Ricardo de Vicq | Embaixada do Brasil em Berlim | EMOP Berlin 2018

O fotógrafo Ricardo de Vicq participa da edição 2018 do EMOP Berlin – European Month of Photography, com a individual “Foto Synthese”, composta por cerca de 50 fotografias, sob curadoria de Adriana Rede. A mostra entra em cartaz na Embaixada do Brasil em Berlim, como parte da programação oficial deste que é o maior evento de fotografia da Alemanha, e apresenta uma percepção poética do artista sobre elementos da Mata Atlântica, exibindo fragmentos de paisagens que nos remetem à memória das grandes descobertas ocorridas nos séculos XVIII e XIX, por botânicos e naturalistas europeus em suas expedições pelo nosso território.

Seguindo um percurso entre os estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, Ricardo De Vicq explora uma inesgotável vontade de pesquisar e experimentar diversas maneiras de registrar a natureza. “Nas imagens do fotógrafo, vemos imagens que lembram a pintura de paisagem de Rugendas, como Rio Camburi, Névoa Paranapiacaba ou Poço das Borboletas. Por outras vezes se parecem com desenhos de observação detalhados a lápis, como em Filodendro. Já outras imagens tocam o limite da arte concreta, um concretismo experimental, mais livre, podemos chamar de uma geometria imaginária, como nas fotografias Palmeira com Espinho, Samambaia Paranapiacaba e Bananeira”, comenta Adriana Rede. Para a curadora, o trabalho do fotógrafo nos remete às pinturas tradicionais que retratam a natureza, a partir da primeira metade do século XIX, em especial as obras impressionistas, as quais elevaram definitivamente o gênero paisagem como um dos mais apreciados e populares na história da arte.

Em “Foto Synthese”, Ricardo de Vicq elege a Mata Atlântica brasileira como cenário para sua busca pela natureza, por nuances e perspectivas que representam seu modo de enxergar os detalhes encontrados nesta infinidade de biomas e ecossistemas do nosso país. A partir deste rico ambiente, o fotógrafo cria imagens que exploram textura, desenhos e padrões de uma complexa geometria. Neste sentido, parte de nosso patrimônio ambiental é compartilhado com o visitante, o qual toma conhecimento de toda riqueza e diversidade do nosso meio-ambiente, abrindo espaço para ampliar a consciência da necessidade de uma preservação ecológica que garanta o futuro do nosso planeta. Nos dizeres de Adriana Rede: “A arte contemporânea contribui com estes urgentes problemas ecológicos através da rejeição ao consumismo desenfreado, das críticas políticas ecológicas locais e mundiais, e, mostrando ao espectador as maravilhas da natureza por ângulos inusitados, como faz de Vicq”.

Inscrita pela Embaixada do Brasil em Berlim junto à organização do EMOP Berlin 2018 – cujo corpo de jurados é composto por acadêmicos e curadores alemães, entre eles o curador da Helmut Newton Foundation -, esta produção recente de Ricardo de Vicq é disponibilizada ao público alemão, durante este evento de grande magnitude no segmento da fotografia – o EMOP Berlin é um dos highlights da Berlin Art Week, que acontece entre 27 e 30 de setembro. Ao longo do mês de setembro, o fotógrafo ainda realiza duas visitas guiadas à exposição, em que irá conversar sobre o conceito do trabalho, curiosidades e responder questões dos visitantes. “Sem nenhum objetivo científico, reuni uma série de fotografias que trazem à luz o universo oculto, abundante e surpreendente que compõe nossas selvas. Se nos aprofundarmos nas várias texturas, contornos e formas de vida que crescem e respiram aqui, nos entregamos à bela e complexa geometria da natureza, que o olho mágico da câmera revela”, conclui o fotógrafo.

Compartilhar: