© Cortesia do artista

DASARTES 33 /

A legalização das artes

A legalização das artes

No momento em que a arte brasileira conquista reconhecimento e importância no mercado internacional, com obras de artistas nacionais alcançando preços elevados e passando a integrar coleções públicas e particulares de grande prestígio, a edição do Decreto presidencial n.º 8.124, em outubro de 2013, causou certa apreensão e incerteza no mundo das artes.

O mencionado Decreto tem por missão regular as leis que criaram o Estatuto dos Museus e o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). Apesar da – louvável – intenção do Poder Executivo em organizar o patrimônio cultural musealizado e conferir maior transparência na gestão dos museus, o referido Decreto foi além dessa pretensão ao estabelecer diversos mecanismos de controle sobre as obras de arte pertencentes a coleções privadas. O efeito dessa medida foi imediato e o debate acerca da validade e até mesmo da própria constitucionalidade das novas regras está aberto.

A existência de normas legais sobre a produção artística nacional não é uma novidade em nosso ordenamento jurídico. A Constituição Federal já define, desde 1988, como “patrimônio cultural brasileiro” as obras e os objetos frutos de criações artísticas, conferindo ao Poder Público poder para protegê-los por meio de inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropriação, entre outras formas de preservação.

Entretanto, tais instrumentos foram considerados insuficientes pelo Poder Executivo. Com a publicação do Decreto, mecanismos adicionais de proteção entraram em vigor, destacando-se a “declaração do interesse público” e o “direito de preferência”, com alcance imediato nos acervos particulares bem como no mercado das artes.

A declaração de interesse público é o instrumento por meio do qual os bens móveis ou imóveis elegíveis para compor o patrimônio cultural brasileiro, serão objeto de cadastramento pelo IBRAM para fins de documentação, monitoramento, promoção e fiscalização. A declaração de interesse público de determinada obra artística terá as seguintes consequências para o seu possuidor: a obrigação de informar anualmente ao IBRAM sobre o estado de conservação da obra, assim como casos de danos, furto ou extravio ou qualquer ocorrência que possa afetar sua integridade; o dever de comunicar ao IBRAM sobre dificuldades pessoais de ordem econômica ou material que impossibilite a proteção e a preservação da obra; a realização de qualquer restauro ou interferência na obra somente ocorrerá após aprovação do IBRAM, e o compromisso de não realizar a saída permanente da obra do país, salvo por curto período e para fins de intercâmbio cultural, ou para transferência de domínio, observadas as formalidades legais.

Essas formalidades legais consistem justamente a observância do direito de preferência concedido aos museus integrados ao Sistema Brasileiro de Museus (SBM). Ocorre que ao IBRAM e seus integrantes é também concedido igual direito de preferência, tornando mais complexo e possivelmente demorado o processo de venda e circulação de obras de acervos particulares.

O Decreto é silente sobre os trâmites a serem observados pelos colecionadores para cumprimento de suas novas obrigações legais com a declaração de interesse público de determinada obra em seu poder, mas há previsão de multa pela eventual omissão ou recusa quanto ao seu cumprimento.

A leitura atenta do Decreto e das demais leis aos quais se refere conduzirá o leitor à reflexão de que as medidas protetivas desejadas pelo Poder Público podem ter efeito adverso no mercado das artes, além do próprio colecionismo. A legalização das artes não deve comprometer a relação existente entre o colecionador e seu acervo, colocando ambos como reféns de burocracias, controles desmedidos e invasivos.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …