Ai Weiwei está processando a Volkswagen

Ai Weiwei, Soleil Levant (2017). Foto de David Stjernholm, cortesia do Kunsthal Charlottenborg, em Copenhague.

Ai Weiwei está levando a Volkswagen ao tribunal na Dinamarca por violação de direitos autorais depois que um anúncio da montadora publicado em 2017 usou uma instalação de seu trabalho como pano de fundo.

O anúncio, que apresenta um carro laranja, é colocado em frente à sua obra Soleil Levant (2017), uma instalação de 3.500 coletes salva-vidas laranja, usados ​​por migrantes que fugiram da perseguição e desembarcaram em Lesvos, na Grécia. O trabalho foi criado para o Dia Mundial do Refugiado e foi apresentado na fachada do Kunsthal Charlottenborg em Copenhague.

“Eu não fui creditado como o artista, e minha imagem de arte foi … recortada sem permissão”, escreveu Ai no Instagram em março. “O material infrator circulou para mais de 200.000 pessoas, dando a falsa impressão de que eu autorizei a Volkswagen a usar meu trabalho artístico em seu anúncio”. Ele acrescentou: “Fiquei surpreso com as descaradas violações da minha propriedade intelectual e dos direitos morais da Volkswagen”.

Enquanto o artista chinês se preparava para ir a Copenhagen para o julgamento, ele postou uma selfie dando o dedo do meio para a Volkswagen no Instagram.

O artista afirmou ter recorrido ao processo depois de mais de um ano de “negociações infrutíferas”, durante o qual a empresa “apenas se engajou em gestos arrogantes para banalizar sua culpa e rejeitar o assunto”.

Ai também está criticando o Volkwagen pelo que ele vê como hipocrisia, pois parece aumentar sua fatia de mercado na China, enquanto supostamente fecha os olhos para os abusos dos direitos humanos.

O artista citou uma reportagem na Hong Kong Free Press, que disse que “a montadora alemã está tão profundamente investindo na China e que duas fontes confiáveis ​​confirmam que figuras proeminentes associadas à Volkswagen pressionaram informalmente o ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas, para não mencionar o programa da China de internamento em massa de muçulmanos e outros inimigos ideológicos em Xinjiang, quando ele visitou seu homólogo Wang Yi em novembro de 2018”.

“O público não deve ser informado sobre esses fatos ao mesmo tempo em que a VW coopta forçosamente os coletes salva-vidas dos refugiados – os símbolos mais pungentes do sofrimento e da esperança humanos – como adereços compatíveis com a cor em seu mais novo anúncio da VW?” diz Ai Weiwei no Instagram .

Um representante da empresa disse à agência de notícias dinamarquesa Ritzau que o uso da obra de arte de Ai foi apenas uma “coincidência” depois de um dia fotografando o carro em “locais bonitos” em torno de Copenhague.

View this post on Instagram

I am suing Volkswagen in Denmark for violating my intellectual property and moral rights. My artwork “Soleil Levant” (2017), which I created for World Refugee Day, was installed at Copenhagen's Kunsthal Charlottenborg from June 20 to October 1, 2017. The work comprises 3,500 lifejackets used by refugees who fled to Lesvos, Greece, escaping persecution and conflict. In October 2017 Volkswagen Denmark used an unauthorized photo of “Soleil Levant” in an ad for its VW Polo campaign. I was not credited as the artist, and my artwork image was uncredited and cropped without permission. The infringing material was circulated to over 200,000 people, giving the false impression that I had authorized Volkswagen to use my artwork in its ad for the new Polo. I was astonished by Volkswagen’s brazen violations of my intellectual property and moral rights. Since November 2017 I have been trying to resolve the matter with Volkswagen. In more than one year of fruitless negotiation, they only engaged in arrogant gestures to trivialize their guilt and dismiss the matter. Intellectual property protection lies at the heart of a society that values human invention and makes our useful accumulation of knowledge possible. Respect of intellectual property law is one cornerstone of a functioning international legal system. As one of the largest European companies, Volkswagen should understand these same laws. Volkswagen and other multinational corporations have tremendous bargaining power in intellectual property protection as well as environmental and human rights. They are not above the law. Human rights, like intellectual property, is a popular concept but one that is difficult to enforce. We should remember that Germany took in one million refugees in 2015, a powerful humanitarian act in a divided world. As one of Germany’s internationally most visible companies, Volkswagen’s disregard for fair play and humanitarian issues is truly disturbing.

A post shared by Ai Weiwei (@aiww) on

Ai não está comprando isso. “Esse tipo de bullying corporativo adquire o fruto do trabalho dos outros, intimida os indivíduos que tentam impor seus direitos e demonstra desprezo pelo comportamento humanitário e ético”, escreveu ele.

Fonte: Artnews

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …