Rose Klabin | Galeria Eduardo Fernandes

Rose Klabin, Feiga

Refletir sobre os duplos da existência humana e explorar a dicotomia que existe entre permanência e transitoriedade. Investigá-los a partir da justaposição do denso e do fluído, tomando o feminino como corpo de expressão. É este o mote de Sutartine, exposição individual de Rose Klabin, em cartaz entre 8 de abril e 8 de junho. Representada pela galeria Eduardo Fernandes, a artista expõe em seu próprio ateliê, localizado no bairro Cidade Jardim.

Com curadoria de Douglas de Freitas, a exposição reúne cinco esculturas em mármore, corpos femininos que convivem, nem sempre de modo harmônico, com uma série de engrenagens e metais – objetos de resíduos industriais. Na instalação site specific, essas figuras surgem sob um espelho d’água em um ambiente turvo, ganhando visibilidade ao som de surtatines, cantos folclóricos de origem lituana, marcados pela polifonia de vozes femininas. Apesar de não formarem um som único, combinam-se e coexistem em consonância. A mostra traz ainda um vídeo, registro de uma performance da artista em Vermont, nos Estados Unidos.

“Sutartine, palavra de origem lituana que dá nome à exposição, carrega em si a ideia de acordo, de uma convivência em harmonia entre dois seres distintos. De alguma forma, essa oposição sempre norteou o trabalho de Rose e é explicitada aqui pela combinação do mármore, matéria que simboliza a perenidade, com o metal, elemento que aos poucos vai se deteriorando”, pontua o curador.

Essa dualidade é refletida também nas figuras representadas: corpos nus, femininos, que fogem daquela que comumente é tida como forma ideal. As curvas que se sobrepõem e atribuem história e expressividade a cada uma das personagens. Em referência à trajetória pessoal e artística de Rose, o uso do metal enferrujado.

“O processo de criação deste trabalho foi intenso e bastante profundo. Nasceu da necessidade em me posicionar dentro do universo industrial, sem dele me abdicar”, afirma a artista, em referência a sua família, à frente da empresa que hoje é considerada maior produtora de papel e celulose do país.

No vídeo Suspensão, Rose apresenta o registro da performance que marca o início de seu trabalho com o mármore. A artista faz uso da polpa proveniente do papelão descartado no processo produtivo e, com ele, veste uma escultura de mármore. Neste processo, acaba por se despir por completo, confundindo-se com o objeto.

Compartilhar: