Sonia Gomes | MAC Niterói

Com curadoria de Pablo Leon de la Barra e Raphael Fonseca, a exposição ocupará o Salão Principal do museu e vai apresentar ao público cerca de 40 trabalhos, realizados nos últimos 20 anos por Sonia Gomes – indicada ao Prêmio pipa em 2012 e 2016.

Desenhos sobre papel, tecido e madeira, intervenções em livros, objetos domésticos e de trabalho, assim como exemplos das diferentes séries de trabalho que a artista desenvolveu ao longo da sua carreira, como os panos, torções e pendentes estarão entre as obras selecionadas para a exposição no MAC Niterói. As esculturas são construídas a partir de tecidos e outros objetos encontrados, torcidos, amarrados e manipulados até se transformarem em tramas espaciais complexas. Tem como procedimento a desconstrução das técnicas de manufatura de tecidos, eliminando qualquer finalidade de uso desses materiais.

As obras da artista remetem, pelas cores, estamparias e até técnicas empregadas, a um universo íntimo ligado à memória familiar e à identidade racial e cultural dela, além de estarem relacionadas à sua cidade natal, Caetanópolis, importante centro mineiro de indústria têxtil. Entre o popular e o erudito, o mundo da artista mineira liga o espectador a uma poderosa tradição brasileira, que transforma materiais instáveis e difíceis em arte permanente e contemporânea na trama extremamente inventiva de suas colagens e construções.

Única brasileira na mostra principal da 56ª Bienal de Veneza, em 2015, Sonia Gomes expôs pela primeira vez aos 46 anos. Depois, não parou mais. Aos 70 anos, trabalha todos os dias. Uma grande oportunidade de o público conhecer o trabalho desta grande artista, que, por meio do tecido e de sua obra, também escreve, estrutura, dá forma e reivindica as vozes e presenças das minorias silenciadas, em especial àquela das mulheres negras no Brasil.

Compartilhar: