DASARTES 09 /

DesGosto

Guy Amado explica porque gosto, afinal, não se discute.

É curioso como um fator tão básico e determinante em toda experiência estética – mesmo aquelas mais espontâneas, que temos, distraídos, na vida cotidiana – seja tão evitado como assunto, quanto o “gosto”. Até mesmo nas situações mais prosaicas e informais, ele paira soberano a cada escolha ou juízo emitido sobre as mais variadas questões. Na conversa de mesa de bar ou ao perambular em um supermercado atrás daqueles produtos sedutoramente enfileirados, estamos, a todo momento, sujeitos a exercê-lo, ainda que não nos apercebamos disso. E ainda assim relutamos em atribuir a ele a devida importância, preferindo nos esquivar assim que a conversa tangencia a noção do gosto.

Indo mais longe, pode-se até mesmo encarar o gosto como um autêntico parâmetro de sociabilidade, a medida das diferenças e das afinidades que rege a dita existência civilizada. Em uma cultura de consumo, como a em que vivemos, o gosto torna-se ferramenta indispensável para a efetivação dessa: afinal, somos incitados a desejar (e consumir) o que supostamente nos torna mais “diferenciados”, só para depois constatar, de forma um tanto melancólica, uma incômoda universalidade desses desejos pasteurizados e pré-formatados. O gosto de “ser diferente” acaba aderindo ao “igual”.

Já no âmbito da arte, o gosto naturalmente reveste-se de maior importância, dada sua inevitável vocação em assumir-se não apenas como um termômetro de afinidades – o que me agrada ou desagrada, com que ou quem me identifico mais e menos –, mas como instrumento definidor do que é “melhor” ou “pior” em sua, digamos, aplicação estética. Torna-se uma medida de aferição de “qualidade”, ainda que com todo o problema da subjetividade que traz a reboque.

O gosto é uma ferramenta indispensável para um crítico, claro: é a partir do seu gosto que ele irá traçar juízos de valor e formular impressões etc. Mas é igualmente fundamental para um artista, para um colecionador e mesmo para o público de arte. Ninguém produz, compra ou aprecia arte sem que o gosto esteja em jogo. Mesmo que o dinheiro fale sempre alto. Aliás, o gosto pode ser comprado? Clement Greenberg, nome referencial da crítica de arte do século 20, dizia que o gosto pode ser cultivado, ou “aperfeiçoado”. Mas comprado? Não sei. Só sei que, mesmo no meio artístico – ou principalmente nele –, o gosto segue sendo um tema de modo geral tido como inconveniente, a despeito da força que ele inegavelmente exerça. Talvez porque, ao subentender tanta subjetividade , ele reforce a pertinência do dito popular: no fundo, gosto “não se discute”.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …