DASARTES 24 /

Alan Adi

Alan Adi

Sergipano radicado em São Paulo, Alan Adi é um artista que opera uma linguagem poética, mesclando o verbal e o não verbal, mas que, às vezes, utiliza apenas uma só dessas duas formas de expressão. Quando fala do próprio trabalho, realça o conceito de reutilização de objetos do cotidiano: “aglomerar objetos e apropriá-los ao meu gosto, essa foi a chave por muito tempo de meu fazer artístico”. O objetivo é sempre a construção de um poema (vale lembrar que Alan é graduado em Letras). Por isso, ele recorre livremente ao uso de palavras em suas obras, provocando, segundo ele mesmo afirma, “a construção de poemas visuais que uniam as linguagens do verbo e da matéria”. O amadurecimento artístico o levou à conclusão de que muitas vezes basta só uma delas: “já há um tempinho venho pensando melhor, reeducando-me, descobrindo que muitas vezes basta uma coisa ou outra, o que favoreceu uma subjetividade mais sadia às obras”.

Como exemplo de linguagem da matéria, temos seu trabalho em vídeo intitulado Do dia que de fato ajudei meu padrasto (2’15’’ / 2011). Essa criação audiovisual mostra o artista destruindo um banco no qual seu padrasto se encontrava sentado e depois refazendo o pequeno móvel como uma bengala, que, de acordo com o depoimento do artista, é um objeto “de uso necessário para que ocorra o deslocamento daquele senhor, naquele exato momento”. Nesse trabalho, Alan demonstra sua disponibilidade para trabalhar com aquilo que lhe está próximo, sejam objetos ou pessoas, empenhando-se em transmutá-los, em criar “um novo corpo alimentado pela poética mais amadurecida de quem quer dizer algo com aquilo que lhe toca e, consequentemente, tocar alguém”. Assim Alan constrói o olhar poético voltado para transformar objetos e pessoas, num processo de crescimento interno: de si, como artista, e do público como ente participante.

Numa obra em que recorreu à linguagem verbal, num vídeo de 2011, o artista escreveu a palavra SILÊNCIO sobre uma superfície clara, usando água como tinta. A água logo evaporava, e então a palavra precisava ser incessantemente reescrita, numa espécie de versão contemporânea do castigo de Sísifo, personagem da mitologia grega condenado pelos deuses a levar uma pesada pedra ao alto de uma montanha, e precisava começar tudo de novo, porque a pedra rolava encosta abaixo assim que chegava ao topo. Esse vídeo é obra com fortíssima carga poética, uma vez que todo poema consiste, justamente, em fazer uma “escultura” na pedra do silêncio. Obra que remete ao abismo-vertigem experimentado por Malevitch quando o pintor russo chegou ao vazio total da pintura não representativa, à não forma do quadrado negro sobre um fundo branco. Alan Adi chegou à vertigem do silêncio reescrito sem cessar!

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …