“Um Brasil frágil”, veja os planos para próxima Bienal de SP

Obras de Sofia Borges na 33ª Bienal de São Paulo, em 2018.

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais aparente do que com as últimas eleições. Outro fator relevante com o governo mais recente é a extinção o Ministério da Cultura do país.

A Bienal de São Paulo do ano que vem pretende mostrar que a arte não é uma casualidade das guerras culturais, mas uma ferramenta para superá-las.

Para a 34ª edição do evento, o curador Jacopo Crivelli Visconti ampliará o escopo da bienal, tanto em termos de tempo quanto de espaço. Em vez de aderir ao Pavilhão da Bienal de São Paulo, como as iterações anteriores da mostra, a versão de Visconti se expandirá para outras instituições em toda a cidade. E isso não acontecerá apenas dentro do período normal de setembro a dezembro. A iteração 2020 começará na primavera e evoluirá até o final do ano.

A 33ª edição do ano passado da Bienal , organizada por Gabriel Pérez-Barreiro, também afirmou ter a missão de repensar a estrutura do evento, delegando a curadoria a vários curadores-artistas para o que representou uma série de exposições menores dentro do grande espetáculo, em um esforço para tornar a experiência menos ideológica e mais focada em visões artísticas individuais. Essa mostra foi criticado por alguns por não ser política o suficiente.

Para Visconti, nascido na Itália e sediado no Brasil, a Bienal é “tanto uma exibição de arte quanto uma visão institucional sobre qual deve ser o papel de um evento como este no exato momento e local em que ocorre”. A abordagem de tema faz parte da mensagem de sua bienal.

“O objetivo é conceber a Bienal dentro do contexto em que vivemos”, explica Visconti, “que é esse momento político e social muito polarizado – no Brasil, certamente, mas também em muitos outros lugares do mundo. A idéia é responder à situação política enfatizando como é essencial neste momento mostrar como as relações podem ser estabelecidas, especialmente com aquelas que são diferentes de você ”.

Explicando este conceito, o curador aponta para o escritor e poeta Martiniquan Édouard Glissant – especificamente o livro seminal de Glissant, Poetics of Relation, que postula que a identidade é formada em relação, não isolamento. “As pessoas têm a tendência de fingir que aqueles que são diferentes não podem ser totalmente compreendidos, que são invisíveis ou simplesmente não estão lá”, diz Visconti. “É essencial que não finjamos que o outro é o mesmo que nós. Esse esforço em respeitar o outro é, para mim, uma lição que é muito importante neste momento em que vivemos.”

Visconti e sua equipe estão apresentando propostas de empresas de arquitetura para moldar o pavilhão de uma forma que seja adequada a um evento tão mercurial. Não será até que o plano para o espaço atualizado seja definido que o curador comece a procurar artistas, preferindo, como ele, escolher obras de arte que se encaixem holisticamente dentro do programa, em vez de adaptar um local ao trabalho.

A primeira das três mostras solo vai começar na bienal em março próximo. Ela estará localizada dentro de uma seção do pavilhão, enquanto os dois espetáculos adicionais, que serão abertos logo depois, ocuparão outras seções do edifício. Todos os três serão absorvidos na exposição principal da bienal, que será aberta ao público no outono.

Jacopo Crivelli Visconti, curador da 34ª Bienal de São Paulo. © Pedro Ivo Trasferetti / Fundação Bienal de São Paulo.

Jacopo Crivelli Visconti, curador da 34ª Bienal de São Paulo. © Pedro Ivo Trasferetti / Fundação Bienal de São Paulo.

Nesse ponto, o espetáculo também se expandirá para outras instituições culturais dentro de São Paulo, incluindo o Museu de Arte Moderna de São Paulo, o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e o Centro Cultural São Paulo. Ao todo, 21 instituições estão confirmadas até agora, embora os detalhes ainda estejam sendo trabalhados.

“Os primeiros episódios da Bienal, que consistem em mostras individuais, podem ser consideradas declarações autônomas”, escreve Visconti na descrição do programa. “Gradualmente, à medida que o prédio se torna cada vez mais ocupado, essas exposições começarão a ser colocadas em relação a outras obras de arte e outras reflexões, tornando-se parte de uma discussão mais complexa e interligada que, em sua etapa final, se expandirá para a cidade.”

Essa dispersão em toda a metrópole brasileira é sua maneira de derrubar barreiras.

“Queremos abordar públicos diferentes, sendo ao mesmo tempo diretos e honestos, e trazer um conjunto amplo e diversificado de instituições para trabalhar em conjunto”, conclui o curador. “Meu objetivo é que tanto uma audiência especializada quanto uma mais generalizada possam ficar na frente do mesmo trabalho e ver coisas diferentes na frente dele. Dada a polarização social e política que vemos hoje, essa experiência é mais importante do que nunca ”.

Fonte: Artnet

Compartilhar:
De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …

De Arte a Z - 30/05/2019

Filme sobre mercado de arte e falsificações é nova promessa da Warner Bros.

A Warner Bros. teve um dos maiores sucessos de bilheteria da temporada do Oscar do ano passado, com a estréia …

De Arte a Z - 30/05/2019

Desenho feito por Michelangelo quando tinha 12 anos finalmente é atribuído ao pintor

Um renomado estudioso de arte italiana atribuiu um desenho de ca. 1487 para Michelangelo – e diz que é o trabalho …