Cinco décadas de arte feminista da Europa Oriental

Katarzyna Kozyra, “Olimpia” (1996), (todas as fotos Viktor Witkowski)

States of Focus é um poderoso testemunho para mulheres contemporâneas artistas que suportaram e continuam a suportar ataques à sua autodeterminação.

WROCŁAW, Polônia – A pouco menos de trezentos quilômetros a sudeste de Varsóvia, na cidade de Wrocław, a exposição States of Focus no Wrocław Contemporary Museum une cinco décadas de arte feminista de toda a Europa Oriental com foco em artistas poloneses. Com a curadoria de Małgorzata Miśniakiewicz, obras de 45 artistas ocupam dois andares no antigo abrigo antiaéreo. A forma cilíndrica do bunker permite uma experiência de visualização que tece o grupo heterogêneo de obras em uma narrativa contínua que, nas palavras do curador, “levanta questões sobre a performance do self, estratégias de representação e construção e desconstrução da imagem da mulher.

O título States of Focus é emprestado de uma obra de Natalia LL, que é a madrinha indiscutível da arte feminista polonesa. Seu trabalho também recebe considerável atenção na exposição, solidificando seu status de ícone da arte polonesa do pós-guerra. States of Focus é um poderoso testemunho para mulheres contemporâneas artistas que suportaram e continuam a suportar ataques à sua autodeterminação. Elas são alvos de órgãos institucionais, governamentais e religiosos, bem como de culturas profundamente patriarcais – tanto na Europa Oriental quanto em outros lugares. O que distingue esta exposição do contexto do feminismo da Europa Ocidental é que alguns dos artistas mais experientes incluídos aqui, como Natalia LL, Dóra Maurer, Sanja Iveković, Jolanta Marcolla e Anna Kutera lutavam simultaneamente em duas frentes: uma cena de arte dominada por homens e a doutrina altamente restritiva do Partido Comunista estabelecida pela União Soviética, com a intenção de controlar toda a produção cultural dos países no antigo Bloco Oriental.

Anna Kutera, “O filme mais curto do mundo” (1975).

Apresentação de Anna Kutera Pintura Feminista de 1973 é um exemplo desse engajamento duplo. Em sua performance, Kutera espalhou uma grande folha de papel em um estúdio na Academia de Belas Artes de Wroclaw. Usando uma vassoura que foi mergulhada em tinta preta, ela começou a “varrer” o papel da mesma maneira que alguém varre o chão para limpá-lo de detritos e poeira. Seu gesto irônico insinuou a expectativa da sociedade de que as mulheres deveriam incondicionalmente abraçar seu papel doméstico. Ao mesmo tempo, como o título revela, essa performance foi uma crítica à pintura modernista e ao expressionismo abstrato em particular. O que vem à mente são os gestos arrebatadores da bravura masculina demonstrada por pessoas como Jackson Pollock. Para complicar ainda mais o significado da Pintura Feminista de Kutera, ela arriscou e possivelmente acolheu a rejeição dos artistas de vanguarda masculinos da Polônia, que consideravam o expressionismo abstrato como a culminação da liberdade artística: o direito do indivíduo de se expressar sem medo das tentativas do governo de censurar ou instrumentalizar o trabalho. É claro que Anna Kutera estava bem ciente de como a arte contemporânea ocidental era apreciada pela vanguarda polonesa, enquanto seu espírito era publicamente denunciado como “decadente” pelo Partido Comunista. Seu desafio à avant-garde polonesa dominada pelos homens e seu irônico desvio ao regime comunista transformam sua performance em um ato de coragem que revela uma coisa: as únicas regras que ela está disposta a seguir são as regras que ela própria determina. O direito do indivíduo de se expressar sem medo de tentativas do governo de censurar ou instrumentalizar o trabalho.

Desafio e coragem formam um fio ao longo desta exposição e, às vezes, essas características assumem um tom mais pessoal e íntimo. Na foto de Olimpia, de 1996, de Katarzyna Kozyra, vemos o artista assumindo uma pose semelhante ao modelo de Manet em sua pintura de 1863, Olympia. Kozyra está deitada nua de lado, apoiada em um travesseiro em cima de uma cama de hospital. Ao contrário da Olympia de Manet, Kozyra não está cobrindo sua área púbica sem pelos, escolhendo dignidade e desafio. Sua cabeça também é sem pêlos, assim como o resto de seu corpo. Seus olhos encontram nosso olhar e seu olhar é firme, nos pedindo para continuar procurando. Logo atrás dela, uma enfermeira com uma bolsa de soro administra drogas de quimioterapia para Kozyra, que foi diagnosticado com câncer em 1992. O trabalho de Kozyra sugere que o corpo feminino não deve ser envergonhado ou com pena. Em vez disso, há força na vulnerabilidade.

A lista de trabalhos notáveis ​​continua: uma meditação irônica sobre ser um artista no vídeo Hand de Ewa Zarzycka de 2011, um trecho do filme em andamento Miss Polonia de Jana Shostak e Jakub Jasiukiewicz no qual um candidato a concurso de beleza posa no meio de uma manifestação pró-LGBTQ, ou a série explícita e altamente evocativa de fotografias intitulada Descarregando de Alicija Żebrowska de 1995 em que vemos uma imagem sobreposta da artista defecar diante de uma imagem de sua mãe, um fragmento de O Nascimento de Vênus de Botticelli e, por último, um gato negro conhecido como Satã – todas as maneiras memoráveis ​​de manusear o nariz em qualquer tentativa de disciplinar artistas e estabelecer limites para eles.

States of Focus é uma exposição de pesquisa que descreve contribuições negligenciadas de mulheres artistas de vários países da Europa Oriental e de múltiplas gerações. A mostra também oferece uma mudança de foco: Marina Abramovich, um elemento permanente no mundo da arte global, é representado apenas com um único trabalho. Miśniakiewicz criou um espetáculo de abrir os olhos com momentos de alegria, riso, choque, admiração e uma sensação de vigor artístico. Da mesma forma que cada sociedade, seja durante a Guerra Fria ou em nossos tempos de desinformação e a ascensão da extrema direita, tenta refrear a expressão artística, os artistas tiram de sua resistência à censura para empurrar os limites da arte. E eles continuam a fazer isso.

Por Viktor Witkowski (Hyperallergic)

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …