DASARTES 37 /

COLEÇÃO MARCELO CINTRA

Conheça a coleção de Marcelo Cintra.

A coleção de Marcelo Cintra possui como base primordial o olhar criterioso do colecionador, que usa a emoção como um dos pressupostos para suas escolhas. A inclusão da fotografia em seu acervo pessoal ocorreu após uma visita, já há alguns anos, à semana de Fotografia em Madri e, atualmente, já responde por 20% de suas obras de arte.

Como começou seu interesse em colecionar arte? Fale um pouco de sua coleção.
Minha coleção começou muito cedo pelo meu interesse em artes plásticas desde criança. Estudei desenho, pintura e gravura mas decidi colecionar e não produzir arte. A partir da idade adulta, meu interesse foi pelos geométricos e minimalistas. Além deles, interessei-me muito pela produção da arte americana a partir do final dos anos 1950 e comecei também a colecionar obras em papel e também pintura do Wesley Duke Lee depois que participamos de projetos juntos e de nos transformarmos em grandes amigos.

Há alguma ideia ou conceito por trás de sua coleção? Quais seus critérios na hora de escolher o que comprar?
A minha, acho que, como todas as coleções, foi mudando com o tempo. Troquei algumas obras, outras vendi e comprei novas e muitas ganhei de amigos artistas. Compro somente o que me emociona, seja pelo tema abordado ou pela técnica utilizada, e a fotografia moderna e contemporânea foi uma novidade no meu olhar.

Qual a primeira obra que você adquiriu? E a última?
Não me lembro qual foi a primeira obra que comprei, mas seguramente foi uma gravura, já que não tinha dinheiro, ainda adolescente. A última obra que comprei foi uma pequena foto, que achei uma joia do Gal Oppido, na Galeria Lume.

O que o público poderá encontrar na mostra com obras de sua coleção?
Quando escolhi dentre as minhas fotos as que estão na exposição, tracei um histórico ligado à figura humana e à cultura brasileira começando pelo Pierre Vergé, passado pelo Mario Cravo Neto, Miguel Rio Branco e Cristiano Mascaro. Existe um link entre elas e a foto do Thomas, um dos famosos modelos negros do Robert Mapplethorpe. Terminando, a explosão de movimento da infância de Begoña Egurbide – que me encantou quando vi.

Algum desejo ainda não realizado ou obra em vista para a próxima compra?
Muitas obras ainda fazem parte dos meus sonhos. Na fotografia, muitas que acabei de ver na Paris Photo, que fui à abertura. Fotos de países que não temos acesso também, como a Turquia, por exemplo.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …