Maior exposição de Picasso chega à China depois de problemas com alfândega

Os pavões da moda estão desfilando em Pequim neste verão. Uma mulher nova com uma colheita curta do cabelo verde de néon. Outro com franjas escarlate. Outros em sapatos pontudos e maquiagem perfeita. Um jovem com uma camisa de seda azul-clara, combinando bermudas e botas bege.

Eles são todos parte da multidão fazendo fila para ver a mostra de arte mais quente da temporada – obras do jovem Picasso no Centro de Arte Contemporânea da UCCA, uma galeria de prestígio no bairro de arte 798.

Pequim se gaba de sua cena artística. Galerias prosperam. As escolas de arte possuem um certo frisson. A arte é amplamente ensinada nas escolas primárias.

Mas encobrir todo esse fervor criativo tem a mão intrometida do governo. A censura é abundante na literatura e no cinema. Embora poucas exposições de arte tenham sido fechadas nos últimos anos, as exposições são autocensuradas, e muitos artistas optam por trabalhar no exterior para escapar dos formadores de opinião oficiais.

Para os jovens de menos de 35 anos que participaram da mostra de Picasso, alguns deles artistas, a imaginação selvagem do jovem espanhol durante as primeiras três décadas de sua carreira tocou um nervo. Eles foram cativados pelo impulso de Picasso em explorar antes de completar 30 anos. O pintor e escultor não apenas mudou o mundo da arte; ele ajudou a mudar como um novo século se viu.

Mas o tema implícito da exposição é: Será que um gênio como Picasso iria prosperar nos confinamentos da China contemporânea?

A resposta não é fácil sim ou não. Alguns artistas chineses competem favoravelmente no palco de arte do mundo, que premia o exterior, e o governo central dá as boas-vindas ao reconhecimento global que suas estrelas de arte trazem. Mas as autoridades podem interferir como censores arbitrários a qualquer momento, e qualquer trabalho que denigre o partido ou estado, ou mesmo insinuando o separatismo, é estritamente proibido.

Para os artistas e outros tipos criativos que visitam a mostra, os trabalhos de Picasso parecem sugerir o que é possível para os artistas quando estão completamente livres.

Yan Lei, um escultor de Pequim, estava no meio da exposição quando ele olhou em uma caixa de acrílico com um dos trabalhos pioneiros do artista, Violino. A mistura azul, marrom e branca de folhas de metal e fios de ferro foi criada em 1915, quando a Primeira Guerra Mundial grassava, e Picasso tinha 34 anos, mais ou menos a mesma idade que o Sr. Yan.

Ele ficou impressionado com a originalidade de tanto tempo atrás.

“Estamos fazendo isso hoje e achamos que é muito moderno”, disse Yan, que mantém um estúdio na periferia da cidade. “Ele estava fazendo isso há 100 anos.”

Boliang Shen, uma diretora de conteúdo de 34 anos de um podcast, ficou fascinada por uma escultura de Fernande Olivier, a primeira namorada de Picasso. Em alguns lugares, a madeira rústica parecia ter sido cortada com um canivete.

“Você pode sentir Picasso”, disse Shen enquanto circulava o trabalho. “Ele está procurando por si mesmo, sua própria voz.”

"Head of a Woman" (1957) atrai fãs.  Enquanto o show se concentra nas três primeiras décadas da carreira de Picasso, inclui trabalhos de mais tarde em sua carreira.

Picasso tem sido aceito na China. Sua antiga participação no Partido Comunista ajudou. Quando os comunistas alcançaram a vitória em 1949, a imagem de uma pomba de Picasso pairou como símbolo de paz em uma conferência internacional em Pequim, ao lado de retratos de Stalin e Mao.

Ele foi colocado na lista negra durante a Revolução Cultural, como quase todos os outros artistas rejeitados como uma influência burguesa não tolerável. Mas no início dos anos 80, uma pequena mostra de 30 obras marcou seu retorno, atraindo uma audiência ansiosa por arte européia depois das décadas da China no deserto.

“As pessoas vêm em parte porque ele é muito famoso e muito caro”, disse Philip Tinari, diretor da galeria UCCA.

Outra grande questão levantada pela mostra é se a China aprenderá a projetar o soft power de um dos melhores do mundo, a França. O Musée National Picasso-Paris emprestou as 103 obras para a exposição.

Quando o presidente da China, Xi Jinping, encontrou o presidente francês, Emmanuel Macron, na primavera, os dois homens publicamente abençoaram o programa. Mas uma falha de última hora relacionada às políticas alfandegárias rígidas da China quase impediu a abertura.

“O ponto de discórdia não era censura”, disse Tinari. “Foi porque as obras são muito valiosas”.

Como o prazo para a abertura surgiu no início de junho, a alfândega chinesa insistiu em um depósito de US$ 225 milhões – 25% do valor das obras – como uma espécie de imposto sobre vendas, tratando a arte como se fosse vendida. Essa quantia deveria ser paga pela galeria antes que as peças chegassem.

Mas a arte não estava à venda. Assim, o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, que estava em Pequim no final de abril para uma reunião de líderes mundiais para discutir o programa global de infraestrutura da China, pediu a seu colega chinês Wang Yi que persuadisse o depósito. E isso aconteceu.

Em 10 de junho, as obras chegaram de nove diferentes lugares da Europa e foram instaladas no vasto espaço industrial da galeria UCCA.

David Zhang, 42 anos, um instrutor de arte, reuniu seu grupo de jovens de 9 anos antes da peça principal da série, um melancólico Self-portrait de 1901 pintado em tons sombrios de azul, no rosto um cinza fantasmagórico fraco. Foi pintado após a morte de um amigo.

O Sr. Zhang, também artista, usava uma camisa branca de gola redonda, óculos sem aro, cabelo curto cortado e uma velha bolsa de couro marrom pendurada no ombro.

Um guia dando uma palestra sobre "Portrait of Marie-Therese" (1937) de Picasso.  Para um ponto de comparação, “The Last Supper”, de Da Vinci, está em seu laptop.

“Basta sentir isso, ficar na frente dele – esta é a pintura original”, disse ele.

Alguns prestaram atenção, outros se contorceram. “A cor da pele não é verdadeira cor da pele humana”, disse ele. “Como você chamaria isso?”

“Eles ficam muito empolgados vendo as pinturas reais”, disse Zhang, enquanto empurrava a multidão.

Os curadores escolheram um autorretrato de 1906 em tons de rosa e branco pálidos, com grandes olhos negros como o leitmotiv da exposição. A pintura tem uma estranha semelhança com os personagens dos filmes de animação e romances gráficos do Japão, conhecidos como mangá, uma das formas de arte estrangeira mais famosas da China.

A imagem em pastel aparece na capa do catálogo do programa, em anúncios de cartazes do lado de fora da galeria e sacolas de compras na loja.

Foi uma boa escolha de marketing, disse Wang Xingwei, um conhecido pintor de Pequim, que expôs no Museu Guggenheim, em Nova York, e apareceu no programa uma noite para conferir a resposta.

Tirando uma foto do “auto-retrato” de Picasso (1901).

Como o mangá, o auto-retrato era “fofo”, disse Wang, oferecendo uma nova interpretação do jovem Picasso. “Bonito é uma palavra popular e importante na China agora.”

O retrato não foi o trabalho mais complicado da série, ele disse, mas se encaixou com o momento e atraiu a multidão, que se agitou para ter uma visão melhor.

Compartilhar:
De Arte a Z - 15/08/2019

Exposição imersiva no universo de Van Gogh chega a São Paulo

Neste sábado (17/08), o shopping Pátio Higienópolis, em São Paulo, inaugura a exposição Paisagens de Van Gogh, sobre o pintor …

De Arte a Z - 15/08/2019

Quarto de motel com tema de Edward Hopper permite experimentar a alienação das pinturas clássicas do artista

Como os museus de todo o mundo disputam a atenção – e os dólares – de visitantes, estão cada vez …

De Arte a Z - 15/08/2019

Coletivo de arte austríaco transformando um set de filmes de pesadelo

A cena em constante mutação de Liam Gillick e a mostra atual do coletivo austríaco Gelatin no museu Kunsthalle, em …

De Arte a Z - 15/08/2019

Mural da Estátua da Liberdade algemada viraliza na internet

Mural no centro de Las Vegas, do artista britânico Izaac Zevalking, queria chamar a atenção para a fundação da América …

De Arte a Z - 15/08/2019

Artistas transformam o aeroporto de Hong Kong em um estúdio de arte de protesto como manifestações antigovernamentais

Artistas se juntaram aos manifestantes que ocupavam o Aeroporto Internacional de Hong Kong no fim de semana para criar arte …

De Arte a Z - 15/08/2019

Mapas indígenas do século XVI mostram visões não-eurocêntricas do mundo

Ao mesmo tempo em que a Espanha começou a explorar as Américas habitadas, os cartógrafos europeus concentraram-se em criar mapas …

De Arte a Z - 15/08/2019

"Fibra – I Bienal de Arte Têxtil" está com inscrições abertas

Um projeto para apresentar as tendências e os diferentes trabalhos de áreas que se mesclam na arte e na economia …

De Arte a Z - 09/08/2019

MASP recebe doação de arquivo de Rubem Valentim com mais de 10.000 itens

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP) recebeu um vasto acervo com manuscritos, datiloscritos, cartas, fotos e …

De Arte a Z - 09/08/2019

Uma virada de cores na maior comunidade de São Paulo

De abril a junho deste ano o projeto Uma Virada de Cores ofereceu oficinas gratuitas de graffiti a jovens de …

De Arte a Z - 06/08/2019

Com programação movimentada e novas parcerias, 13ª SP-Foto estreita vínculos entre a cena brasileira e a internacional

A SP-Foto – Feira de Fotografia de São Paulo chega à sua 13ª edição firmando-se como o mais relevante evento de fotografia …

De Arte a Z - 02/08/2019

Polêmica da Mona Lisa: Tribunal e misterioso consórcio com suposta versão mais jovem da musa de Da Vinci

Uma disputa de propriedade está esquentando sobre uma versão da Mona Lisa que se acredita ser das mãos de Leonardo …

De Arte a Z - 02/08/2019

Gerhard Ritchter nega museu em seu nome oferecido pela Alemanha

Embora o artista vivo mais famoso da Alemanha diga que não quer um museu dedicado a suas pinturas, autoridades em …