DASARTES 12 /

29a Bienal de São paulo

Seis visões e histórias das Bienais

Se a história da arte nos últimos três séculos, desde a afirmação da modernidade, toma por base o vínculo inseparável entre arte e política, como pensá-lo hoje? Afinal, várias aproximações, mais ou menos diretas, podem ser ensaiadas, desde a questão da última Documenta de Kassel (2007), cuja pergunta sobre a modernidade como nossa Antiguidade permitiria examinar as tensões, avanços e descompassos formadores do mundo contemporâneo, passando pelas diferentes tentativas de firmar outros pontos de partida e chegada da arte que ampliem o tradicional esquema de centros geradores/periferias reprodutoras que ainda persistem na geografia da arte. A vontade de responder o que seria esta outra política da arte foi abordada pelos dois curadores da Bienal de São Paulo deste ano na entrevista publicada na edição número 11 de Dasartes (agosto-setembro 2010). Para esta edição, convidamos a professora Sheila Cabo, da UERJ, para traçar algumas considerações sobre tal relação, além de apresentarmos ao leitor uma introdução à 29a Bienal de São Paulo com sua programação diversificada, assim como os eventos paralelos que a acompanharão direta ou indiretamente.

O que seria falar de arte e política hoje? O assunto é tanto mais presente quanto problemática é sua condição. Após constatar o quanto os discursos celebratórios do “fim da história” nascidos após a queda do muro de Berlim se mostraram ambíguos, ao acompanhar as injunções do sistema de arte diante da produção contemporânea, cabe examinar o que entendemos por arte e política hoje, pois nos dois casos implica a redefinição de práticas e categorias cujos contornos mudaram substantivamente de figura.

O objetivo de nosso dossiê é menos resolver tais questões do que oferecer ao leitor entradas pelas quais ele pode refletir sobre o assunto, cotejando-as com a própria Bienal. Nesse sentido, porém, algumas das contribuições de nossos autores merecem ser vistas para além dela. São talvez horizontes afins, mas cujos desdobramentos ainda seguem em aberto e tanto se valem dela quanto podem (ou precisam) ultrapassá-la. Parafraseando uma colocação feita há alguns anos pela crítica e curadora Glória Ferreira, devemos seguir indagando que história é essa?, ou seja, que narrativas são essas a partir das quais construímos nosso olhar e nosso lugar no mundo. Lugar este que, em um mundo que, quanto mais proclama sua globalidade, mais tem que lidar com seus efeitos ora colaterais, ora inesperados, reclama ser reconquistado. Saber como fazê-lo é uma de nossas responsabilidades.

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …