© Foto: Eduardo Seid

A 7ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul propõe reforçar a figura do artista como ator social e produtor de um sentido crítico. Nessa edição, são os artistas que ocupam a função de curadores, desenvolvem as ferramentas e programas educativos, e coordenam a comunicação e o sistema de publicações, centrando o foco nos processos de criação – mais que em temas específicos –, nos quais ação e reflexão (Grito e Escuta, o tema da Bienal) operam como ferramentas.

Em sintonia com essas ideias, a Curadoria Pedagógica, realizada por mim, propõe dar visibilidade a propostas educacionais não formais desenvolvidas de maneira independente por artistas contemporâneos e educadores. Essas propostas deverão ocupar os espaços vazios deixados no terreno da educação e, em particular, da educação artística ao longo das últimas décadas.

Entre as atividades previstas no Projeto Pedagógico da 7ª Bienal do Mercosul, estão:
• colaboração de artistas em oficinas educativas locais;
• criação de espaços pedagógicos ambulantes durante o período das exposições;
• encontros de trabalho, simpósios e publicações de arte-educação;
• palestras de artistas e curadores;
• transporte gratuito para escolas;
• agendamento de grupos para visitas guiadas;
• encontros para formação de professores;
• curso para formação de mediadores; e
• desenvolvimento de website com conteúdo pedagógico.

Programa de Residências – Artistas em Disponibilidade
O Projeto Pedagógico da 7ª Bienal do Mercosul convidou catorze artistas que vão aplicar suas próprias metodologias educativas em comunidades de diferentes regiões do Rio Grande do Sul. O objetivo é inserir esses projetos artísticos dentro do sistema educativo e incentivar o encontro entre práticas artísticas e não artísticas, sempre escutando as necessidades das comunidades onde estão inseridos.
Participam das residências:
• João Modé (Brasil) – Projeto REDE;
• Júlio Lira (Brasil) – Percursos Urbanos;
• Ricardo Basbaum (Brasil) – Você Gostaria de Participar de uma Experiência Artística?;
• Maria Helena Bernardes e André Severo (Brasil) – Arte da Conversação;
• Diana Aisenberg (Argentina) – Histórias da arte – Dicionário de Certezas e Intuições;
• Claudia del Río (Argentina) – Clube do Desenho;
• Diego Melero (Argentina) – Aulas de Ginástica e Filosofia Política;
• Rosario Bléfari (Argentina) – Oficina de Canções – Sugestão e Escrita como Notação Musical, a Canção ou como Dizer as Coisas Direito;
• Nicolás Paris (Colômbia) – Laboratório de Desenho;
• Gonzalo Pedraza (Chile) – Coleção Vicinal;
• Francisco Tomsich y Martín Verges (Uruguai) – Tradução de um Estudo para um Retrato Comum;
• Nicolás Floc’h (França) – A Grande Troca, um Projeto para Desejos.
As residências e seus projetos foram apresentados ao público pelos artistas residentes e discutidos em uma Mesa de Encontros no final de julho, da qual participaram também outros profissionais da arte e educação do Mercosul.
Mapas Práticos
Daremos visibilidade às propostas artísticas e educacionais existentes em Porto Alegre, identificando os ateliês privados e institucionais vinculados à prática artística contemporânea no âmbito da educação. Esses ateliês serão convidados a desenhar uma atividade que faça parte de um mapa e cronograma. Durante o período da Bienal, as escolas que solicitarem a participação de seus alunos em oficinas práticas poderão escolher entre um amplo espectro de atividades e oficinas mapeadas, incentivando propostas educacionais já existentes e possibilitando um diálogo mais fluido entre as comunidades artística e educativa.

Formação de Professores
Há três anos, a Fundação Bienal do Mercosul desenvolve um programa permanente de formação de professores de todo interior do Rio Grande do Sul, no campo da arte contemporânea e seus cruzamentos. A proposta da 7ª Bienal para os professores é que eles sejam os agentes ativos do Programa de Residências junto aos artistas residentes e que também atuem como os mediadores de seus próprios grupos de alunos quando em visita à Bienal. Atividades de formação e material pedagógico serão desenvolvidos para dar subsídio a essa ação, como o acesso livre ao site pedagógico, disponibilização de material pedagógico, que apresenta e aprofunda, por meio de narrativas, os conteúdos da 7ª Bienal, além de palestras e encontros específicos para essa função.

Mediadores
Serão planejadas mediações diferenciadas para cada curadoria, algumas mais práticas e outras mais reflexivas. Haverá desde mediadores para a realização de percursos, mediadores livres, mediadores-oficineiros, projeto de mediação na cidade, até público-mediador, em que pessoas do público serão convidadas a compartilhar seus conhecimentos sobre arte contemporânea por meio de mediações informais que surjam espontaneamente.

Site
O Projeto Pedagógico terá um site com conteúdo especial, composto de exercícios práticos e teóricos relacionados à arte contemporânea e interface especialmente interativa, com a participação de professores e alunos e interessados em arte e educação.

Compartilhar: