Agreste Lenticular: artista resgata técnica do século 19

A técnica lenticular há tempos foi incorporada pela indústria e pode ser vista em brinquedos, agendas, cadernos, e quadros decorativos, em especial naqueles de temática religiosa. Pouco gente sabe nominá-la e quase ninguém compreende sua lógica de funcionamento e histórico no universo das artes visuais. A pesquisa Agreste Lenticular, apoiada pelo Funcultura, idealizada e capitaneada pela artista, professora de Artes Visuais e doutoranda do PPGDesign da UFPE, Marcela Camelo, visa justamente esmiuçar e resgatar essa técnica secular de composição de imagem.

O termo lenticular significa “o que tem forma de lente”. A lenticularidade é uma técnica aplicada para obtenção de imagens em movimento ou imagens que se transmutam. O lenticular está entre as técnicas de autoestereoscopia, aquelas que permitem uma imagem em 3D sem a necessidade de uso de óculos. Também estão nessa categoria o scanimation e o Efeito Moiré, que podem ser entendidos como uma derivação do lenticular. Trata-se de um estudo de percepção visual. Duas ou mais fotografias são tiradas para uma composição. Depois as fotos são codificas em linhas, impressas e, posteriormente, a lente é aplicada sobre essas impressões.

“No seu modo mais artesanal, a construção de um lenticular se dá a partir da junção de duas imagens. Ambas são “cortadas” em tiras e uma imagem única é composta a partir da disposição das tiras intercaladas. Desta forma, o movimento e a mudança da imagem é obtida a partir do ponto de vista de quem a observa ou no movimento sobre o material no qual ela está gravada, impressa ou pintada”, explica Marcela Camelo.

O surgimento da técnica Lenticular remete ao primeiro cinema, mas há registros de pinturas do século XVII com a aplicação do modo lenticular de compor imagens, como no díptico do pintor francês Gaspar Antoine de Bois-Clair. “É um cinema em papel, quando você coloca a lente, é como se tivéssemos fazendo a transição, a fusão da imagem, do canal A para o canal B. Só que isso é feito de modo analógico. Me dedico a pesquisar essa técnica associando a um conteúdo específico: mulheres de uma comunidade rural”, detalha.

A família da pesquisadora é natural de Iati, no Agreste pernambucano, onde está situada a comunidade do Trapiá. As mulheres desta comunidade mantêm viva há anos a realização de uma novena e são as grandes protagonistas da estruturação e organização social do lugar. Essa configuração já havia chamado a atenção de Marcela, que documentou esse contexto da comunidade liderada pela ação das mulheres em dois curtas-metragem. Foi nessa convivência com essas mulheres que a pesquisadora se viu intrigada pelo objeto lenticular. “No interior, as pessoas costumam ter em casa quadros com lenticulares de santos e imagens bíblicas. Essa questão do sagrado, do mágico, do Jesus que se transforma em Maria. Esses quadros chamaram minha atenção. Um dia resolvi ir à feira e comprei um desses para mim. Abri e fui tentar entender como era seu funcionamento”.

A partir daí surgiu a ideia de investigar a técnica pouco conhecida, e muito sofisticada do ponto de vista técnico, e tornar as mulheres que desenvolviam o protagonismo religioso o tema representado no processo de pesquisa. “Juntando esses dois pontos, além de resgatar técnicas que me parecem ter enorme potencialidade nas artes visuais e também no ensino, eu poderia buscar também a minha ancestralidade e também a daquelas mulheres. Fazendo isso eu também fomentaria a permanência dessa novena-festa, valorizando essas práticas, esse catolicismo anárquico produzido por essas mulheres e a relação que elas mantém com a natureza, que é uma forma de resistência e uma forma de política”, pontua a pesquisadora que passou a fotografar essas figuras femininas de referência e usar as imagens nas 30 composições lenticulares que compõem a pesquisa.

Como a técnica foi incorporada ao universo kitsch e é dominada pelos chineses, Marcela trilhou um longo caminho para compreender o seu funcionamento e criar uma espécie de manual para quem deseja produzir um lenticular, além da grande dificuldade de conseguir adquirir a lente para a sua execução – foi preciso importá-la dos EUA.

A pesquisa, que contou com o apoio do Funcultura e que faz parte de uma investigação maior para o doutorado de Marcela Camelo, terá como culminância uma vivência com alunos da Escola Miguel Arraes de Alencar, em Garanhuns, entre os dias 20 e 24 de maio. Os alunos terão contato com todos os conceitos explorados na pesquisa – imagens lenticulares, scanimation, autoestereoscopia, Efeito Moirè, optical arte, primeiro cinema – e poderão colocar “a mão na massa”, produzindo imagens nessas técnicas. As imagens produzidas pela pesquisadora, que é professora do Instituto Federal de Alagoas – Campus Santana do Ipanema, também circularão no Santuário de Santa Quitéria de Frexeiras, em Garanhuns, para onde muitos fiéis fazem romarias, muitas vezes levando ex-votos e os lenticulares religiosos. Posteriormente, as imagens também serão exibidas na comunidade do Trapiá, em Iati, e futuramente no Recife.

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …