DASARTES 09 /

Divulgação da obra X Licenciamento comercial

Podem e devem os artistas se preocupar em vida com a maneira em que suas famílias conduziram sua arte após seu falecimento.

O artista deveria sempre sonhar e trabalhar para que sua arte estivesse ao alcance de todos e não apenas em museus e nas paredes dos colecionadores. Muitos são os caminhos que podem ser trilhados pelos artistas para se conectar com um grande público sem, com isso, diminuir o valor de sua obra.

Um desses caminhos é através das reproduções. Estas deverão ser controladas pelo artista para que a qualidade seja preservada. Tragédias podem acontecer quando o artista cede, por completo e irrestritamente, o direito de uso de sua obra ou de seu nome. Seu uso incorreto pode ter um preço muito alto, e é difícil de se calcular o estrago e as consequências para a sua carreira.

Outro meio a ser trilhado é a divulgação da obra. O artista deveria investir um pouco de seu tempo se preocupando em estar presente em bons livros, inclusive os didáticos, e na mídia. Grande erro cometem aqueles que querem cobrar para que sua obra seja publicada em um livro ou revista. Esse tipo de atitude só gera antipatia, porém, com isso, não quero dizer que ele não deva se preocupar ou se interessar em saber em que contexto a obra estará sendo publicada.

Geralmente, são famílias de artistas falecidos que veem nessa cobrança uma possibilidade de renda extra. Isso deve servir de alerta para os vivos que não querem e nem concordam com esse tipo de atitude. Podem e devem os artistas se preocupar em vida com a maneira com que suas famílias conduzirão sua arte após seu falecimento, deixando documentos legais que especifiquem seus desejos.

Talvez, o caminho mais eficaz para se conectar com um grande público seja por meio do licenciamento da imagem da obra para ser aplicada em um produto comercial específico. Imagine que esse produto esteja disponível em um supermercado, atingindo pessoas que talvez jamais tenham entrado em um museu, mas que são seduzidas e amam a arte sem necessariamente entendê-la. Dirão aí os críticos que isso não é arte, apenas marketing. Essa é uma longa discussão. O que vale salientar aqui é que o licenciamento poderá ainda ser uma fonte de renda generosa e constante para o artista. Assim como em reproduções, o licenciamento exige cuidados específicos e seria conveniente que o artista tivesse a orientação de um profissional idôneo, pois o assunto requer conhecimento e cuidados especiais para proteção da obra como um todo.

Temos ainda opções importantes, como trabalhos com crianças, obras públicas, painéis em hospitais, escolas, ações de caridade e aeroportos. Muitas dessas ações não envolvem remuneração, mas devem ser vistas como um grande investimento e que agrega grande valor à carreira. Sem dúvida, são tantos os caminhos que podem ser seguidos que esse assunto daria, certamente, um livro. Tudo nasce da vontade que o artista tem de abraçar o mundo e mostrar sua obra para o maior número possível de pessoas.

Por Bia Duarte, diretora da B Licenças Poéticas, responsável pela gerência dos direitos autorais de diversos artistas plásticos

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …