Roberto Vietri | Galeria Janete Costa

Em sua primeira exposição individual no nordeste, o artista paulistano Roberto Vietri transformou parte da Galeria Janete Costa, uma das poucas no país com vista para o mar, em praia. Trata-se da instalação Oxigênio, em que ele reproduz uma orla dentro desse espaço expositivo localizado em Boa Viagem, Recife, provocando uma duplicidade visual entre o real e o imaginário.

Nessa beira-mar inventada, tendo como pano de fundo a relação da fragilidade do material com os processos de construção e desmanche da cultura, Vietri propõe um espaço de articulação com outros artistas pernambucanos, convidando-os a participar com intervenções ora poéticas, ora políticas, ora sociais. No dia 9 de dezembro, jovens do projeto Fazer o Mundo Fazendo irão apresentar projeções de seus corpos, em muitos casos ainda em transformação, ancorados na instalação de Vietri. Eles são da região do Cabo de Santo Agostinho, afetada pela especulação imobiliária. Em janeiro, ainda em data a ser definida, o coletivo Praias do Capibaribe pretende realizar um tributo ao rio, o maior e mais importante de Recife.

Já participaram de intervenções na praia-refúgio de Vietri a jovem artista Cecilia Urioste, que se apropriou de imagens da polêmica mostra Queermuseu, em Porto Alegre, e as enterrou na areia, estimulando o público a resgatar essas imagens e discutir assuntos como sexualidade e censura. A performer Mergulha e Voa apresentou uma cena em que uma mulher nua é soterrada pelos grãos de areia da instação de Vietri. O artista Nando ZV trabalhou com caminhos de pedras nas areias de Oxigênio, que tem como premissa sua constante ativação.

A instalação faz parte da mostra Desmanche Construção (dis) Junção: Oxigênio e Outros Trabalhos, em que Roberto Vietri desenvolve também outras linguagens artísticas, como desenhos na parede produzidos a giz pastel, interferências em fotografias, foto-esculturas, (em que imagens se deslocam do papel) e vídeos. Trata-se de uma proposta de diálogo ampliado do uso da imagem e da maneira como apreendemos suas estruturas e possibilidades.

Compartilhar: