Kaws em Hong Kong, a ascensão do controverso artista de rua

“Está tudo bem com KAWS em Hong Kong este mês”, diz Claire Crozel, diretora da Fundação de Arte Contemporânea de Hong Kong (HOCA), que realiza a primeira pesquisa abrangente da Região Administrativa Especial sobre o trabalho dos artistas americanos no PMQ (até 14 Abril).

Os Hongkongers estarão animados com outro grande evento do KAWS: a chegada de uma de suas enormes figuras infláveis ​​para o Companion, o Holiday de 37 metros de comprimento, que foi instalado em Victoria Harbour em 22 de março por dez dias.

Produzido em colaboração com o estúdio criativo AllRightsReserved, com sede em Hong Kong, o projeto já apareceu em Seul e Taipei, onde filas de pessoas se reuniram em frente ao Memorial Chiang Kai-shek em janeiro para comprar figuras de vinil de edição limitada e outras mercadorias por cerca de $ 50.

O KAWS, também conhecido como Brian Donnelly, começou como grafiteiro em Nova York nos anos 90. Naquela época, ele abria os ônibus de publicidade durante a noite e removia os cartazes do lado de dentro, pintando rostos caricaturais sobre os modelos com cruzes nos olhos antes de devolver os cartazes ao amanhecer. Essas chamadas “interrupções de anúncios” levaram a KAWS a projetar uma linha de brinquedos colecionáveis ​​com a empresa de roupas japonesa Bounty Hunter. As figuras e as iterações subseqüentes têm um culto conquistado na Ásia, entre os que cresceram nos anos 80 assistindo à Vila Sésamo e aos animes, bem como uma safra mais jovem da geração do milênio e da Geração Z.

A estética pop do KAWS é imensamente popular em Hong Kong

Agora, uma onda de mostras institucionais na Ásia e nos Estados Unidos (o Museu de Arte Contemporânea de Detroit terá uma exposição em maio) tem como objetivo escrever KAWS na história da arte, para o desgosto dos críticos que dizem que ele é apenas um homem de negócios e essa especulação está alimentando sua crescente popularidade.

Mas para Germano Celant, o historiador de arte e curador italiano que organizou a pesquisa da HOCA, o “conceito modificado de criatividade … do KAWS se liberta da distinção moralista entre alto e baixo”.

Celant vê o KAWS como o sucessor natural da estética pop de Andy Warhol e parte de uma geração de artistas mais jovens, de Tom Sachs a Takashi Murakami, que “desenvolveram uma atitude de pensar sobre arte como um sistema circular e aberto, onde não há hierarquia entre línguas ”. A forma como o KAWS usa as mídias sociais para falar diretamente com os fãs e deixar as edições limitadas é mais uma prova dessa posição.

Abrangendo 37 trabalhos da última década, a pesquisa de Hong Kong estreia uma peça ao ar livre e reuniu pela primeira vez seis das pinturas bulbosas de “Chum” do KAWS. Três dos números foram exibidos juntos pela última vez em 2017 no Museu Yuz, do colecionador indonésio Budi Tek, em Xangai, como parte da primeira pesquisa da KAWS na Ásia.

A crescente estatura institucional do KAWS parece estar apoiando-se no sucesso recente do mercado, particularmente em leilões. No entanto, seu principal revendedor, Emmanuel Perrotin, construiu cuidadosamente o perfil da KAWS na Ásia desde o lançamento de sua galeria em Hong Kong com uma mostra dedicada ao artista em 2012. No ano passado, a Perrotin abriu exposições simultâneas de KAWS em Tóquio e Hong Kong para coincidir com a Art Basel Hong Kong. Enquanto isso, a Galeria Skarstedt começou a representar o artista em fevereiro de 2018, um endosso adicional de suas credenciais de arte.

Compartilhar:
De Arte a Z - 17/06/2019

28º Prêmio Montblanc de Cultura premia designer brasileiro

O designer brasileiro Marcelo Rosenbaum foi escolhido por seu projeto A Gente Transforma, em Várzea Queimada, Piauí.

Prêmio anual é concedido …

De Arte a Z - 13/06/2019

Museus brasileiros esquivam-se de novas regras da Lei Rouanet

Os museus brasileiros deram um suspiro de alívio após um anúncio do governo, de que mudanças em um esquema de …

De Arte a Z - 13/06/2019

Os 10 melhores estandes da Art Basel

Veja a selelão dos 10 melhores estandes da Art Basel em Basel, por Artsy.

Por Alina Cohen

Agora, em sua 50ª edição, …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pavilhão da Bienal de Veneza fecha por protesto

O pavilhão de Hong Kong na Bienal de Veneza anunciou na manhã do dia 12 de junho, que estará encerrando …

De Arte a Z - 13/06/2019

Pintura mais cara da ArtBasel de Peter Doig é uma revenda de garantidor, entenda malabarismo do mercado

Apenas 15 meses depois da tela de Peter Doig “O Lar do Arquiteto no Desfiladeiro” ter arrecadado US$ 20 milhões …

De Arte a Z - 13/06/2019

"Um Brasil frágil", veja os planos para próxima Bienal de SP

Por Taylor Dafoe

Como muitos países em todo o mundo, o Brasil hoje está fundamentalmente dividido. Essa dinâmica nunca foi mais …

De Arte a Z - 13/06/2019

Esposa de famoso artista Pop Art comete suícido

No último domingo à noite dia 9/6, Mary Max, a esposa do artista pop Peter Max, deixou uma longa mensagem …

De Arte a Z - 12/06/2019

Pavilhão da Lituânia na Bienal de Veneza ganha nova vida

Nos dias de abertura da Bienal de Veneza deste ano, uma longa fila para entrar no Pavilhão da Lituânia era …

De Arte a Z - 12/06/2019

"Não seremos apagados": ativistas ocupam El Museo del Barrio

Cerca de uma dúzia de ativistas organizaram um protesto no El Museo del Barrio, em Nova York, como parte de …

De Arte a Z - 12/06/2019

O queer antes do queer

O termo “homossexual” é relativamente novo. De fato, foi cunhado pelo jornalista austríaco e autor Karl-Maria Kertbeny em 1867. Mas …

De Arte a Z - 10/06/2019

Quase 70% dos artistas representados pelas principais galerias de Londres são homens, de acordo com um novo estudo

Um relatório, encomendado pela Freelands Foundation, descobriu que o mundo da arte britânica é um microcosmo da economia maior, onde …

De Arte a Z - 06/06/2019

Casa Parte chega à terceira semana criando pontes entre arte popular e arte urbana

A Casa Parte, novo projeto da Parte Feira de Arte Contemporânea, chega à sua semana final. Entre 6 e 9 …