Silêncio Impuro – Anita Schwartz galeria

As quatro obras do salão principal da Galeria Anita Schwartz parecem se perder no imenso pé-direito do ambiente. A iluminação dramática, que lança sombras bem delineadas no chão e nas paredes, colabora com esta sensação. Á direita de quem entra está uma escultura intrigante de Carla Guagliardi, “O lugar do ar” (2015). São esferas de espuma de diferentes tamanhos presas por placas de madeira articuladas. Temos que segurar o impulso de mexer nas placas, a escultura parece pedir que o façamos: as placas são presas na parede por dobradiças! Mas freamos, sabemos que as bolas cairão, que a beleza tênue da escultura se desfará. Calo-me, baixo a cabeça, me afasto em silêncio (impuro?).

Á esquerda está “Partitura”, também da artista, uma pauta musical de grade assimétrica. Nas palavras de Felipe Scovino, “a escolha dos materiais (borracha, madeira, espuma) envolve um repertório de fragilidades e um equilíbrio precário”. “Tudo parece ruir ou estar prestes a desabar, mas por outro lado as obras evidenciam uma dinâmica que é própria da natureza do som: querem o ar”. Os metais de Otavio Schipper, familiares na sua semelhança com trompetes e cornetas, pendem do teto como que pra reforçar esta ideia. Ao fundo, uma instalação de Waltercio Caldas une molduras de metal com fios, demarcando o vazio, outro território do silêncio.

No andar de cima, outra “Partitura”, esta de Artur Lescher, uma série de imagens que à primeira vista parecem retratar constelaçõeo – pode haver música mais silenciosa que a das estrelas? O título nos orienta a enxergar esta música, pronta para ser tocada todas as noites em que não há nuvens. No centro da sala, no chão, Nuno Ramos inseriu em duas rochas de pedra-sabão, meio brutas e meio polidas, um par de baquetas e uma batuta, como fósseis pré-históricos preservados no sedimento. Sua música está presa na pedra.

Das duas obras de Cadu que ocupam as outras paredes, “Fuer Elise” é, obviamente, a mais musical. Partiu de uma caixinha de música que toca esta melodia de Beethoven, que deve ser a mais usada em caixas de música ao redor do mundo, e por um processo complexo transformou-se em um desenho plano, uma canção desconstruída. A outra obra usa o sol para “pintar” blocos de papel por meio de uma lente de aumento. De acordo com Scovino, “Não há som, apenas o seu caráter indicial e o processo de excluir ou escavar a matéria para revelar uma outra possibilidade de aparecimento ou ação poética da obra”.

A exposição finaliza com um registro em vídeo do trabalho de Tatiana Blass  “Metade da fala no chão – Piano surdo” (2010), Nele, um pianista executa uma melodia enquanto uma miistura de cera e vaselina é derramada sobre o piano, aos poucos impedindo que ele produza sons. Assim termina em silêncio também a exposição.

Compartilhar:
DASartes Viu - - 05/10/2017

20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil

DASartes Viu - - 02/02/2017

Bia Lessa | Territórios

Exposição “Territórios”, de Bia Lessa
CRAB (Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro), Rio de Janeiro.

Fotos: Paulo Jabur / Divulgação

O …

DASartes Viu - - 30/08/2016

Alexandre Mazza: No deserto, o oásis somos nós | Luciana Caravello

Nesta exposição, a sala do térreo da linda casa ocupada pela galeria Luciana Caravello em Ipanema foi ocupada por instalações luminosas …

DASartes Viu - - 30/08/2016

Tinho | Reflexão - Galeria Movimento

Diferente do que acontece nas ruas, as telas de Tinho estão expostas com respiro, com amplos trechos de parede branca …

DASartes Viu - - 29/08/2016

Três Fábulas sobre ComPosições Políticas: Outras Histórias do Rio de Janeiro

Três Fábulas sobre ComPosições Políticas:
Outras Histórias do Rio de Janeiro

Daniela Mattos
Leonardo Bertolossi
Alexandre Sá

“Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho …

DASartes Viu - - 22/09/2017

Disco é Cultura - Ultrapassando as barreiras do som

Ultrapassando as Barreiras do Som
Por Elisa Maia

Disco é Cultura: O Disco de Vinil na Arte Contemporânea Brasileira, com curadoria …

DASartes Viu - - 30/08/2016

Festivafetiva, Cláudia Barbisan | Galeria Mamute

Barbie, where is your pussy?…

… estava escrito na camiseta que Barbi usava para ir ao supermercado comprar delícias. De dia …

DASartes Viu - - 15/12/2016

OITIS 55 – Um Retrato do Design Carioca | MAM RIO

OITIS 55 – Um Retrato do Design Carioca MAM RIO
Fotos: Paulo Jabur

DASartes Viu - - 24/11/2016

Sankofa: Memória da escravidão na África

Caixa Cultural Rio de Janeiro

A mostra é resultado da viagem afetiva do fotógrafo e designer gráfico Cesar Fraga, que percorreu nove …

DASartes Viu - - 15/12/2016

Inauguração da Galeria Teste - Exposição “Olhares”, fotografias de Vincent Rosenblatt

Galeria Teste
Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2
016.
VINCENT ROSENBLATT
“ OLHARES”
Fotografias selecionadas das séries “Rio baile funk”, “Tecnobrega – O …

DASartes Viu - - 30/08/2016

Luiz Alphonsus: Bares Cariocas | Galeria Trópica

Luiz Alphonsus foi um expoente de uma geração de artistas que beberam do Rio de Janeiro, de sua noite boêmia …

DASartes Viu - - 30/08/2016

Geraldo Melo | Colateral - Tramas Galeria de Arte

As fotos retratam paralelo entre Cuba e os Estados Unidos, um registro do que o artista acredito que em breve …