Um olhar sem julgamento para nosso impulso por compartilhar imagens

snap + share: transmissão de fotografias de arte postal para redes sociais, 2019, vista da exposição, Museu de Arte Moderna de São Francisco

Na série Oportunidades Fotográficas de Courtney Vionnet (2005-14), imagens borradas de locais icônicos, incluindo a Torre Eiffel e o Taj Majal, parecem etéreas e classicamente belas. Por nove anos, Vionnet coletou fotos online de destinos turísticos e as combinou. Ela teve a ideia de visitar a Torre de Pisa, onde notou pessoas em pé no mesmo lugar, tirando a mesma foto. As imagens fantasmagóricas da série Photo Opportunities mostram a natureza obsessiva da fotografia e o desejo de mostrar que estávamos lá.

Corinne Vionnet, “San Francisco” (2006) da série Oportunidades Fotográficas (2005–14)

A exposição snap + share: a transmissão de fotografias da arte postal para as redes sociais , no Museu de Arte Moderna de São Francisco (SFMOMA), revela que, embora a mídia social tenha intensificado o compartilhamento de fotos, esse anseio não é novidade. Clément Chéroux, curador chefe de fotografia do SFMOMA, aponta para o trabalho de On Kawara da década de 1970, I Got Up, série de cartões-postais enviados com mensagens do tipo: “eu levantei às 9h15” ou “levantei-me às 8h55”, o que Chéroux compara ao Snapchat e ao Instagram como uma forma de afirmar nossa existência. A exposição começa com a foto que um engenheiro de software francês enviou de sua filha logo após ela nascer, divulgando-a através de seu telefone celular e rede online, e depois transita rapidamente para a tradição da arte postal dos anos 50 e 60.

On Kawara, “I Got Up…” (1975)

Nós cruzamos o limiar de analógico para digital quando encontramos a peça de 2011 de Erik Kessels “24HRS in Photos”. Kessels descobriu que cerca de um milhão de imagens eram compartilhadas no Flickr em um dia, e ele queria mostrar isso fisicamente. Ele imprimiu as fotos, e elas estão empilhadas na galeria criando um ambiente para o visitante percorrer centenas de milhares de imagens de animais de estimação, fogos de artifício e bebês.

Erik Kessels, “24HRS in Photos” (2011)

Kate Hollenbach observa como a tecnologia nos afeta fisicamente. Observando as relações íntimas que temos com nossos smartphones e a conexão emocional entre as pessoas e seus aparelhos, Hollenbach programou um aplicativo para se capturar cada vez que ela olhava para o telefone por um mês. O resultado, “phonelovesyoutoo”, é uma exibição em três paredes de uma galeria de mais de 1.000 vídeos de seu rosto na tela enquanto ela verifica sua correspondência. Em seu site, Hollenbach escreve que apenas o rosto dela está nos vídeos – às vezes inchado de sono, às vezes com o cabelo molhado de um banho, às vezes com batom: “O contexto muda, mas a face permanece a mesma: é uma expressão vazia, uma expressão concentradora, o tipo de olhar vazio reservado apenas para telas brilhantes. ”

Philippe Kahn, foto de nascimento de Sophie Lee Kahn, primeira fotografia compartilhada instantaneamente através de uma câmera digital, telefone celular e servidor com 2.000 pessoas, 11 de junho de 1997

Naturalmente, snap + share está repleto de oportunidades para os visitantes compartilharem suas próprias fotografias. O programa inclui memes como “241543903” de David Horovitz (2009 – em andamento), no qual ele convida as pessoas a colocarem suas cabeças em um freezer, tirar uma foto e fazer o upload usando a tag # 241543903. Trata-se de um freezer vermelho, cheio de comidas falsas, instalado na galeria, convocando pessoas para participar.

Os gatos são uma das imagens mais compartilhadas online , com a CNN estimando que em 2015 havia cerca de 6,5 bilhões de fotos de gatos circulando, e a peça final da exposição, de Eva e Franco Mattes, “Ceiling Cat” (2016) é uma escultura da cabeça de gato cutucando de um buraco no teto. A peça foi inspirada por um meme que se tornou viral em 2006 com o slogan “O gato do teto está te observando”.

Eva e Franco Mattes, “Gato do Teto” (2016)

Algumas pessoas vêem o gato como uma metáfora para a internet – sempre observando. Mas, em vez de olhar para o tipo de imagens compartilhadas, os curadores estavam mais interessados ​​nas formas como o digital afetou como eles são compartilhados – da quantidade e onipresença aos elementos de vigilância. A exposição não nos convida a julgar ou a abalar a cabeça diante do vício em telefones e mídias sociais. Em vez disso, observamos a natureza das imagens e o impulso de compartilhar. Com ou sem nossos telefones, ansiamos pela conexão humana.

Fonte: Hyperallergic

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …