Museu censura obras sobre refugiados

Borders" de Lucía González Ippolito é uma das obras de arte retiradas de uma exposição no JCC de San Francisco. (Cortesia / Ippolito)

Exposição de arte no JCC de São Francisco, que confronta a crise de fronteira entre os EUA e o México, gerou polêmica depois que os administradores removeram dois trabalhos considerados impróprios para crianças. Nos dois trabalhos, os palestinos são direta ou indiretamente referenciados. Em resposta, alguns dos 36 artistas da exposição alegaram censura e ameaçaram retirar suas peças.

La Frontera: artistas respondem à crise da fronteira entre os EUA e o México, inaugurado em 22 de abril na Galeria Katz Snyder, um espaço de exposição pública que se estende pelos corredores do segundo andar e chego ao átrio do prédio. A exposição apresenta cerca de 60 obras de arte – pinturas, desenhos a lápis, colchas, estampas – principalmente de artistas da herança mexicana e latino-americana. O trabalho reflete sobre “turbulência global, migração e questões de fronteira”, diz uma sinopse da exposição. Com vista para área de estar do átrio esta a frase “Um santuário é uma casa longe de casa”, escrito em letras grandes azuis.

David Green, diretor de programas da JCC para projetos culturais, chamou La Frontera uma das exibições mais “mergulhadas na fronteira” do centro na memória recente, retratando temas sensíveis e difíceis, incluindo migrantes desesperados, encontros com policiais e temas abertamente políticos. Com curadoria de David J. de la Torre, um curador freelancer do JCC desde 2015 e ex-diretor do Museu Mexicano de São Francisco, a mostra destina-se a estudar “uma das crises humanitárias mais desafiadoras de nossos dias”, disse Green.

Porém, menos de uma semana após a abertura, o JCC sentiu que havia extrapolado um pouco os limites.

Segundo Green, depois de receber reclamações de alguns visitantes e depois de deliberações internas com líderes do JCC e professores da primeira infância, as duas obras foram removidas.

Borders, da muralista Lucía González-Ippolito, de San Francisco, de 31 anos, é um desenho a lápis colorido que imagina a parede fronteiriça dos EUA e do México se transformando na barreira da Cisjordânia, ao longo de um corpo de água. Ele mostra migrantes remando na praia, uma criança morta deitada de bruços na areia – uma referência à foto altamente divulgada da crise dos refugiados sírios – e uma mulher vestida de kaffiyeh e acorrentada e que é palestina, de acordo com a artista.

O segundo trabalho, uma pintura do artista de San Francisco Christo Oropeza chamado Sem título mostra um soldado apontando uma arma de grau militar na direção de uma criança. A criança, desenhada com uma auréola, está de pé diante de uma parede que se parece muito com a barreira da Cisjordânia, embora Green tenha dito que a peça é uma reflexão sobre as experiências do artista cruzando a fronteira EUA-México para visitar a família.

Exposição de arte La Frontera no JCC de São Francisco (Photo / Gabe Stutman)

Exposição de arte La Frontera no JCC de São Francisco (Photo / Gabe Stutman)

De acordo com Green, tanto Sem título quanto Borders foram removidos porque suas representações de violência contra crianças eram inquietantes para os campistas de verão e pré-escolares que viajam pelos corredores todos os dias.

“Decidimos remover a peça porque é inapropriado mostrar uma imagem de um soldado apontando uma arma para ou perto de uma criança em uma pré-escola em espaço aberto”, disse Green.

Green e um comitê de seleção inicialmente aprovaram Sem título, mas não apreciaram totalmente seu possível impacto.

“Quando o selecionamos, sabíamos que seria uma peça difícil”, disse ele. “Mas não percebemos que estaríamos mostrando isso para as crianças regularmente”.

Uma terceira obra de arte que não foi incluída na exposição é uma xilogravura de tríptico mostrando um homem vestindo um kaffiyeh sob a palavra “Gaza”, ao lado de um trabalhador em greve e um militante zapatista. Green disse que a peça, intitulada Triple Thread, não estava no programa porque não estava diretamente relacionada ao assunto, mas que outros trabalhos do artista, Juan Fuentes, foram incluídos.

Fuentes disse que se opunha à decisão do JCC de não mostrar sua obra, e achou que a decisão era politicamente motivada. Mas ele decidiu não retirar seus outros trabalhos da msotra.

“Eu não estava feliz com o trabalho sendo excluído, e eu sabia que era porque representava uma imagem de um palestino”, ele escreveu em um e-mail para J.

“Eu não tirei nenhum dos outros trabalhos que eu tinha contribuído”, continuou Fuentes. “Eu queria apoiar David de la Torre e a questão da fronteira precisa ser tratada em um diálogo com a comunidade em geral.”

Em uma carta aberta ao JCC depois que as peças foram removidas, Josué Rojas e Oropeza, dois dos artistas presentes na exposição, criticaram a decisão de remover as obras sem diálogo com os artistas como “severas e desnecessárias”, e disse fazê-lo “ bloqueia a nobre missão dessas obras – criar diálogo”.

“Acreditamos que a arte é uma ferramenta poderosa para se conectar com outros seres humanos e para iluminar coisas que não são vistas”, escreveu Rojas e Oropeza na carta, assinada por “We the Artists”. “A arte pode ir onde outras coisas não podem.

Ippolito foi mais direto em um comunicado postado no Facebook. Ela observou que as três obras em questão, incluindo a dela, pareciam retratar ou sutilmente evocar questões palestinas.

“Desde a remoção da peça, outras obras também foram removidas”, escreveu ela, referindo-se às obras de Oropeza e Fuentes. “Ambas as outras duas obras também retratam imagens da Palestina”, disse ela, chamando as escolhas do CCC de “censura inaceitável”.

Ippolito disse que estava honrada em ser incluída na exposição, mas chocada quando soube que seu trabalho foi removido.

“Minha peça não descreve nada de óbvio e, com certeza, não é violenta”, escreveu ela em uma declaração pública intitulada “Censura no Centro Comunitário Judaico de São Francisco”.

"Caminantes / Hikers" por Felipe Morales, uma das obras de arte ainda em exposição na exposição La Frontera no JCC de San Francisco (Foto / Gabe Stutman)

“Caminantes / Hikers” de Felipe Morales, uma das obras de arte ainda expostas na exposição La Frontera no JCC de San Francisco (Foto / Gabe Stutman)

“A criança está em segundo plano e apenas alguém que se lembra da notícia da morte da criança entenderia o contexto”, disse ela. “Seria irresponsável representar essa crise humanitária e não abordar a violência contra as crianças”.

A obra de arte enviada foi revisada pelo curador e pela equipe do JCC antes de ser selecionada, disse Green. Ele não queria entrar nos detalhes do processo deliberativo, mas disse que, no futuro, mais informações seriam buscadas de uma ampla gama de membros da comunidade do JCC.

“Uma das coisas que descobrimos neste processo é que não temos participantes suficientes das diferentes comunidades que servimos”, disse ele. “Precisamos ser mais claros com os artistas de que esse é um processo pelo qual estamos passando. E precisamos trazer mais vozes e olhos de nossa comunidade.”

A peça de Ippolito foi uma adição tardia à exposição, disse Green, e não passou por uma rodada completa de exames.

O JCC não quis disponibilizar de la Torre para comentários. Em uma entrevista no site do KQED, o curador disse que ficou “solidário” com os artistas.

Em uma carta de desculpas a Ippolito, Green chamou o incidente de um “resultado decepcionante” e disse que o JCC havia cometido um erro.

“Devemos priorizar o bem-estar e segurança emocional de nossos filhos e membros da comunidade”, disse ele. “Representações de violência contra crianças e crianças mortas em nossas áreas comuns não são aceitáveis, mesmo em espaços de galeria dedicados.”

Ele disse que se arrependeu da sequência de eventos que levaram à controvérsia e ofereceu aos artistas a oportunidade de apresentar trabalhos diferentes para ocupar o lugar das peças que foram removidas.

“Isso está fora de ordem”, disse Green. “Precisamos fazer esse trabalho com antecedência e em diálogo com os artistas.”

Compartilhar:
De Arte a Z - 09/07/2019

O Vaticano escondeu representações de sacerdotisas mulheres na arte?

A historiadora de arte Ally Kateusz apresentou um trabalho de pesquisa em Roma argumentando que a igreja ocultava evidências de …

De Arte a Z - 09/07/2019

Melania Trump ganha seu primeiro monumento, e não é bem o que você esperaria

Uma escultura de madeira em tamanho real de Melania Trump apareceu recentemente em cima de um pedestal de árvore nas …

De Arte a Z - 08/07/2019

MALBA à venda? Entenda a curiosa placa instalada na fachada do museu

Usuários de redes sociais ficaram surpresos com a fotografia de um homem instalando uma placa na fachada do Museu de …

De Arte a Z - 04/07/2019

Nova mostra de Basquiat aborda emblemática brutalidade policial

Jay-Z emprestou um Basquiat para uma exposição sobre um episódio histórico de alegada brutalidade policial, aprendeu Page Six.

O rapper ofereceu …

De Arte a Z - 04/07/2019

Mistério por trás de fechamento do Museu de Arte de Dallas

O jardim de esculturas no Museu de Arte de Dallas foi fechado durante essa semana, possivelmente porque um jovem skatista …

De Arte a Z - 04/07/2019

Vincent ou Theo? Estudioso diz que museu confundiu retratos dos irmãos van Gogh

Um par de retratos no Museu Van Gogh, em Amsterdã, representando Vincent e seu irmão Theo, são objeto de um …

De Arte a Z - 04/07/2019

Descoberta identidade de comprador de Caravaggio milionário

Era uma conclusão tão surpreendente quanto a proveniência do trabalho em si: Dias antes da pintura Judith Beheading Holefernes, descoberta …

De Arte a Z - 04/07/2019

Famosa escultura de Anish Kapoor é vandalizada

Sete pessoas foram levadas sob custódia em Chicago depois de supostamente vandalizar a amplamente adorada escultura pública de Anish Kapoor, …

De Arte a Z - 02/07/2019

Banksy projeta um "colete à prova de facadas" para o rapper britânico Stormzy

Banksy ataca novamente, desta vez no festival de música mais popular da Grã-Bretanha. Na noite de sexta-feira, o rapper britânico …

De Arte a Z - 30/06/2019

Rio mais poluído de São Paulo recebe obra permanente de Eduardo Srur

O artista Eduardo Srur inaugurou a obra “Barco sobre um Rio Enterrado”, na margem do rio Pinheiros, em São Paulo …

De Arte a Z - 27/06/2019

Imagens de tirar o fôlego que ganharam o Concurso Nacional de Viagens Geográficas

Uma aldeia ártica coberta de neve na Groenlândia; um menino pensativo em um nascer do sol do rio na Índia; e uma …

De Arte a Z - 27/06/2019

Conheça toda a história por trás do Caravaggio redescoberto e vendido antes de chegar ao leilão

A pintura Judith decapitando Holofernes (cerca 1607) que especialistas afirmam ser uma segunda versão há muito tempo perdida de Caravaggio …