© divulgação

DASARTES 28 /

Bruno Belo

O artista plástico explica seu processo de fragmentação em Purgatório (2013).

Em Purgatório (2013), de Bruno Belo, a imagem é percebida gradativamente. Uma sobreposição de planos e transparências aos poucos se desdobra evidenciando os vestígios das figuras que compõem o espaço multidimensional e fragmentado da tela. “Trabalho usando diferentes fotografias, extraídas de mídias diversas, algumas retiradas de contextos jornalísticos e outras mais genéricas, que vão se somando como que em camadas semitransparentes”, conta o artista, “a ideia é que essas imagens intercaladas causem ruídos sobre as outras”.

As referências às notícias jornalísticas também se fazem presentes por meio da escolha de alguns de seus títulos, como Protesto em Londres ou Conflito no Quirguistão. Mas embora a linguagem, substantivada e concisa, aponte na direção das manchetes de jornal, sua pintura não parte da transcrição mimética do referente, mas da recriação do que parece se assemelhar mais a uma atmosfera do que a uma paisagem realista – “não é para ilustrar a experiência, mas revelar a nova substância”.

As imagens espectrais de Bruno parecem habitar os intervalos entre a figuração e a abstração. Os tons aguados e os contornos fugidios desenham figuras que se liquefazem e escorrem para além do espaço da tela. Nas fissuras entre as muitas camadas que compõem o trabalho, abre-se um espaço de discussão sobre a própria natureza das imagens, que se constituem “por adição” ou pela “fusão” de uma série de “citações” de referências distintas – “processos derivados de fontes dessemelhantes em que as coisas se fundem e revelam uma convergência que não é unívoca; não reproduzem verdades, mas produzem sentidos”. Para saber mais sobre a obra de Bruno Belo, acesse www.brunobelo.com.br.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …