Arte censurada: Uma banana pra você!

Um museu polonês censurou o trabalho fálico de um artista feminista. Então um exército de manifestantes comedores de banana protestou.
Figuras proeminentes, incluindo Claire Bishop e Paulina Ołowska, assinaram uma carta aberta advertindo o museu.

Na Polônia, o simples ato de comer uma banana se tornou um ato de protesto subversivo. E esse protesto conseguiu persuadir o Museu Nacional de Varsóvia a devolver obras censuradas de arte feminista à exposição pública – pelo menos por enquanto.

O problema começou na sexta-feira, 27 de abril, quando a imprensa polonesa publicou relatos de que três obras de artistas femininas haviam sido removidas das galerias de coleções permanentes do Museu Nacional de Varsóvia. Entre eles estava o trabalho seminal da criadora de imagens feminista polonesa de vanguarda Natalia LL, Consumer Art (1972). A série fotográfica mostra um modelo sugestivamente comendo alimentos como uma banana ou um cachorro-quente, fazendo um comentário humorístico sobre os estereótipos femininos hipersexualizados na mídia.

Segundo relatos, o novo chefe da instituição, Jerzy Miziołek, decidiu remover os trabalhos em questão depois de ser convocado pelo Ministério da Cultura do país. Um porta-voz do ministério disse que eles não interferem nas atividades do museu, mas podem exigir uma explicação para as decisões da instituição quando acharem melhor. O porta-voz afirmou que o ministério recebeu uma queixa de uma mãe que visitou a exposição com uma criança pequena e considerou os trabalhos inadequados, informou a imprensa local.

Miziołek, que foi nomeado para o cargo pelo governo de direita da Polônia, defendeu sua decisão de remover as obras. “Certos tópicos relacionados ao gênero não devem ser explicitamente mostrados”, disse ele ao jornal polonês Gazeta Wyborcza.

O retorno foi imediato. Desde sexta-feira, os poloneses têm postado imagens de si mesmos comendo bananas, com a hashtag #bananaselfie se espalhando rapidamente nas redes sociais. Um evento no Facebook pedia um protesto em frente ao museu na segunda-feira, 29 de abril e listava mais de 7.000 participantes. A Deutsche Welle informou que centenas de manifestantes se reuniram para comer bananas em frente ao museu neste dia.

O alvoroço parece ter funcionado – mesmo que apenas temporariamente. O museu divulgou um comunicado na segunda-feira dizendo que as obras de arte seriam devolvidas às galerias onde elas estavam penduradas nos últimos seis anos, e permanecerão até o dia 5 de maio, quando o lançamento da coleção já estava programado para começar. No comunicado, Miziołek nega que ele tenha sido convocado pelo Ministério da Cultura e insiste que todas as decisões foram apenas dele. Não está claro se as obras em questão farão parte de um refluxo do museu depois de 5 de maio.

Natalia LL é considerada uma pioneira do conceitualismo feminista e da body art no movimento de vanguarda polonês do início dos anos 1970. Seus vídeos e trabalhos fotográficos tratam de questões relacionadas à desigualdade de gênero e à opressão das mulheres. Suas obras estão nas coleções de vários museus em toda a Polônia, assim como na Alemanha e na França. Nascida em 1937, ela ainda está produzindo trabalhos fotográficos.

Também foi censurado o vídeo em alemão The Appearance of Lou Salomé (2005), de Katarzyna Kozyra, originalmente encomendado para uma exposição no Kunsthalle Wien em Viena, e na Parte XL. Tele Game (2005), da dupla de artistas Aleksandra Kubiak e Karolina Wiktor. A Parte XL mostra uma performance que teve lugar em uma transmissão de TV ao vivo na qual os telespectadores podiam ligar de forma anônima e dizer aos artistas o que fazer. As ações exigidas deles rapidamente se tornaram sexuais e violentas.

A Polônia se tornou mais conservadora desde que o partido de extrema-direita na Polônia, PiS, se alinhou com a igreja em 2015 para conquistar a maioria no parlamento. Desde então, o governo tem promovido cada vez mais visões nacionalistas nas instituições culturais do país e substituiu muitos diretores em cargos-chave para remodelar a paisagem cultural. A retórica anti-aborto também está em ascensão no país, que já tem uma das mais rígidas leis de aborto na União Européia.

Na esteira da controvérsia, dezenas de figuras do mundo da arte – incluindo a historiadora de arte Claire Bishop, o diretor da Kunsthalle Zürich, Daniel Baumann, a curadora Catherine Morris, a artista Paulina Ołowska ea revendedora Magda Sawon – assinaram uma carta criticando a censura e incentivando o museu a mantenha os trabalhos à vista após o refluxo.

“Nós nos opomos à censura da cultura e à interferência no direito dos artistas à liberdade de expressão e ao direito dos telespectadores a uma escolha irrestrita em relação à arte que podem ver nas instituições de arte e em sua interpretação”, diz a carta. “Atos de censura privam os artistas da liberdade de expressão e, neste caso, também privam as mulheres de sua voz. Expressamos nossa esperança de que nos novos arranjos da galeria … as obras de mulheres, incluindo artistas feministas, não sejam censuradas, mas serão mostradas em seu lugar merecido”.

Fonte: Artnet

Compartilhar:
De Arte a Z - 23/05/2019

Rapidinhas De Arte a Z

Uma norte-americana projetará o novo parque da Torre Eiffel
A arquiteta paisagista que vive em Londres, Kathryn Gustafson, nascida nos Estados …

De Arte a Z - 23/05/2019

Museu do Prado elabora plano de evacuação para suas obras de arte

Quatro dias antes de um incêndio devastar a catedral de Notre-Dame em 15 de abril, o Museu do Prado contratou …

De Arte a Z - 23/05/2019

Laptop infectado com vírus mais perigosos do mundo está em leilão por milhões

No início deste ano, uma empresa de segurança cibernética contratou o artista online Guo O Dong para levar um laptop …

De Arte a Z - 23/05/2019

Museu Nacional busca fundos na Europa

O diretor do Museu Nacional do Brasil se dirigiu à Europa ontem para uma viagem de duas semanas para arrecadar …

De Arte a Z - 23/05/2019

Artista fornece um palco para nós tomarmos decisões políticas

Björn Meyer-Ebrecht: Uprising na Owen James Gallery é uma exposição de reposição composta de sete plataformas de madeira e três …

De Arte a Z - 23/05/2019

Cinco décadas de arte feminista da Europa Oriental

States of Focus é um poderoso testemunho para mulheres contemporâneas artistas que suportaram e continuam a suportar ataques à sua …

De Arte a Z - 22/05/2019

Agreste Lenticular: artista resgata técnica do século 19

A técnica lenticular há tempos foi incorporada pela indústria e pode ser vista em brinquedos, agendas, cadernos, e quadros decorativos, …

De Arte a Z - 20/05/2019

Um olhar sem julgamento para nosso impulso por compartilhar imagens

Na série Oportunidades Fotográficas de Courtney Vionnet (2005-14), imagens borradas de locais icônicos, incluindo a Torre Eiffel e o Taj Majal, …

De Arte a Z - 20/05/2019

Cindy Sherman e Catherine Opie revelam um projeto colaborativo de arte vestível

Durante a abertura da Bienal de Veneza de 2019, as artistas Cindy Sherman e Catherine Opie revelaram seu projeto colaborativo: …

De Arte a Z - 16/05/2019

Os 10 melhores pavilhões da Bienal de Veneza. Brasil está na lista.

Por Cassey Lesser

A melhor maneira de tomar o pulso da arte contemporânea em todo o mundo pode ser visitando os …

De Arte a Z - 16/05/2019

Conheça a fabrica de processamento de desejos do coletivo Art Department

O coletivo de arte anônimo conhecido simplesmente como Art Department transformou um prédio desativado em “uma instalação secreta de processamento …

De Arte a Z - 16/05/2019

O artista Christo em novo projeto grandioso

Com pequenos detalhes, mas com grande prazer, Walking on Water segue o artista Christo ao criar uma de suas instalações …