Agreste Lenticular: artista resgata técnica do século 19

A técnica lenticular há tempos foi incorporada pela indústria e pode ser vista em brinquedos, agendas, cadernos, e quadros decorativos, em especial naqueles de temática religiosa. Pouco gente sabe nominá-la e quase ninguém compreende sua lógica de funcionamento e histórico no universo das artes visuais. A pesquisa Agreste Lenticular, apoiada pelo Funcultura, idealizada e capitaneada pela artista, professora de Artes Visuais e doutoranda do PPGDesign da UFPE, Marcela Camelo, visa justamente esmiuçar e resgatar essa técnica secular de composição de imagem.

O termo lenticular significa “o que tem forma de lente”. A lenticularidade é uma técnica aplicada para obtenção de imagens em movimento ou imagens que se transmutam. O lenticular está entre as técnicas de autoestereoscopia, aquelas que permitem uma imagem em 3D sem a necessidade de uso de óculos. Também estão nessa categoria o scanimation e o Efeito Moiré, que podem ser entendidos como uma derivação do lenticular. Trata-se de um estudo de percepção visual. Duas ou mais fotografias são tiradas para uma composição. Depois as fotos são codificas em linhas, impressas e, posteriormente, a lente é aplicada sobre essas impressões.

“No seu modo mais artesanal, a construção de um lenticular se dá a partir da junção de duas imagens. Ambas são “cortadas” em tiras e uma imagem única é composta a partir da disposição das tiras intercaladas. Desta forma, o movimento e a mudança da imagem é obtida a partir do ponto de vista de quem a observa ou no movimento sobre o material no qual ela está gravada, impressa ou pintada”, explica Marcela Camelo.

O surgimento da técnica Lenticular remete ao primeiro cinema, mas há registros de pinturas do século XVII com a aplicação do modo lenticular de compor imagens, como no díptico do pintor francês Gaspar Antoine de Bois-Clair. “É um cinema em papel, quando você coloca a lente, é como se tivéssemos fazendo a transição, a fusão da imagem, do canal A para o canal B. Só que isso é feito de modo analógico. Me dedico a pesquisar essa técnica associando a um conteúdo específico: mulheres de uma comunidade rural”, detalha.

A família da pesquisadora é natural de Iati, no Agreste pernambucano, onde está situada a comunidade do Trapiá. As mulheres desta comunidade mantêm viva há anos a realização de uma novena e são as grandes protagonistas da estruturação e organização social do lugar. Essa configuração já havia chamado a atenção de Marcela, que documentou esse contexto da comunidade liderada pela ação das mulheres em dois curtas-metragem. Foi nessa convivência com essas mulheres que a pesquisadora se viu intrigada pelo objeto lenticular. “No interior, as pessoas costumam ter em casa quadros com lenticulares de santos e imagens bíblicas. Essa questão do sagrado, do mágico, do Jesus que se transforma em Maria. Esses quadros chamaram minha atenção. Um dia resolvi ir à feira e comprei um desses para mim. Abri e fui tentar entender como era seu funcionamento”.

A partir daí surgiu a ideia de investigar a técnica pouco conhecida, e muito sofisticada do ponto de vista técnico, e tornar as mulheres que desenvolviam o protagonismo religioso o tema representado no processo de pesquisa. “Juntando esses dois pontos, além de resgatar técnicas que me parecem ter enorme potencialidade nas artes visuais e também no ensino, eu poderia buscar também a minha ancestralidade e também a daquelas mulheres. Fazendo isso eu também fomentaria a permanência dessa novena-festa, valorizando essas práticas, esse catolicismo anárquico produzido por essas mulheres e a relação que elas mantém com a natureza, que é uma forma de resistência e uma forma de política”, pontua a pesquisadora que passou a fotografar essas figuras femininas de referência e usar as imagens nas 30 composições lenticulares que compõem a pesquisa.

Como a técnica foi incorporada ao universo kitsch e é dominada pelos chineses, Marcela trilhou um longo caminho para compreender o seu funcionamento e criar uma espécie de manual para quem deseja produzir um lenticular, além da grande dificuldade de conseguir adquirir a lente para a sua execução – foi preciso importá-la dos EUA.

A pesquisa, que contou com o apoio do Funcultura e que faz parte de uma investigação maior para o doutorado de Marcela Camelo, terá como culminância uma vivência com alunos da Escola Miguel Arraes de Alencar, em Garanhuns, entre os dias 20 e 24 de maio. Os alunos terão contato com todos os conceitos explorados na pesquisa – imagens lenticulares, scanimation, autoestereoscopia, Efeito Moirè, optical arte, primeiro cinema – e poderão colocar “a mão na massa”, produzindo imagens nessas técnicas. As imagens produzidas pela pesquisadora, que é professora do Instituto Federal de Alagoas – Campus Santana do Ipanema, também circularão no Santuário de Santa Quitéria de Frexeiras, em Garanhuns, para onde muitos fiéis fazem romarias, muitas vezes levando ex-votos e os lenticulares religiosos. Posteriormente, as imagens também serão exibidas na comunidade do Trapiá, em Iati, e futuramente no Recife.

Compartilhar:
De Arte a Z - 23/08/2019

Museus Castro Maya e a Mul.ti.plo Espaço Arte estabelecem parceria inédita

Os Museus Castro Maya e a Mul.ti.plo Espaço Arte estabeleceram uma parceria inédita. O projeto consiste em gerar um conjunto …

De Arte a Z - 15/08/2019

Exposição imersiva no universo de Van Gogh chega a São Paulo

Neste sábado (17/08), o shopping Pátio Higienópolis, em São Paulo, inaugura a exposição Paisagens de Van Gogh, sobre o pintor …

De Arte a Z - 15/08/2019

Quarto de motel com tema de Edward Hopper permite experimentar a alienação das pinturas clássicas do artista

Como os museus de todo o mundo disputam a atenção – e os dólares – de visitantes, estão cada vez …

De Arte a Z - 15/08/2019

Coletivo de arte austríaco transformando um set de filmes de pesadelo

A cena em constante mutação de Liam Gillick e a mostra atual do coletivo austríaco Gelatin no museu Kunsthalle, em …

De Arte a Z - 15/08/2019

Mural da Estátua da Liberdade algemada viraliza na internet

Mural no centro de Las Vegas, do artista britânico Izaac Zevalking, queria chamar a atenção para a fundação da América …

De Arte a Z - 15/08/2019

Artistas transformam o aeroporto de Hong Kong em um estúdio de arte de protesto como manifestações antigovernamentais

Artistas se juntaram aos manifestantes que ocupavam o Aeroporto Internacional de Hong Kong no fim de semana para criar arte …

De Arte a Z - 15/08/2019

Mapas indígenas do século XVI mostram visões não-eurocêntricas do mundo

Ao mesmo tempo em que a Espanha começou a explorar as Américas habitadas, os cartógrafos europeus concentraram-se em criar mapas …

De Arte a Z - 15/08/2019

"Fibra – I Bienal de Arte Têxtil" está com inscrições abertas

Um projeto para apresentar as tendências e os diferentes trabalhos de áreas que se mesclam na arte e na economia …

De Arte a Z - 09/08/2019

MASP recebe doação de arquivo de Rubem Valentim com mais de 10.000 itens

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP) recebeu um vasto acervo com manuscritos, datiloscritos, cartas, fotos e …

De Arte a Z - 09/08/2019

Uma virada de cores na maior comunidade de São Paulo

De abril a junho deste ano o projeto Uma Virada de Cores ofereceu oficinas gratuitas de graffiti a jovens de …

De Arte a Z - 06/08/2019

Com programação movimentada e novas parcerias, 13ª SP-Foto estreita vínculos entre a cena brasileira e a internacional

A SP-Foto – Feira de Fotografia de São Paulo chega à sua 13ª edição firmando-se como o mais relevante evento de fotografia …

De Arte a Z - 02/08/2019

Polêmica da Mona Lisa: Tribunal e misterioso consórcio com suposta versão mais jovem da musa de Da Vinci

Uma disputa de propriedade está esquentando sobre uma versão da Mona Lisa que se acredita ser das mãos de Leonardo …