© O Moreno, 2005

DASARTES 39 /

Beatriz Milhazes

O MORENO, 2005 Acho que o senso de melancolia [que muitos críticos veem no meu trabalho] pode ser encontrado em minha obra não somente pelas cores, mas também na maneira como aplico a tinta com todas estas camadas, e pelos resultados de superfície. Minha técnica poderia funcionar na medida em que carrega memórias em sua […]

O MORENO, 2005
Acho que o senso de melancolia [que muitos críticos veem no meu trabalho] pode ser encontrado em minha obra não somente pelas cores, mas também na maneira como aplico a tinta com todas estas camadas, e pelos resultados de superfície. Minha técnica poderia funcionar na medida em que carrega memórias em sua superfície, mesmo que no final os quadros tenham uma textura plástica suave. Além disso, muitos padrões poderiam nos fazer lembrar coisas do passado ou da memória, mesmo quando trabalho apenas com motivos abstratos.
——————————————————————————————————————

SEM TÍTULO, 1989
Minha geração no Brasil, a geração de 1980, tinha uma espécie de situação especial no contexto da arte brasileira. Éramos um grupo de alunos interessados por pintura. Aquela década era caracterizada por uma espécie de entusiasmo e agitação sobre a arte, que levava jovens artistas a fazerem parte de um mundo das artes antes pouco visível. Éramos uma geração que cresceu durante o período da ditadura no Brasil.

Acredito que o fato de usar elementos de minha cultura é uma atitude política. Certa vez, em visita ao meu estúdio, Robert Storr disse: “Você é mulher, pintora, usando elementos de sua cultura brasileira, cores, elementos decorativos brasileiros, todos os itens que são sempre considerados ‘arte menor’. Você elevou tudo isso para o status de ‘arte maior!'” Jamais tive medo de desenvolver significados na pintura a partir destes elementos “menores”. Meus títulos são bastante narrativos e poéticos, mas não “explicam” as pinturas, nem excluem qualquer elemento possível. As pinturas jamais poderiam ser “políticas”, pois, afinal de contas, são pinturas!

As pinturas jamais poderiam ser “políticas”, pois, afinal de contas, são pinturas!
——————————————————————————————————————

CANELA, 2010
Uso minha própria cultura como quadro de referência para minhas pinturas abstratas. Acho que todo artista faz o mesmo; sempre falamos de nossa própria cultura. Os trópicos são o ideal de exotismo e poderiam levar minhas plateias americanas e europeias a sonharem diante de minha obra. Uso conscientemente alguns destes aspectos que despertam em mim o interesse em ser artista, como a grande manifestação do carnaval! Sinto-me mais como um Gauguin ao contrário. Gauguin veio da Europa para os trópicos para acrescentar importantes atmosferas e cores às suas pinturas – eu vim dos trópicos para a Europa para dar mais significado, mais estrutura, mais interesse às minhas pinturas. Considero-me uma pintora geométrica. Em minha opinião, o que eu trouxe do Brasil para a cultura europeia e americana é a liberdade de criar uma ordem! Nós, brasileiros, e especialmente os pintores, não temos uma grande história subjacente da arte. Este ponto também me deu um tipo de liberdade para criar o meu próprio mundo sobre questões e interesses de pintura.

Uso minha própria cultura como quadro de referência para minhas pinturas abstratas. Acho que todo artista faz o mesmo; sempre falamos de nossa própria cultura.
——————————————————————————————————————

FOLHA DE FIGO, 2013
Meus títulos se originam de fontes muito abertas. Dependem do período e também do fato de serem pinturas, colagens, impressos, ou obras de locais específicos, etc. Bailinho é diminutivo de “baile”, em português, e é algo interessante do idioma – o som e a delicadeza desta palavra é que interessam. São os aspectos sutis das características linguísticas: a palavra “baile” em português gera Bailinho, que é “um pequeno baile.” Samambaia é uma planta tropical que existe em ambiente muito úmido e é comum em lugares como o Brasil. É muito bonita e delicada também – é como uma renda.

Minhas pinturas são abstratas. À medida que os elementos se tornam cada vez mais abstratos, o contexto sai da pintura. Sempre tenho interesse pela vida e minha obra sempre estará conectada com a vida. Títulos são muito importantes porque dão nome às obras, o que é algo muito especial; mas, ao mesmo tempo, podem subverter seus significados e conceitos. Minha técnica é uma perversão do processo de pintura e os títulos também contribuem para isso. Como disse Lacroix: “Os títulos de minhas obras são o último motivo a ser estabelecido”.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …