em uma Europa abalada pela crise econômica após o crash de 1929, o número de desempregados, mendigos e famílias pobres aumentou consideravelmente, tanto na França como na Espanha. É nesse contexto que a fotografia sociodocumentária floresceu.

 

EXPERIÊNCIAS SURREALISTAS: O PERÍODO DA FOTOMONTAGEM

Retrato de Picasso, 1935-1936. © Adagp, Paris 2019. Foto © Centre Pompidou.

“Colagem – processo de criação que envolve cortar, usar tesouras, imagens ou elementos de imagem para montá-los, usando cola, de acordo com o prazer da imaginação e a única lei de mudança de cenário, sem prejulgar o elemento do acaso que esse processo pode conter, a fim de trazer a realidade e penetrar bem no campo de desviar imagens maravilhosas de seu propósito original e seu significado comum. A arte da colagem é, sobretudo, a arte de ver uma imagem em outra ou em muitas outras”, disse Georges Hugnet, personalidade próxima de Dora Maar.

É certo que a maravilha nasce da recusa de uma realidade, mas também o desenvolvimento de um novo relacionamento, uma nova realidade que essa recusa libertou.

A artista tinha uma sensibilidade surrealista e um senso de absurdo desde tenra idade. Em seus arquivos, uma fotografia da década de 1920, com uma impressão sobreposta acidental, encorajou-a a brincar com o efeito fantasma. Mas foi sua reaproximação com o grupo surrealista que levou Dora Maar a se desenvolver e, assim, criar um corpo de imagens fantásticas para as quais ela escolheu não retornar ao desenho ou pintura que ela estudara anos antes, mas a usar uma técnica que ela conheceu por meio de seu trabalho como fotógrafa: fotomontagem.

 

MAAR / PICASSO

Retrato de Picasso, 1935-1936. © Adagp, Paris 2019. Foto © Centre Pompidou.

Nos primeiros anos de seu caso com Dora Maar, as criações de Picasso foram impregnadas da violência e do erotismo e sugeriram o estado mental de um homem que se envolveu em um novo relacionamento em um momento em que seu país entrara na guerra civil. Até 1936, Picasso continuou suas experiências em materiais fotossensíveis usando técnicas tradicionais.

Guiado por Dora Maar, ele começou a explorar as possibilidades oferecidas pelo processo mais complexo do Cliché verre.

Instalados no quarto escuro da fotógrafa, eles realizaram juntos três placas, das quais fizeram cerca de 15 impressões digitais e variantes.

Uma camada de tinta a óleo branca foi aplicada antecipadamente em uma placa de vidro. Picasso fizera retratos fotográficos de Dora Maar em seu castelo de Boisgeloup na primavera (ele só fotografou duas vezes). Com essas imagens como referência, ele usou o dedo e uma lâmina para limpar a tinta e gravar os contornos do rosto de Dora Maar.

No final de sua vida, Dora Maar explicaria que a ideia veio de Picasso e que ele havia pintado as placas: “Mostrei-lhe a técnica”.

Em 1990, Dora Maar conversou com Frances Morris sobre dois quadros de Picasso, The Crying Woman e Guernica (ambos datados de 1937). Perguntada sobre a possível influência de suas fotografias em Guernica, Dora Maar respondeu: “Eu acho que ela foi inspirada pelo meu estúdio, eu tinha um espaço muito bonito”. Além disso, acrescentou: “É muito importante, na minha opinião, que Guernica pareça uma fotografia porque é um trabalho absolutamente moderno”.

Detalhando como a fotografia influenciou sua decisão de pintar a tela em preto e branco, ela observou: “É muito importante para o gênio de Picasso ter feito uma enorme foto”.

Por meio dessas observações, Dora Maar articulou uma ideia que escritores e historiadores vêm investigando há 80 anos: a relação de Guernica com a fotografia – não apenas para o meio mas também para a fotografia e o desenvolvimento, para sua difusão em papel e em telas, e as técnicas, o material e a experiência vivida da oficina e do quarto escuro. No dia 1º de maio, em sua oficina, Picasso executou seus primeiros esboços para Guernica.

De 11 de maio até a pintura terminar, em 4 de junho, Dora Maar documentou o progresso em oito etapas sucessivas de execução. A fim de corrigir a luz fraca e desigual da oficina, Dora Maar retocou, usou negativos intermediários, cortou e refotografou várias impressões. Ecoando o tema do artista em processo, querido por Picasso, ela incorporou frequentemente latas de tinta, panos e projetor em suas fotos, como evidência da presença do pintor fora da moldura e, ao mesmo tempo, a fotografia de frente para sua tela.

Outro fato novo, de natureza diferente, ocorreu naquele verão no estúdio de Picasso: Dora Maar estava voltando a pintar seriamente. Ela fez retratos de Picasso, fez sua própria versão de The Crying Woman e, em uma de suas pinturas, evocou uma cena na qual Guernica serviu como pano de fundo. No entanto, quando ela aproveitava seu quarto para documentar suas pinturas e os trabalhos de diferentes mídias por Picasso, ela indiretamente captou algo mais: a ideia de seu dinâmico trabalho e sua influência recíproca.

À beira de se estabelecer como uma das figuras em ascensão da cena artística parisiense, Dora Maar, no entanto, deixou de expor seu trabalho em 1946. O rompimento com Picasso e a crise psíquica que se seguiu foram as razões frequentemente mencionadas para a explicação de seu silêncio e sua ausência por quase dez anos das galerias parisienses. Dora Maar, no entanto, nunca parou de trabalhar. Paralelamente à meditação e à oração, a pintura fez parte da rotina diária que a ajudou a recuperar a estabilidade emocional e espiritual, como evidenciam seus cadernos pessoais e anotações guardadas em seus arquivos.

 

PINTURA E FOTOGRAFIA: UMA RECONCILIAÇÃO?

Sem título, 1980.

Apesar do apoio de uma rede de personalidades influentes que encorajou o aprimoramento de sua obra no final dos anos 1950, sua adesão ao movimento da abstração foi tardia, graças ao seu desejo de permanecer à margem da cena de arte contemporânea na Europa. A renovação estética e geracional plena estava certamente na origem da atual invisibilidade da obra de Dora Maar.

É impossível saber se ela sofreu com esse reconhecimento indiferente de sua carreira como pintora. A situação não pareceu tê-la impedido de continuar a criar na confidencialidade de suas oficinas, sondando, em seu próprio ritmo, territórios estéticos que eram singulares para ela. Grande parte de suas obras em papel – guaches, aquarelas, tintas, monotipias – são testemunhas de sua experiência radical da abstração.

Ela até explorou a linguagem da abstração geométrica inspirando-se nos vitrais religiosos dos anos 1960, quando tudo parecia separar essa tendência de seu universo. A semelhança dos negativos abstratos com suas composições gráficas e pictóricas do pós-guerra os aproximou das experiências que Dora Maar alcançou em uma idade muito avançada no final dos anos 1980. Enquanto ela recusou sua nomeação como fotógrafa do surrealismo, apesar das solicitações de historiadores e críticos, Dora Maar quase reencenou a reconciliação da fotografia e da pintura no quarto escuro. Ela não fotografava mais, mas combinava sua pesquisa sobre o gesto pictórico e a luz através de uma série de fotogramas, desenhos luminosos que compuseram novas paisagens abstratas.

Paisagem de Lubéron, 1950. © Adagp, Paris 2019. Foto: © Brice Toul

Acidentes, interrupções, reversões, reconciliação foram os componentes da carreira sofrida de Dora Maar como artista-pintora. Ao contrário dos padrões de sucesso artístico, esta trajetória é, não obstante, indicativa da vitalidade e liberdade criativa mostradas ao longo de sua carreira. Ainda falta sondar todo o escopo da história da arte, da história das mulheres criativas, da interminável história dos surrealistas, da história dos fotógrafos que querem se tornar pintores, e simplesmente de Dora Maar, “pintora do limite extremo”.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Garimpo

Luiz Escañuela

Desde o advento da arte moderna, a pintura de caráter representativo ora é combatida, ora é celebrada pela crítica. Clement …

Alto relevo

Frank Bowling

Frank Bowling nasceu em 1934, na Guiana (então Guiana Britânica), América do Sul. Em 1953, deixou sua cidade natal, New …

Destaque

Hudinilson Jr.

A Galeria Jaqueline Martins expõe obras de Hudinilson Jr. (1957-2013), algumas delas inéditas, em uma mostra que carrega o nome …

Reflexo

Bruno Vilela

Em fevereiro de 2019, embarquei em uma aventura para a Índia. Meu primeiro objetivo era fotografar o mais importante festival …

Entrevista

Ai Wei Wei

Ai Weiwei é o mais politizado artista da China, se não do mundo. Raras são suas obras que não criticam …

Matéria de capa

58ª Bienal de Veneza

A 58th Bienal de Veneza, intitulada May You Live in Interesting Times (Que você viva em tempos interessantes), inaugurou no …

Flashback

Joaquín Sorolla

A última vez que Sorolla expôs suas obras em Londres, nas Galerias Grafton em 1908, foi chamado de “o melhor …

Do mundo

Bernard Frize

Por mais de 40 anos, Bernard Frize vem desenvolvendo um trabalho com restrições. De sua primeira série, que foi traçar …

Panorama

Gilvan Samico

Às vezes, no mundo da arte, o tempo não corre com a cronologia feroz e imperiosa, mas se pauta por …

Reflexo

Luciano Figueiredo

Série KINOMANIA, década 1980/90

Iniciei a série Kinomania em 1995, com desenhos, pinturas e colagens a partir do filme Cidadão Kane, …

Garimpo

Patrícia Chaves

Nascida em Niterói, a artista Patrícia Chaves, graduada em Pintura pela Escola de Belas Artes da UFRJ, expõe em sua …

Resenhas

Resenhas

Denise Milan • Glasstress 2019 • 9/5 a 24/11/2019 • Berengo Art Space Foundation • Murano – Itália
POR LICA CECATTO

O …

Matéria de capa

Dorothea Tanning

Dorothea Tanning nasceu em 1910 no estado de Illinois, em Galesburg, uma típica cidade pequena do centro-oeste americano. Ao longo …

Flashback

Rembrandt van Rijn

Sempre inovador e, com frequência, provocante, Rembrandt balançou o mundo da arte na Era de Ouro. Este ano marca o …

Alto relevo

Jonathas de Andrade

Apropriando-se de técnicas de disciplinas como etnografia, antropologia, sociologia e outras ciências sociais, Andrade aborda temas como interseção de raça, …