Harvad é processada por lucrar com fotos antigas de escravos

A Universidade de Harvard se aproveitou “descaradamente” de fotos de dois escravos do século 19, ignorando pedidos para entregar as fotos aos descendentes destes escravos, de acordo com um processo aberto na quarta-feira.

Tamara Lanier, de Norwich, Connecticut, está processando a escola da Ivy League por “confisco, posse e expropriação injustos” de imagens que ela diz que retratam dois de seus ancestrais. Seu processo, aberto no tribunal estadual de Massachusetts, exige que Harvard imediatamente entregue as fotos, reconheça sua ascendência e pague uma quantia não especificada de indenização.

O porta-voz de Harvard, Jonathan Swain, disse que a universidade “ainda não foi notificada, e com isso não está em posição de comentar sobre essa queixa”.

No centro do caso, há uma série de 1850 de daguerreótipos, um tipo inicial de foto tirada de dois escravos da Carolina do Sul identificados como Renty e sua filha, Delia. Ambos foram colocados sem camisa e fotografados de vários ângulos. Acredita-se que as imagens sejam as primeiras fotos conhecidas de escravos americanos.

Eles foram comissionados pelo biólogo de Harvard Louis Agassiz, cujas teorias sobre diferenças raciais foram usadas para apoiar a escravidão nos EUA. O processo diz que Agassiz encontrou Renty e Delia enquanto visitava plantações em busca de escravos “puros” nascidos na África.

“Para Agassiz, Renty e Delia nada mais eram do que espécimes de pesquisa”, diz o processo. “A violência de obrigá-los a participar de um exercício degradante destinado a provar seu próprio status subumano não teria ocorrido a ele, quanto mais importado.”

O processo ataca Harvard por sua “exploração” da imagem de Renty em uma conferência de 2017 e em outros usos. A empresa diz que Harvard capitalizou as fotos exigindo uma taxa de licenciamento “pesada” para reproduzir as imagens. Também chama a atenção para um livro que Harvard vende por US$ 40 com o retrato de Renty na capa. O livro, chamado “Do lugar à vista: antropologia, fotografia e o poder da imagem”, explora o uso da fotografia na antropologia.

Entre outras demandas, o processo pede que Harvard reconheça que é responsável pela humilhação de Renty e Delia e que Harvard “foi cúmplice de perpetuar e justificar a instituição da escravidão”.

Um pesquisador de um museu de Harvard redescobriu as fotos armazenadas em 1976. Mas o caso de Lanier argumenta que Agassiz nunca possuiu as fotos legalmente porque ele não tinha o consentimento de seus súditos e que ele não tinha o direito de passá-las para Harvard. Em vez disso, o processo diz que Lanier é o legítimo proprietário como parente mais próximo de Renty.

O processo também argumenta que a posse continuada de Harvard das imagens viola a 13ª Emenda, que aboliu a escravidão.

“Renty é escravo por 169 anos pelo nosso cálculo”, disse o advogado de direitos civis Benjamin Crump, um dos advogados de Lanier, em uma entrevista. “Quanto tempo vai demorar até que Harvard finalmente libere Renty?”

Lanier diz que cresceu ouvindo histórias sobre Renty transmitida pela mãe. Enquanto estava escravizado em Columbia, na Carolina do Sul, Renty aprendeu sozinho a ler e depois realizou leituras secretas da Bíblia na plantação, diz o processo. Ele é descrito como “pequeno em estatura, mas imponente nas mentes daqueles que o conheciam”.

Nesta foto de 17 de julho de 2018, Tamara Lanier segura uma fotografia de 1850 de Renty, um escravo da Carolina do Sul que Lanier disse ser o patriarca de sua família, em sua casa em Norwich, Connecticut. O retrato foi encomendado pelo biólogo Louis Agassiz, cujas idéias foram usados ​​para apoiar a escravização dos africanos nos Estados Unidos. Lanier entrou com uma ação na quarta-feira, 20 de março de 2019, no tribunal estadual de Massachusetts, exigindo que Harvard entregasse a foto e pagasse indenização. (John Shishmanian / The Norwich Bulletin via AP)

O processo diz que Lanier verificou seus laços genealógicos com Renty, a quem ela chama de “Papa Renty”. Ela diz que ele é seu tataravô.

Se recebesse as fotos, Lanier disse que contaria “a verdadeira história de quem era Renty”. Mas ela também espera que seu caso acenda uma discussão nacional sobre raça e história.

“Este caso é importante porque testará o clima moral deste país e forçará este país a contar com sua longa história de racismo”, disse Lanier em entrevista coletiva diante do Harvard Club de Nova York.

Crump, seu advogado, acrescentou que o caso poderia permitir que Harvard “remova a mancha de seu legado” e mostre que tem a coragem de “finalmente expiar a escravidão”.

Lanier alega que ela escreveu para Harvard em 2011 detalhando seus laços com Renty. Em uma carta a Drew Faust, então o presidente de Harvard, Lanier disse que queria aprender mais sobre as imagens e como elas seriam usadas. Ela foi mais explícita em 2017, exigindo que Harvard abandonasse as fotos. Em ambos os casos, ela disse, Harvard respondeu, mas evitou seus pedidos.

A escola usou as fotos como parte de seu próprio esforço para confrontar seus laços históricos com a escravidão. Na conferência de 2017 chamada “Universidades e escravidão: limitada pela história”, referenciada no processo, Harvard imprimiu o retrato de Renty na capa do programa e o projetou em uma tela gigante acima do palco.

Na imagem, Renty olha fixamente para a câmera, seu cabelo grisalho e sua estrutura esquelética exposta.

Lanier, que estava na platéia no evento, disse que ficou chocada com uma passagem no programa que descreveu as origens da foto, mas pareceu desconsiderar suas descobertas genealógicas. Ele disse que a foto foi tirada para a pesquisa de Agassiz e que “enquanto Agassiz foi aclamado, Renty voltou à invisibilidade”.

A ação alega que “ao contestar a alegação de linhagem de Lanier, Harvard está se aproveitando descaradamente do dano intencional causado à genealogia dos negros americanos por um século de políticas que separaram famílias forçadamente, apagaram nomes de familiares de escravos, retiveram registros de nascimento e morte e criminalização da alfabetização ”.

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …