TOZ | CAIXA Cultural Recife

Um dos principais nomes da arte urbana, Tomaz Viana, o Toz, criou, em 2010, o personagem que se tornaria um dos mais significativos entre suas obras: Insonia, uma entidade noturna e onipresente. Essa figura mítica, inspirada nas forças da natureza, ganha novos contornos e uma cultura própria na exposição individual TOZ – Cultura Insônia, que fica em cartaz na CAIXA Cultural Recife de 20 de dezembro de 2018 a 17 de fevereiro de 2019. A abertura da exposição contará com a presença do artista. Na ocasião se dará o lançamento do catálogo e visita guiada junto ao público.

A mostra apresenta trabalhos – alguns deles inéditos – que revelam os integrantes dessa civilização imaginária, inaugurada por Insonia, e suas influências, o desenvolvimento de sua cultura, a relação com sua história, sua genealogia e o vínculo com novas raízes. O público poderá conferir quatro telas e 18 esculturas de materiais diversos, intervenções no espaço expográfico repleto de manequins com pinturas e figurinos especialmente criados pelo artista e sua equipe, além de duas instalações, sendo uma delas interativa.

Para essa exposição no Recife, o artista criou, exclusivamente, um conjunto de esculturas que intitulou “Herança cósmica”. Inédita, esta série foi pensada com dois intuitos: demonstrar a resistência da Cultura Insonia e sua travessia no tempo, desde as primeiras civilizações, e homenagear a própria construção arquitetônica da Galeria 1 da Caixa Cultural, de estilo neoclássico e integrada a um sítio arqueológico, propondo um diálogo atemporal e um tributo à herança ancestral de todos os povos.

“Meu objetivo com essa exposição é provocar reações. Acho que a arte tem que cumprir esse papel. Ela deve causar qualquer tipo de reação, seja de carinho, de amor, de raiva, e também propor uma reflexão”, afirma Toz. Na tentativa de construir um elo entre presente e passado, a mostra vai abordar questões atuais como tolerância, diversidade, desigualdade e, também pertencimento, sincretismo, ressignificação, afetividade, memória e ancestralidade.

Em exposições anteriores, o artista retratou as origens do personagem e do Povo Insonia, partindo do indivíduo para, então, explorar sua genealogia e a fundação das suas memórias. Nessa nova mostra, Toz retrata o processo natural de outras descobertas em torno da diversidade desse povo. Ele preenche suas obras com a história dessa civilização imaginária e a natureza que a cerca, ao passo que evidencia sua cultura e miscigenação, atravessadas pelas questões sobre territorialidade e ciclos migratórios.

Sobre Tomaz Viana: Tomaz Viana nasceu em Salvador, em 1976. Formado em Arte e Design, mora e trabalha no Rio de Janeiro. Grafitando há cerca de 20 anos, possui obras espalhadas em diversas cores e padronagens nos muros da capital fluminense, em Paris, Genebra, Lisboa e Miami. O desenvolvimento dos seus dois últimos personagens – Insônia e Vendedor de Alegria – marca o início de uma nova etapa em sua obra, onde passa a trabalhar com novos padrões. A temática da passagem da noite para o dia, materializada nesses dois personagens, permite uma nova cartela de cores. A técnica do spray é complementada com tinta óleo e diversos materiais para detalhes e contornos.

Em 2014, fez sua primeira exposição institucional individual: Metamorfose, no Centro Cultural Hélio Oiticica, no Rio de Janeiro. No ano seguinte, 2015, abre sua primeira exposição individual em Paris com a Instalação Vendedor de Alegria, em parceria com o Projeto SCOPE da Prefeitura do 13°Arrondissement de Paris. Em 2016, foi convidado para realizar dois painéis de grafite indoor em Nova York (Chelsea) e Hong Kong (Wan Chai) e, no final do mesmo ano, veio o convite da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira para pintar um carro alegórico do Carnaval de 2017.

Compartilhar: