Apokalypse | Alex Flemming

Guggenheim

Quadros de marcantes e conhecidos monumentos espalhados pelo mundo ocidental e oriental em coloridas explosões e implosões são catástrofes ao mesmo tempo impressionantes e provocativas, contextualizadas na atualidade de atentados, incêndios e destruição.  Essas são as questões que a nova série “Apokalypse” do artista brasileiro Alex Flemming tematiza em 22 composições, expostas na igreja evangelista Kirche am Hohenzollenplatz, em Berlim, Alemanha, de 15 de junho a 11 de novembro de 2019.

As telas atestam sua preocupação e indignação com o que vem acontecendo e se repetindo no mundo: “Vivemos o final de uma era que está se esfumaçando a olhos vistos”, reporta-se ele sobre essas construções que são emblemas e símbolos de nossa civilização.

Casa Branca

Nos quadros Flemming apresenta duas camadas de representação: o monumento construído e o monumento destruído. Um fim e um novo começo? A destruição seria então a premonição de um novo recomeço, como está no Apocalipse, último livro da Bíblia, escrito por João?

Apokalypse, Revelação, Fim de Mundo. No texto do apóstolo João, o apocalipse trata da revelação divina das coisas que permaneciam secretas e fala de um novo mundo que vai surgir das cinzas do velho. Na Bíblia, Deus diz: “Veja, Eu faço tudo novo”.  Essa premonição é sugerida pelo artista na representação dos patrimônios culturais que estão morrendo.

As pinturas apresentadas numa igreja criam desconforto na medida em que entre as telas, 8 retratam outras instituições religiosas destruídas, inclusive a Kirche am Hohenzollenplatz, local da exposição. Além disso, a escolha da exposição “Apokalypse” num país que promoveu guerras mundiais e que criou um muro separando politicamente as pessoas foi fundamental para o conceito do ciclo.

Recombinando texturas, vazamentos e espessuras, o artista provoca e inquieta o visitante em um momento em que há a preocupação com o mundo atual, sua civilização e cultura, e com o que virá a ser.

Em quadros de mais de dois metros há a sobreposição das construções e seu estilhaçamento através dos índices das cores e das figuras que aparecem em pedaços, translúcidos. Ao redor delas, pinceladas em tons de vermelho ou tons claros sobre um fundo escuro e mesclado de preto, prata e cinza. A técnica usada pelo artista é a pintura com estêncil que ele havia usado anteriormente na série Caos. Sobre esse fundo sombrio, uma explosão de cores, porque “toda obra de arte tem que ser bela”, reflete Flemming sobre a questão cromática. “A destruição, então, na tela é linda!”, ele completa.

A Mesquita Azul de Istambul, a Notre Dame de Paris, o Portal de Brandemburgo de Berlim, o Empire State de Nova Iorque ou a Catedral de Brasília em estilhaços e diafanados, entre outros, encenam o fim de uma época, de uma cultura, ao mesmo tempo que apontam para as mudanças políticas, sociais e culturais que já se fazem perceber no mundo contemporâneo. Esse estado das pinturas, seus apocalipses, também pode ser reportado e uma advertência às demolições das instituições brasileiras promovidas pela condução política do país.

Índices de nuvens ou fumaça em tons claros, de poeira, de rastros de fogo, num jogo de saturação de cores e transparências apontam tanto para o fim, como para a festa colorida de um recomeço.

Flemming fala de seu trabalho de modo obsessivo e apaixonado, de suas reflexões e preocupações sócio-político-culturais, assim como seus quadros as encarnam e refletem. Sua trajetória sempre esteve politicamente engajada contra as desigualdades, os conflitos e as guerras. Em séries anteriores, por exemplo, como “Bodybuilders”, grandes e coloridas fotos-pinturas de corpos “sarados” e nus, masculinos e femininos, são estampadas com mapas de diferentes áreas em conflitos de guerra. Ou a série “Flying Carpets”, que reflete o 11 de setembro, apresentando tapetes orientais em formato de aviões. Suas telas chocam e orientam o visitante para o trabalho das cores, para a técnica e o recorte, para a textura da tela e para o viés da visão do artista. Segundo Flemming, as pinturas do ciclo Apokalypse são belas metáforas do mundo contemporâneo.

Empire State

 

Texto:  Maria Teresa Santoro Dörrenberg
Fotos: Henrique Luz

Compartilhar:
De Arte a Z - 20/09/2019

As obras mais baixadas do Getty e Met Museum

Em um esforço para tornar suas coleções cada vez mais acessíveis ao público, muitos dos principais museus começaram a digitalizar …

De Arte a Z - 20/09/2019

Imagem de São Jerônimo comprado por 600 dólares em uma pequena cidade é, na verdade, uma pintura rara de Anthony van Dyck

Albert B. Roberts, um colecionador de arte de 87 anos em Hudson, Nova York, passou décadas comprando trabalhos obscuros em …

De Arte a Z - 20/09/2019

Phillips anuncia leilão de uma coleção de fotografias representativas da cultura mundial dos séculos XX e XXI

A Phillips anunciou a venda do World View: Property from a Private Collection como destaque da temporada de vendas do …

De Arte a Z - 20/09/2019

Bienal de Sydney revela lista de artistas participantes para 2020

A Bienal de Sydney anunciou a lista completa de artistas que participarão da 22ª Bienal de Sydney (2020), intitulada NIRIN …

De Arte a Z - 08/09/2019

Sesc_Videobrasil passa a se chamar Bienal

Com mais de 35 anos de história, o Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil passa a adotar a partir de agora o nome Bienal, …

De Arte a Z - 05/09/2019

Instagram faz exceção rara a uma obra de arte nua após protestos

Autoridades do Palazzo Strozzi, em Florença, republicaram no Instagram uma pintura de uma mulher nua da artista russa Natalia Goncharova …

De Arte a Z - 05/09/2019

Funcionários fazem tatuagens do Museu Nacional devastado pelo fogo

Faz um ano que o amado Museu Nacional do Brasil foi destruído em um grande incêndio, que se acredita ter …

De Arte a Z - 05/09/2019

Incêndios na Amazônia destruíram raras obras pré-históricas da arte rupestre boliviana

Não é apenas a Amazônia brasileira que está pegando fogo. A Bolívia Oriental também está sendo devastada por incêndios florestais, …

De Arte a Z - 05/09/2019

Performance porta viva nua de Marina Abramović será recriada na Royal Academy

A Royal Academy of Arts irá recrutar homens e mulheres jovens para ficarem nus em uma porta de frente para …

De Arte a Z - 05/09/2019

Polícia lança site para encontrar proprietários de 100 obras de arte e antiguidades recuperadas

Vinte e cinco anos atrás, dois ladrões invadiram Hollywood e Westside Los Angeles, roubando centenas de milhares de dólares em …

De Arte a Z - 29/08/2019

Famoso mural de Brexit de Banksy desaparece misteriosamente

Uma declaração poderosa sobre Brexit de Banksy desapareceu sem deixar rasto – ou explicação.

O mural de três andares, que mostrava …

De Arte a Z - 29/08/2019

Fotógrafo traz questão política com uma caminhada desafiadora entre a fronteira dos EUA e o México

Em janeiro, como um impasse sobre o financiamento do muro de fronteira do presidente Donald Trump no sul do país …