Uma virada de cores na maior comunidade de São Paulo

De abril a junho deste ano o projeto Uma Virada de Cores ofereceu oficinas gratuitas de graffiti a jovens de Heliópolis, região da zona sul da capital paulistana. O legado foram os 40 painéis grafitados, que encheram de cores as ruas, esquinas e avenidas. Esse foi o resultado do primeiro projeto da AISCE – Associação de Intercâmbio Sociocultural e Empresarial Brasil – Colômbia, em co-realização com a produtora carioca Burburinho Cultural. Uma Virada de Cores é apresentado pelo Ministério da Cidadania e pela empresa de energia ISA CTEEP, viabilizado pela Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio da ISA CTEEP.

Além dos muros, paredes e espaços coloridos, os organizadores lançam no dia 22 de agosto, no CEU Heliópolis, um documentário sobre o processo e os personagens envolvidos. Um catálogo com as obras realizadas por essa parceria Brasil-Colômbia está em produção para ser lançado até o final do ano. Ainda, como uma iniciativa de reaproveitamento dos resíduos e de engajamento ambiental, Daniel Bazco, um dos arte-educadores, fez ainda uma escultura com grande parte das latas de sprays utilizadas durante o projeto, reciclando parte do material que seria descartado.

A equipe de artistas e arte-educadores contou com dezenas de profissionais, entre elas os grafiteiros colombianos Johan Andres (Kano Delix), Johan Alberto (Sony) e Robert Sled (Fuan Nexio), que vieram ao Brasil especialmente para a atividade.

Os murais estão espalhados por Heliópolis, refletindo os sentimentos, as vivências e os sonhos dos jovens artistas, que coloriram com suas próprias mãos o espaço urbano onde vivem.

Foram cerca de 1000 latas de tinta spray, utilizadas por mais de 500 jovens, entre 12 e 29 anos, que passaram por oficinas de abril a junho deste ano. As aulas foram ministradas por uma equipe formada por arte-educadores e grafiteiros, escolhidos por chamada pública seguida por um processo de seleção.

Cada uma das criações foi pensada coletivamente, desde o assunto que seria tema do desenho, até as escolhas das técnicas e das cores. Os grafiteiros convidados e o os arte-educadores entraram em ação para ensinar as maneiras de manusear a lata de spray, mexer com a tinta látex, o estêncil e para transmitir e ensinar mais sobre a arte e as técnicas do graffiti.

Considerada a maior comunidade da cidade de São Paulo, Heliópolis localiza-se na zona sul da capital e possui mais de 100 mil habitantes, em uma área de quase um milhão de metros quadrados.

Com a ação de Uma Virada de Cores, o espaço público foi esteticamente transformado pelos mais de 40 murais grafitados espalhados pela região. De quebra, os participantes ainda ganharam a oportunidade de aprender uma nova forma de se expressar e que pode se tornar uma profissão.

Essas ações provocaram a expansão do repertório artístico, cultural e social dos participantes, o desenvolvimento e aprimoramento da criatividade, o fortalecimento da identidade do aluno e pertencimento à comunidade. Com isso, a produção do graffiti trouxe também a reflexão sobre o mercado de trabalho.

Por serem feitos com a colaboração de moradores da própria região, os desenhos proporcionam, além do prazer estético, a melhoria positiva do espaço público e a possibilidade do morador se reconhecer nos murais.

O projeto já nasceu com a intenção do intercâmbio com a Colômbia, já que o realizador é a AISCE (Associação de Intercâmbio Sociocultural e Empresarial Brasil – Colômbia).

Os idealizadores queriam aproveitar a ideia bem-sucedida do graffiti como transformador social, estético, político e turístico principalmente em comunidades que estão em situação de vulnerabilidade social, a exemplo do Comuna 13, em Medellín, uma das mais populosas e importantes cidades colombianas. Uma região semelhante a muitas áreas de favelas brasileiras, principalmente no que diz respeito à criminalidade, e que no início dos anos 2000 – com a ajuda de projetos que incentivaram a mudança estética a partir da arte de rua – está atualmente inserida na cartografia mundial do graffiti.

Os três artistas colombianos que vieram para ministrar as oficinas – Kano Delix, Sony e Fuan Nexio, os dois primeiros de Bogotá e o terceiro de Barranquilla – são nomes reconhecidos em suas cidades e vieram ao Brasil compartilhar suas experiências e conhecimento sobre o graffiti da Colômbia. Junto aos arte-educadores brasileiros, os artistas colombianos criaram pontes com os paulistas e mostraram técnicas e ensinaram uma historiografia de arte urbana de grande importância para América Latina.

As 40 oficinas deram forma a 41 painéis de graffiti em Heliópolis e arredores. Os encontros foram divididos em dois ciclos – o primeiro deles no CEU Heliópolis e o segundo nas escolas estaduais Tancredo Neves e Gualter da Silva e na CCA Heliópolis UNAS (Centro para Crianças e Adolescentes).

Os alunos aprenderam sobre a História do graffiti no Brasil e também na Colômbia – já que três artistas vieram do país vizinho, e se juntaram a outros 17 grafiteiros brasileiros -, escutaram sobre a vivência dos artistas e sua experiência profissional, sobre como viver de e com o graffiti e como funciona o mercado de trabalho da arte urbana, e claro, aprenderem técnicas para desenvolverem suas próprias peças artísticas. Ao final do período de aulas e com o painel realizado, os alunos receberam uma certificação de participação no projeto.

Cada uma das oficinas foi ministrada por um arte-educador, que conduzia as atividades e aplicava o plano de aula previamente estabelecido, e um grafiteiro convidado, que mostrava as técnicas, delineava o graffiti a ser feito, contava sua própria história e trajetória. Assim, cada turma criou seu próprio mural – uma obra coletiva assinada pelo artista e seus alunos.

Como resultado, as oficinas apresentaram aos jovens a forma de lidar com o graffiti, uma arte já presente em seus cotidianos, mas agora de uma forma ativa, como realizadores de novas paisagens urbanas.

Durante as oficinas, Giuliano Gerbasi, Wendel Yokoyama, David Kennedy e Iara Ataíde filmaram um documentário média-metragem a partir de toda a experiência proporcionada pelo projeto Uma Virada de Cores. Com uma equipe composta por profissionais e jovens iniciantes residentes em Heliópolis e região, a proposta foi a de incluir moradores locais no processo de realização do filme, nas funções de assistente de produção audiovisual, câmera, edição e montagem.

Registrando as vivências proporcionadas pelas oficinas, entrevistas com grafiteiros, arte-educadores, alunos e equipe, o filme se desenvolveu de forma colaborativa, retratando o impacto de todo o trabalho tanto na experiência dos envolvidos, quanto no espaço urbano.

As imagens conduzem para o processo de transformação do bairro a partir das cores deixadas pelos jovens participantes do projeto Uma Virada de Cores, mas também mostra a relação destes jovens com Heliópolis.

Compartilhar:
De Arte a Z - 15/08/2019

Exposição imersiva no universo de Van Gogh chega a São Paulo

Neste sábado (17/08), o shopping Pátio Higienópolis, em São Paulo, inaugura a exposição Paisagens de Van Gogh, sobre o pintor …

De Arte a Z - 15/08/2019

Quarto de motel com tema de Edward Hopper permite experimentar a alienação das pinturas clássicas do artista

Como os museus de todo o mundo disputam a atenção – e os dólares – de visitantes, estão cada vez …

De Arte a Z - 15/08/2019

Coletivo de arte austríaco transformando um set de filmes de pesadelo

A cena em constante mutação de Liam Gillick e a mostra atual do coletivo austríaco Gelatin no museu Kunsthalle, em …

De Arte a Z - 15/08/2019

Mural da Estátua da Liberdade algemada viraliza na internet

Mural no centro de Las Vegas, do artista britânico Izaac Zevalking, queria chamar a atenção para a fundação da América …

De Arte a Z - 15/08/2019

Artistas transformam o aeroporto de Hong Kong em um estúdio de arte de protesto como manifestações antigovernamentais

Artistas se juntaram aos manifestantes que ocupavam o Aeroporto Internacional de Hong Kong no fim de semana para criar arte …

De Arte a Z - 15/08/2019

Mapas indígenas do século XVI mostram visões não-eurocêntricas do mundo

Ao mesmo tempo em que a Espanha começou a explorar as Américas habitadas, os cartógrafos europeus concentraram-se em criar mapas …

De Arte a Z - 15/08/2019

"Fibra – I Bienal de Arte Têxtil" está com inscrições abertas

Um projeto para apresentar as tendências e os diferentes trabalhos de áreas que se mesclam na arte e na economia …

De Arte a Z - 09/08/2019

MASP recebe doação de arquivo de Rubem Valentim com mais de 10.000 itens

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP) recebeu um vasto acervo com manuscritos, datiloscritos, cartas, fotos e …

De Arte a Z - 06/08/2019

Com programação movimentada e novas parcerias, 13ª SP-Foto estreita vínculos entre a cena brasileira e a internacional

A SP-Foto – Feira de Fotografia de São Paulo chega à sua 13ª edição firmando-se como o mais relevante evento de fotografia …

De Arte a Z - 02/08/2019

Polêmica da Mona Lisa: Tribunal e misterioso consórcio com suposta versão mais jovem da musa de Da Vinci

Uma disputa de propriedade está esquentando sobre uma versão da Mona Lisa que se acredita ser das mãos de Leonardo …

De Arte a Z - 02/08/2019

Gerhard Ritchter nega museu em seu nome oferecido pela Alemanha

Embora o artista vivo mais famoso da Alemanha diga que não quer um museu dedicado a suas pinturas, autoridades em …

De Arte a Z - 02/08/2019

Família encontra retrato em casa e a pintura é de um dos artistas mais famosos da África

Durante décadas, uma pintura de uma mãe de família do Texas ficou pendurado nas paredes de sua casa. Por um …