Theodor Preising | Centro Cultural Fiesp

O retrato do projeto magnânimo de uma cidade prestes a se transformar em uma grande metrópole; a construção de um parque industrial e a verticalização de seu centro histórico, acompanhados por um crescimento populacional inédito: esta foi a São Paulo registrada pelas lentes do fotógrafo alemão Theodor Preising (1883-1962). Seu trabalho, ainda pouco reconhecido, mas crucial para a documentação de toda uma época, agora é celebrado pela exposição São Paulo: Sinfonia de uma Metrópole, mostra que a Galeria de Fotos do Centro Cultural Fiesp recebe de 25 de janeiro a 25 de março de 2018, com entrada gratuita.

Com curadoria de Rubens Fernandes Junior e concepção da Brazimage, a exposição reúne 61 imagens em preto e branco, registradas entre 1925 e 1940, além de revistas e cartões postais da época. A mostra traz ainda trechos do filme São Paulo, sinfonia da metrópole (1929), que inspirou o nome da exposição. Exercício de vanguarda cinematográfica brasileira, o documentário cultua a modernidade então recém-chegada à capital paulista.

A exposição apresenta ao público um panorama documental da cidade durante a primeira metade do século XX. A chegada dos imigrantes ao Porto de Santos e às hospedarias paulistanas, o carnaval de rua da década de 1930, o lazer sediado pelo antigo Sport Club Germânia – hoje Clube Pinheiros –, e a passagem do dirigível Zeppelin pela capital são alguns dos ensaios de Preising que poderão ser conferidos de perto.

As colheitas do café e do algodão no interior do Estado, razão da riqueza que sustentava a elite paulistana, também foram temas de seus registros. Sua versatilidade técnica e qualidade estética possibilitou formar um amplo inventário criativo e documental sobre o Estado, oferecendo ao público uma visão privilegiada sobre a formação da capital no período entre as duas guerras.

Perspicaz, o fotógrafo teve sensibilidade aguçada ao entender que o momento era de transformação, não somente do espaço urbano, mas também das relações sociais. A cidade se modernizava com a clara intenção de atrair novos investidores.

“Costumo dizer que a fotografia brasileira é um grande iceberg, do qual conhecemos a ponta. Quando tratamos dos fotógrafos do período entre guerras, por exemplo, [Guilherme] Gaensly e B. J. Duarte estão no mainstream e, justamente por isso, são reconhecidos pelo grande público. Theodor Preising tem um trabalho tão importante quanto os demais, mas infelizmente acabou caindo no esquecimento”, pontua o curador. “Essa mostra vem justamente para trazê-lo para a ponta do iceberg. A exposição nasce com o intuito não só de ressignificar o seu acervo, mas também apresentar ao público uma releitura de uma cidade que mudou muito ao longo dos últimos 80 anos”, conclui.

 

Apesar de ainda pouco reconhecido pela história da fotografia nacional, Theodor Preising é um nome fundamental da iconografia paulistana. Em 2004, sete de suas fotografias foram integradas à 13ª edição da Coleção Pirelli/Masp de Fotografia.

 

Compartilhar: