Valdeci Ribeiro | Verve Galeria

Belezas naturais do Piauí protagonizam mostra de Fotografia

Registros inéditos de fotógrafo em sua primeira exposição individual em São Paulo.

A Verve Galeria recebe a mostra individual de fotografias “Lembranças de um tempo que não acaba”. O tempo parece parar nas paisagens da terra natal do piauiense Valdeci Ribeiro, com os 20 trabalhos de temas diversificados, registrados ao longo dos últimos 8 anos, com curadoria de Ian Duarte Lucas.

Nascido na cidade interiorana de Campo Maior, Valdeci Ribeiro cultivou desde cedo o contato com suas raízes, resultando no apurado olhar sobre as paisagens de sua infância e de seu estado natal – Piaui. Já participou de cursos, workshops, seminários nacionais, conquistou o primeiro e o segundo lugar no Fotografe Teresina e ainda expôs na capital do Piauí; mas essa é sua primeira individual no circuito cultural de São Paulo.

Com combinação apurada de luz, técnica e profundidade, o fotógrafo lança um olhar afetivo sobre intocado patrimônio natural ao resgatar memórias e desvendar paisagens. Nesses registros, das inúmeras incursões pelo seu estado de origem, é possível conhecer de perto uma vida transcorrida em meio à natureza. A Serra da Capivara, o Delta do Parnaíba e as fazendas de Campo Maior, instigados pela beleza que transborda a cada clique do fotógrafo, são destaques nas imagens. O título da exposição, é inspirado em trecho do poema “A Rua”, do conterrâneo piauiense Torquato Neto, que traça um paralelo entre suas vivências e questões universais que afloram de suas observações.

Para além de sua história, fortemente ligada à terra e aos elementos naturais, as fotografias de Valdeci Ribeiro também trazem à tona questões ligadas ao passar do tempo e como ele molda sua relação com o mundo. Destas reflexões, advindas do exercício contemplativo que só o convívio com a natureza em estado bruto pode permitir, emergem os grandes temas do conjunto de suas imagens.

O artista inicia sua aproximação pelo registro panorâmico, caminha na direção da abstração, ao observar e interpretar detalhes e o mundo ao seu redor. Define o curador Ian Duarte Lucas: “os temas das fotografias, aproximam-se do conceito agostiniano de tempo, que existe tão somente na mente do homem, porque é na mente do homem que convergem presente, passado e futuro. O tempo fica, desta forma, “em suspenso”: uma visita ao passado, através da memória; o presente, por sua intuição; e o futuro, pela espera do que está por vir”.

 

Compartilhar: