© divulgação

DASARTES 19 /

Arte nos Pés

Inspirados em grandes nomes das artes como Miró, Mondrian e Keith Haring, os designers César Swains, Nicholas Kirkwood e Kobi Levi criaram sapatos à altura das artes.

Formatos diferentes, novos ângulos e traçados inusitados são os desafios cotidianos desses verdadeiros artistas quando o assunto é o design de sapatos. Inspirados em grandes nomes das artes como Miró, Mondrian e Keith Haring, ou na natureza e em situações do dia a dia, os designers César Swains, Nicholas Kirkwood e Kobi Levi conseguiram, com seus trabalhos peculiares, elevar a tarefa mundana de criar um sapato à altura das artes. Os sapatos que nascem dos traços desses artistas podem ocupar tanto as prateleiras de lojas de calçados quanto as de galerias de arte, seja pela estética ou por seus conceitos, tranformando os sapatos femininos em verdadeiras obras de arte.

Miró e Mondrian por César Swains
A grife brasileira Swains lançou para o Verão 2012 uma linha de sapatos e bolsas com inspiração no traçado de Miró. O diretor criativo da linha feminina e sócio da marca, César Coelho, é artista plástico e valeu-se dessa formação para criar a nova linha da Swains. A inspiração não é exatamente uma novidade: a grife já lançou um calçado que homenageava outro artista importante, o holandês Mondrian. “Há alguns anos, aconteceu uma retrospectiva do trabalho de Mondrian em Nova York, e eu fui com uma amiga visitar a exposição. Ela estava usando o sapato que eu desenhara inspirado no trabalho dele. Pude notar que as pessoas se cutucavam e olhavam para os pés dela, para os sapatos que eu havia criado, e me senti bastante orgulhoso”, conta César Coelho.

Keith Haring por Nicholas Kirkwood
Designer dos sapatos mais exuberantes da atualidade, o inglês Nicholas Kirkwood lançou este ano uma coleção inspirada nas obras do artista plástico Keith Haring. Entre as criações, sapatos, sandálias e até uma bota-patins com os famosos traços, bonecos e grafismos de Haring. A coleção uniu o imaginário criativo do artista com o de Kirkwood, que não deixou de lado as características mais marcantes de suas coleções: sapatos estruturados e o uso de materiais pouco explorados no mercado de calçados. Dessa vez foram os cristais. “Minha intenção foi reproduzir a obra de Haring como nunca se fez”, declarou o artista, que trabalhou no lançamento da coleção durante meses ao lado da Keith Haring Foundation.

Esculturas de Levi
O israelense Kobi Levi, que já trabalhou em países como Itália, China e Brasil e hoje é designer com escritório próprio em Tel Aviv, cria sapatos conceituais com desenho arrojado, mas que podem perfeitamente ser utilizados no dia a dia. Todos são verdadeiras esculturas ambulantes: feitos a mão, trazem o toque artesanal e desafiador em cada peça. A proposta de Levi é fazer com que o público vivencie a experiência de uma obra de arte. Inspirados em pássaros, elementos naturais, a relação entre mães e filhas ou até no ícone pop Madonna, os sapatos de Levi são, conforme ele mesmo acredita, “esculturas que se pode calçar”. “Nas minhas criações, o sapato é a minha tela. E o gatilho para a criação de uma nova peça acontece quando uma ideia, um conceito ou uma imagem vem à minha mente”, revela o artista.

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …