Palestras | Olhares Modernos | Casa Roberto Marinho

A Casa Roberto Marinho, que atualmente reúne o maior acervo de modernismo brasileiro em exposição, promoverá a série de palestras “Olhares Modernos”, a partir de 16 de junho, sobre as obras de Guignard, Pancetti e Ismael Nery. Sempre aos sábados, às 16h, serão três encontros seguidos de visitas guiadas à exposição Modernos 10, em cartaz no instituto cultural recém inaugurado. Os críticos, professores e curadores Paulo Sergio Duarte, Frederico Morais e Paulo Venâncio Filho são os convidados de Lauro Cavalcanti, diretor da Casa, para ministrarem as palestras abertas ao público.

“Fiquei duplamente contente com o convite”, revela Paulo Sergio, que abre a série, falando sobre Guignard. “Primeiro, porque será uma ocasião de refletir sobre a obra daquele que considero um dos maiores nomes de nossa arte moderna e revisitar 16 trabalhos significativos de sua obra exemplar. Segundo, porque o visitante da Casa Roberto Marinho tem uma ocasião rara: encontrar um número expressivo de obras de dez dos mais importantes artistas do modernismo brasileiro reunidos num único local. É o momento de observar as diferenças de linguagens e nos esforçarmos para perceber a contribuição de cada um desses mestres”, conclui.

A série Olhares Modernos dá início à programação paralela que o novo espaço cultural da cidade pretende oferecer regularmente ao público carioca. Mais à frente, virão workshops, exibição de filmes de arte e novos ciclos de palestras.

A programação:

Sáb, dia 16, às 16h >> palestra de Paulo Sergio Duarte sobre a obra de Guignard

Sáb, dia 23, às 16h >> palestra de Frederico Morais sobre Pancetti

Sáb, dia 30, às 16h >> Paulo Venâncio Filho falará sobre a obra de Ismael Nery

As palestras serão sujeitas à lotação do auditório da Casa Roberto Marinho, com capacidade para até 40 pessoas. Serão distribuídas senhas a partir das 14h.

Sobre os convidados:

Paulo Sergio Duarte é crítico e professor de história da arte na Universidade Cândido Mendes e na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Foi curador da mostra Guignard – a memória plástica do Brasil Moderno, realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo, de 7 de julho a 11 de setembro de 2015.

Frederico Morais é crítico de arte e curador. Teve grande importância na década de 70 para a arte de vanguarda brasileira. Escreveu para colunas de artes plásticas do Diário de Notícias (1966-1973) e O Globo (1975 – 1987). Organizou algumas das mais importantes ações coletivas da arte brasileira, como “Arte no Aterro”, os “Domingos da Criação” e “Do Corpo à Terra”. Colaborou com artigos e ensaios para jornais e revistas especializadas do Brasil, América Latina, Estados Unidos, Europa e Austrália. Publicou 39 livros sobre arte brasileira e latino-americana no Brasil, Colômbia, México e Cuba. Foi curador de mais de 67 exposições e eventos de arte no Brasil e no exterior.

Paulo Venâncio Filho é filósofo e professor do Departamento de História e Teoria da Arte da Escola de Belas Artes/ UFRJ. Mestre em Comunicação pela ECO-UFRJ (1992), doutor em Comunicação pela ECO-UFRJ (1998) e pós-doutor pela Universidade de São Paulo- FFLCH (2015). É orientador de mestrado e doutorado do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da EBA-UFRJ. Professor visitante da University of the Arts London (2014/2015), consultor da Fapesp e membro do Conselho Consultivo de Curadoria do MAM/SP (2015).

Exposições:

Modernos 10, Destaques da Coleção

10 Contemporâneos

Estacionamento gratuito para visitantes, em frente ao local, com capacidade para 30 carros.

A Casa Roberto Marinho é acessível a portadores de deficiências físicas.

Compartilhar: