© Aiê Cinema

DASARTES 36 /

Das Viagens, dos Desejos, dos Caminhos

Das Viagens, dos Desejos, dos Caminhos
Museu Vale – ES
de 29 de agosto a 2 de novembro

A rua vicia (ou não entre sem convite)

No livro Identidade, o sociólogo polonês Zygmunt Bauman cita Wittgenstein pela curiosa declaração de que os melhores lugares para se resolver problemas filosóficos são as estações de trem. Justamente por se posicionar no que Derrida chamava de “encruzilhada cultural”, as estações são lugares de chegadas e despedidas, intimidades e distanciamentos, essenciais para a transgressão das fronteiras, para enxergar a humanidade que existe por trás das fachadas morais e culturais.

Coincidência ou não, estou dentro de um vagão no museu Vale em franco embate com a questão da identidade, que me é arremessada depois de visitar a exposição Das viagens, dos desejos, dos caminhos. Aberta de 29 de agosto a 2 de novembro, a coletiva desenha as trilhas de nove artistas das regiões Norte e Nordeste. São eles: Armando Queiróz (Pará), Jonathas de Andrade (Alagoas), Karim Aïnouz (Ceará), Leonilson (Ceará), Marcelo Gomes (Pernambuco), Marcone Moreira (Pará), Rodrigo Braga (Amazônia), Virginia de Medeiros (Bahia) e Yuri Firmeza (Ceará).

Entre deslocamentos, memórias, distanciamentos e desejos, o espectador é convidado a se movimentar – e se reorganizar – em torno de sua própria identidade, ainda que seja sob a forma de uma interrogação: qual identidade? Pois um prato de farinha me representa, assim como o dia em que reconheci firma no cartório, em uma Recife que nunca morei, no ano de 1977, quando eu ainda nem existia. O diário dos dias do outro poderia ter sido o meu, assim como o banho de piscina, o passeio na praia, a foto da casa, os amigos, as ondas e o beijo. A bandeira ostenta o signo maior que reúne a identidade de todos nós. Pátria-mãe que nos carrega no colo, e por muitas vezes não nos faz dormir em paz.

Estar deslocado – carente de uma identidade – ou mesmo permitir que essa flutue e suma por alguns minutos pode ser altamente desconfortável. Segundo Bauman, nesse estado “sempre há alguma coisa a explicar, desculpar, esconder ou, pelo contrário, corajosamente ostentar, negociar, oferecer, barganhar”. Os territórios são vastos, as pessoas mais vastas ainda. Ainda precisamos de uma parcela de chão onde desenhamos limites, algo que nos dê contorno e conforto, uma busca por redenção ou um descanso na sensação de pertencimento.

O depoimento do morador de rua é a porta aberta para seu olhar pintado à mão de uma maneira nostálgica. No percurso, é preciso estar atento ao ponto do doce de banana. Ouvir o grito desabafado de um homem e os sapatos escondidos sob uma montanha de sal. Pontes, navios e uma Kombi que conta histórias do boi tatá. Nessa hora eu já nem me reconheço, e aquela avó, que ri como uma criança e repete uma prosa bonita – a única que poderia lembrar – é também a minha. Encontrar a vida que eu desconhecia em um museu do homem do Nordeste resume a perturbação que os lugares de passagem proporcionam.

O que aparentemente poderia ser tratado como arquivo pessoal dos artistas transcende o lugar de memória para expor os vazios, a liga que faz o visitante se desconhecer para se identificar, e depois se reconhecer para ser perder. Como no depoimento de Maria da Penha, de 44 anos: “a rua não é um lugar bom, não, mas vicia.” Se for assim, somos todos da rua, mas, como sempre há uma condição, não entre sem convite.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …