Mural de Michael Jackson do artista Kobra deve ser derrubado?

O lançamento do aterrorizante documentário da HBO, Leaving Neverland, provocou uma controversa pública sobre Michael Jackson e como indivíduos e a cultura em geral estão respondendo às acusações de James Safechuck e Wade Robson de que o superstar os molestou durante anos quando eram crianças. Como Wesley Morris escreveu: “Se nós acreditamos que os acusadores (e eu acredito em Wade e James), o que vamos fazer com a arte de Jackson?”

É uma questão que os pensadores de todo o país vêm enfrentando nas últimas semanas – Caitlin Flanagan, do The Atlantic, defendeu a importância dos dons musicais de Jackson, dizendo: “A arte não é algo simples; não existe como boa fé moral da pessoa que fez isso”. E depois há a questão mais prática de como se evita a música, particularmente a música que é tão onipresente quanto o ar que respiramos: “É mais fácil não ir ao cinema do que excluir todas as grandes coisas da Motown [Jackson]”, disse a repórter Maureen Orth, da Vanity Fair.

E é verdade que a música de Jackson é tão onipresente, que vai além do papel de parede sonoro – ele influenciou várias gerações de músicos, que tentaram imitar seu som (como Justin Timberlake) ou literalmente experimentaram suas canções (como Kanye West). Mesmo Robson, um  dos acusadores, disse esta semana que ele não tem certeza se os indivíduos deveriam parar de ouvir músicas, dizendo: “Se eu tenho alguma esperança, é só que estamos questionando quem estamos adorando e por quê”.

Mas, embora seja possível a cada indivíduo decidir se deve ou não continuar a ouvi-lo em particular, há também a questão do que acontece nos espaços públicos. Os restaurantes e bares continuam tocando “PYT” ao fundo? Os DJs em clubes e casamentos ainda tocam “Billie Jean” para fazer as pessoas dançarem? Como observou Carl Wilson, da Slate , “a música muitas vezes invade nossos ouvidos em público, sem ser convidada. Num futuro próximo, as músicas de Jackson não devem ser tocadas no rádio ou de qualquer outra forma que possa levar pessoas que sofreram abuso a encontrar sua música. contra a sua vontade.”

E nós ainda deveríamos ter flashmobs de “Thriller” durante o Halloween? E quanto ao musical de jukebox MJ que ainda está programado para chegar à Broadway em 2020? E o que dizer do vasto número de obras de arte e tributos espalhados pelo mundo – especificamente, e quanto ao mural gigante do rosto de Jackson no East Village?

O impressionante mural de Jackson, que retrata Jackson tanto como o garoto que liderou o Jackson 5 quanto o adulto que alterou radicalmente seu rosto com cirurgia plástica, está localizado na 11th Street e na First Avenue desde julho do ano passado. O artista de rua Eduardo Kobra foi perguntado pela Time Out New York se ele achava que o mural deveria ser retirado diante do documentário. Veja abaixo o por que ele não quer derrubá-lo apesar das acusações:

Eu decidi manter o mural por alguns motivos:
Primeiro, porque o mural em si não é um simples tributo a MJ. Minha ideia era mostrar as transformações pelas quais ele passou durante toda a sua vida: do preto ao branco, do garoto ao adulto, do natural ao não natural. Todo o projeto que fiz em Nova York no ano passado foi sobre paz, e naquele mural em particular eu estava tentando descrever que as pessoas às vezes têm que passar por tanto para alcançar sua própria paz de espírito… e mesmo assim, às vezes não importa o que as pessoas fazem, elas nunca podem alcançar essa paz.

032019MJ1.jpg

Em segundo lugar, acredito que MJ faz parte da História Americana e também faz parte da história da música mundial. Você pode catalogar música Antes e depois de MJ, tanta foi sua influência. Ele ainda é a maior estrela pop que já viveu, e que nós já vimos, e eu acredito que nunca mais veremos outra estrela pop como ele novamente. Portanto, não podemos simplesmente apagá-lo da história. Essas novas alegações podem ser verdadeiras ou não. Não cabe a mim julgar se MJ é culpado ou não – e agora, já que ele está morto, ele não será mais julgado pela justiça. Então, eu realmente espero que o mural faça parte de si e nos leve a pensar sobre tudo isso e como nós, como pessoas e como comunidade, vamos lidar com esse novo fato sobre a vida de MJ. Espero que esta discussão nos leve todos ao desejo de ser uma pessoa melhor todos os dias.

Kobra vê seu mural em um contexto maior sobre identidade, mas o ângulo histórico é um declive escorregadio. Jackson não seria apagado da história se tirássemos um mural ou parássemos efusivamente elogiando-o em monumentos e mostruários públicos, assim como Cristóvão Colombo não seria apagado da história se parássemos de festejá-lo com um dia extra de feriado em outubro. E não é como se a música de Jackson, seu legado mais duradouro, parecesse estar em qualquer lugar agora – suas músicas ainda estão em serviços de streaming , apesar do rádio estar tocando apenas um pouco.

Compartilhar:
De Arte a Z - 21/03/2019

Museu levará um Picasso para sua casa por um dia se você convencê-los do porquê merece

O projeto #myprivatepicasso é uma colaboração entre a Fundação Beyeler e a Swisscom, uma empresa de telecomunicações.

Você sempre quis ter …

De Arte a Z - 19/03/2019

São Paulo ganha nova casa de cultura em frente ao Parque Villa-Lobos

A Casa do Parque é uma nova casa paulistana de cultura, idealizada pela colecionadora Regina Pinho de Almeida. Com abertura …

De Arte a Z - 21/03/2019

Conheça os cartazes impressionantemente mórbidos de filmes pintados à mão dos anos 1980

Os cartazes, muitas vezes surreais ou perturbadores, foram encomendados pelas locadoras de vídeo de Gana para promover as exibições itinerantes.

Uma …

De Arte a Z - 21/03/2019

Um colecionador chinês transformou cinco tanques de óleo vazios em museu

Tank Shanghai, o ambicioso e aguardado projeto de museu do colecionador chinês Qiao Zhibing está finalmente pronto para abrir suas …

De Arte a Z - 28/03/2019

Musée d'Orsay homenageia mulheres negras dando nomes a elas em obras de arte como "Olympia" de Manet

A mostra Modelos negras: de Géricault a Matisse, temporariamente renomeia trabalhos com modelos negras historicamente anônimas para homenagea-las.

O Musée d’Orsay …

De Arte a Z - 21/03/2019

3º Prêmio AF de Arte Contemporânea oferece dois meses de residência artística na França

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Aliança Francesa de Arte Contemporânea 2019. Em sua terceira edição, a premiação busca …

De Arte a Z - 26/03/2019

A Outra Feira VI - Inscrições abertas para artistas

A Outra Feira é um evento itinerante de arte contemporânea que acontece há quatro anos. Desde a estreia, 97 artistas …

De Arte a Z - 11/04/2019

Angela Merkel expurga obras de Emil Nolde de seu escritório

Uma nova exposição explora seu passado nazista e confronta o longo anti-semitismo oculto do artista.
A mídia alemã se animou na semana …

De Arte a Z - 11/04/2019

Fotógrafos lançam publicação independente "A Barca"

O universo da fotografia independente receberá um novo projeto nesta quinta-feira (11/04). Nomeada “A Barca”, a publicação traz ensaios autorais …

De Arte a Z - 30/03/2019

Associação Brasileira de Críticos de Arte divulga a lista de indicados ao prêmio

 A Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) divulga a lista tríplice com os nomes dos indicados ao prêmio destinado …

De Arte a Z - 11/04/2019

CCBB figura entre os museus mais visitados do mundo em 2018

A publicação inglesa The Art Newspaper acaba de divulgar o ranking dos 100 centros culturais e museus mais visitados do …

De Arte a Z - 21/03/2019

Harvad é processada por lucrar com fotos antigas de escravos

A Universidade de Harvard se aproveitou “descaradamente” de fotos de dois escravos do século 19, ignorando pedidos para entregar as …