DASARTES 31 /

Caetano de Almeida

As marcantes obras de Caetano de Almeida veem a expansão de seu mercado.

As pinturas abstratas coloridas de modo brilhante de Caetano de Almeida evocam a Op-Art dos anos 1960, mas elas têm uma força especial que direcionam nossa atenção para as questões do século 21. É a excentricidade mal contida – as aberturas nas telas, as linhas irregulares – e a alta energia da palheta de cores dessas pinturas que parecem evocar a física dos aceleradores de partículas do CERN e a interligação digital penetrante de hoje.“Eu tento agir de modo mais mecânico”, diz Almeida. “As linhas dessas pinturas são todas construídas com base em um processo de repetição continuada”. E o artista recentemente revelou à Elle Décor que suas influências também incluem “as impressões baratas, as impressões de livros e as milhões de imagens que povoam o repertório contemporâneo”. Nascido em Campinas e atualmente vivendo em São Paulo, Almeida ganhou reconhecimento internacional primeiro em 1989, por meio da Galeria Thomas Cohn na Art Cologne, e depois em uma exposição da Coleção Gilberto Chateaubriand, em Washington. Desde então, ele tem exposto de forma intensa no cenário internacional e, mais recentemente, expôs individualmente na Pinacoteca do Estado de São Paulo (2007), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (2007), e no Museu de Arte Moderna de São Paulo (2003). Entre as coleções particulares que incluem obras de Almeida estão os importantes colecionadores Joe and Zoë Dictrow, de Nova York; a formidável coleção de arte latino-americana com base no Arizona, de Diane e Bruce Halle; e a Coleção Dakis Joannou em Atenas.“Acho interessante como ele entrelaça as linhas em composições muito complexas fazendo um inteligente uso da cor”, diz a consultora de arte Ana Sokoloff, ex-vice-presidente do departamento de pintura latino-americana da Christie’s. “Quanto mais você as contempla, mais você aprecia ver quão ver verdadeiramente complexas elas são”. Avaliação do Mercado: Depois de uma recente exposição individual em dois espaços em Nova York pela Eleven Rivington, o mercado está se ampliando de modo cada vez mais forte para Almeida. Seu trabalho tem sido largamente “valorizado além da entrada no mercado”, de acordo com o galerista Augusto Arbizo da Eleven Rivington. Este apresentou Almeida ao mestre em gravuras, Maurice Sánchez, que o ajudará a criar monotipos que se espera serem vendidos por US$ 5 mil. Preços: Fora os monotipos, os trabalhos de Almeida começam por volta de US$ 16 mil por uma aquarela sobre papel em grande formato (154 x 104 cm), como as Sem título, de 2013, até US$ 65 mil por uma grande (250 x 250 cm) acrílica sobre tela, como as outras Sem título, de 2013, ambas das quais foram vendidas como parte da exposição do artista na Eleven Rivington, em outrubro de 2013. Galerias representantes:Galeria Luisa Strina, São Paulo Eleven Rivington, Nova York.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …