Angela Merkel expurga obras de Emil Nolde de seu escritório

086

Uma nova exposição explora seu passado nazista e confronta o longo anti-semitismo oculto do artista.

A mídia alemã se animou na semana passada quando a notícia vazou de que a chanceler Angela Merkel havia decidido remover duas pinturas de Emil Nolde , o renomado expressionista alemão, das paredes de seu escritório. O movimento foi amplamente interpretado como um sinal de que as visões nazistas há muito suprimidas do artista estão finalmente se tornando parte de sua história oficial.

Até recentemente, Nolde sempre teve um álibi. Embora ela tenha se juntado ao partido nazista em 1934, suas paisagens de cores vivas e naturezas-mortas foram condenadas pelos nazistas como degeneradas. O artista iria exagerar muito a proibição nazista em seu trabalho em suas memórias após a guerra. E os documentos em seu arquivo revelando a extensão do seu anti-semitismo e o apoio inabalável de Hitler têm sido inacessíveis para os estudiosos, enquanto exposições de museus raramente tocam no assunto.

Isto é, até agora. Uma das duas pinturas que Angela Merkel tirou de suas paredes será incluída em um programa que, pela primeira vez, aborda diretamente o apoio da artista aos nazistas – e sua tentativa de encobrir esse fato após a guerra.

A exposição também levanta a questão mais ampla de como os museus deveriam abordar aspectos controversos da biografia de um artista. (No ano passado, a exposição “Emil Nolde: A cor é vida”, organizada pela fundação com o Museu Nacional da Irlanda e as Galerias Nacionais da Escócia, minimizou o antissemitismo de Nolde.) As legendas e os catálogos têm sido tradicionalmente eufemísticos ou evasivo quando o comportamento de um artista era desagradável – mas a maré pode estar mudando.

A inovadora exposição Emil Nolde será inaugurada 12 de abril, no museu Hamburger Bahnhof, em Berlim. Com o subtítulo “A artista durante o regime nazista”, o programa desafia o mito de que Nolde foi vítima de Hitler, como ele gostava de reivindicar. É verdade que um empréstimo estrelar na mostra do Instituto de Artes de Detroit, Girassóis (1932), foi confiscado pelos nazistas e declarado “degenerado” em 1937. Mas parece que a fé do artista no Nacional Socialismo não vacilou até o fim. da guerra.

Embora a participação do artista no Partido Nazista seja conhecida há muito tempo – ela ficou até desapontado por não ser nomeado um artista oficial do Estado – a fundação de Nolde há muito trabalhou para diminuir seu entusiasmo pelo nacional-socialismo e promover a ideia de que ele foi banido completamente da pintura. (Na verdade, as vendas e exibições de sua arte tinham que ser oficialmente autorizadas depois de 1941, mas ele continuou a trabalhar.) No passado, a fundação também restringiu o acesso a partes problemáticas de seu arquivo que mostram a extensão de seu antissemitismo.

A história completa da artista tornou-se possível pelo novo chefe da Fundação Ada e Emil Nolde, Christian Ring, que assumiu em 2013. Em contraste com seus predecessores, ele optou por abrir todo o arquivo do artista para os pesquisadores: “Todas as cartas estão na mesa”, disse ele ao New York Times. Um estudioso contou recentemente que encontrou um arquivo intitulado “EN e judeus”.

Merkel se recusou a dizer que estava removendo as obras de Nolde devido ao novo escrutínio de suas crenças. Ela disse à imprensa que estava devolvendo as pinturas ao seu proprietário, a Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano, porque elas seriam incluídas na exposição de Berlim. Ela não planeja levá-los de volta depois que a exposição terminar.

“Emil Nolde, Uma lenda alemã: O artista durante o regime nazista” está em exibição de 12 de abril a 15 de setembro no Hamburger Banhof, em Berlim.

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …