© Leonardo Ramadinha

Aconteceu como uma epifania. Em uma temporada em Paris para repensar vida e carreira, o então músico e compositor e agora artista plástico full-time Alexandre Mazza passou entre dois espelhos acendendo e apagando um isqueiro: a ilusão de óptica da chama repetida ao infinito mudou completamente sua vida. Desde então, vem produzindo como um alucinado – segundo suas próprias palavras – obras que tematizam o efeito da luz no objeto e no espaço.

Água viva é resultado da pesquisa de Alexandre com luz e água, realizada para sua primeira individual, Em cada gota há um arco-íris, que aconteceu entre fevereiro e março deste ano na Galeria Luciana Caravello, que o representa. Na obra, águas-vivas abissais dão movimento à superfície das ondas, gerando um alto-mar de acrílico, acompanhado de uma trilha sonora de baleias, golfinhos e sonar de submarino. Recorrendo a diversas mídias, a obra nos remeteà relação entre natureza e artificialidade.

Durante a individual, as obras Água viva e Anjo do Mar foram adquiridas para a coleção Gilberto Chateaubriand e participarão da exposição Novas Aquisições 2010-2012, em cartaz até 20 de maio no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-Rio).
Para conhecer melhor o trabalho do artista, acesse http://www.lucianacaravello.com.br/artistas/alexandre-mazza/

 

Compartilhar: