Mural de Michael Jackson do artista Kobra deve ser derrubado?

O lançamento do aterrorizante documentário da HBO, Leaving Neverland, provocou uma controversa pública sobre Michael Jackson e como indivíduos e a cultura em geral estão respondendo às acusações de James Safechuck e Wade Robson de que o superstar os molestou durante anos quando eram crianças. Como Wesley Morris escreveu: “Se nós acreditamos que os acusadores (e eu acredito em Wade e James), o que vamos fazer com a arte de Jackson?”

É uma questão que os pensadores de todo o país vêm enfrentando nas últimas semanas – Caitlin Flanagan, do The Atlantic, defendeu a importância dos dons musicais de Jackson, dizendo: “A arte não é algo simples; não existe como boa fé moral da pessoa que fez isso”. E depois há a questão mais prática de como se evita a música, particularmente a música que é tão onipresente quanto o ar que respiramos: “É mais fácil não ir ao cinema do que excluir todas as grandes coisas da Motown [Jackson]”, disse a repórter Maureen Orth, da Vanity Fair.

E é verdade que a música de Jackson é tão onipresente, que vai além do papel de parede sonoro – ele influenciou várias gerações de músicos, que tentaram imitar seu som (como Justin Timberlake) ou literalmente experimentaram suas canções (como Kanye West). Mesmo Robson, um  dos acusadores, disse esta semana que ele não tem certeza se os indivíduos deveriam parar de ouvir músicas, dizendo: “Se eu tenho alguma esperança, é só que estamos questionando quem estamos adorando e por quê”.

Mas, embora seja possível a cada indivíduo decidir se deve ou não continuar a ouvi-lo em particular, há também a questão do que acontece nos espaços públicos. Os restaurantes e bares continuam tocando “PYT” ao fundo? Os DJs em clubes e casamentos ainda tocam “Billie Jean” para fazer as pessoas dançarem? Como observou Carl Wilson, da Slate , “a música muitas vezes invade nossos ouvidos em público, sem ser convidada. Num futuro próximo, as músicas de Jackson não devem ser tocadas no rádio ou de qualquer outra forma que possa levar pessoas que sofreram abuso a encontrar sua música. contra a sua vontade.”

E nós ainda deveríamos ter flashmobs de “Thriller” durante o Halloween? E quanto ao musical de jukebox MJ que ainda está programado para chegar à Broadway em 2020? E o que dizer do vasto número de obras de arte e tributos espalhados pelo mundo – especificamente, e quanto ao mural gigante do rosto de Jackson no East Village?

O impressionante mural de Jackson, que retrata Jackson tanto como o garoto que liderou o Jackson 5 quanto o adulto que alterou radicalmente seu rosto com cirurgia plástica, está localizado na 11th Street e na First Avenue desde julho do ano passado. O artista de rua Eduardo Kobra foi perguntado pela Time Out New York se ele achava que o mural deveria ser retirado diante do documentário. Veja abaixo o por que ele não quer derrubá-lo apesar das acusações:

Eu decidi manter o mural por alguns motivos:
Primeiro, porque o mural em si não é um simples tributo a MJ. Minha ideia era mostrar as transformações pelas quais ele passou durante toda a sua vida: do preto ao branco, do garoto ao adulto, do natural ao não natural. Todo o projeto que fiz em Nova York no ano passado foi sobre paz, e naquele mural em particular eu estava tentando descrever que as pessoas às vezes têm que passar por tanto para alcançar sua própria paz de espírito… e mesmo assim, às vezes não importa o que as pessoas fazem, elas nunca podem alcançar essa paz.

032019MJ1.jpg

Em segundo lugar, acredito que MJ faz parte da História Americana e também faz parte da história da música mundial. Você pode catalogar música Antes e depois de MJ, tanta foi sua influência. Ele ainda é a maior estrela pop que já viveu, e que nós já vimos, e eu acredito que nunca mais veremos outra estrela pop como ele novamente. Portanto, não podemos simplesmente apagá-lo da história. Essas novas alegações podem ser verdadeiras ou não. Não cabe a mim julgar se MJ é culpado ou não – e agora, já que ele está morto, ele não será mais julgado pela justiça. Então, eu realmente espero que o mural faça parte de si e nos leve a pensar sobre tudo isso e como nós, como pessoas e como comunidade, vamos lidar com esse novo fato sobre a vida de MJ. Espero que esta discussão nos leve todos ao desejo de ser uma pessoa melhor todos os dias.

Kobra vê seu mural em um contexto maior sobre identidade, mas o ângulo histórico é um declive escorregadio. Jackson não seria apagado da história se tirássemos um mural ou parássemos efusivamente elogiando-o em monumentos e mostruários públicos, assim como Cristóvão Colombo não seria apagado da história se parássemos de festejá-lo com um dia extra de feriado em outubro. E não é como se a música de Jackson, seu legado mais duradouro, parecesse estar em qualquer lugar agora – suas músicas ainda estão em serviços de streaming , apesar do rádio estar tocando apenas um pouco.

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …