Como a arte grega antiga inspirou o Ballet Russes

Léon Bakst, “Figurino para Tamara Karsavina como Chloé” para Daphnis et Chloé (ca. 1912), grafite e têmpera e / ou aquarela sobre papel (Museu de Arte Wadsworth Atheneum, Hartford, CT, The Ella Gallup Sumner e Mary Catlin Sumner Collection Fund, imagem: Allen Phillips / Wadsworth Atheneum)

Quando o pintor e designer russo Léon Bakst visitou o museu arqueológico de Olímpia em 1907, sua resposta às estátuas gregas foi visceral. “Quero terrivelmente passar a mão pelo mármore, para descobrir como são os ombros de Niobe”, escreveu ele em 1923.

Hino a  Apolo: O Mundo Antigo e os Ballets Russes, uma exposição com curadoria de Clare Fitzgerald, professora do Instituto para o Estudos do Mundo Antigo da NYU, explora a influência do mundo antigo na coreografia, cenários e figurinos dos Ballets Russes. A exposição é acompanhada por um catálogo editado por Fitzgerald.

Visão da exposição “Hino a Apolo: O Mundo Antigo e os Ballets Russes” (imagem © Instituto para o Estudo do Mundo Antigo, foto de Andrea Brizzi)

Os Ballets Russes tinham um longo namoro com as tradições da Grécia Antiga, especialmente nos aspectos mais inocentes, primitivos e eróticos do Ballet Russes. Balés como L’Après Midi d´un Faune (1912), Daphnis e Chloe (1912) e Narcisse (1911) dão vida a mitos pastorais exuberantes, insinuando seus componentes eróticos. Enquanto a coreografia (de Vaslav Nijinsky e Michael Fokine) refletia as poses de figuras na cerâmica grega, os figurinos de Bakst evocavam as volumosas vestes drapeadas da Grécia Antiga, acrescentando intrigas ao expor as zonas erógenas. O estilo de Bakst é imediatamente reconhecível pelo uso de linhas serpenteantes, cores exuberantes e uma sensualidade da belle époque.

Pintura da era clássica (c. 450 a.C.) (© Museu de Belas Artes de Boston)

O Hino a Apolo é dividido em três seções. A primeira examina o que se sabe sobre a arte da dança no mundo antigo (um pouco, mas não o suficiente). A segunda detalha o caso de amor de Bakst com a antiguidade grega, que segue uma trajetória do neoclassicismo ao primitivismo, e do primitivismo à grandeza de Hollywood, antes de sua morte prematura em 1924. A terceira analisa balés individuais, como L’Après Midi d’un Faune, bem como temas (por exemplo, a dualidade Apolo-Dionísio no texto de 1872 de Friedrich Nietzsche sobre o teatro grego antigo, O Nascimento da Tragédia) e personalidades, incluindo a dançarina de vanguarda Isadora Duncan.

Fonte: Hyperallergic

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …