"Museu Dançante" reúnes diversos artistas no MAM de São Paulo

O Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta a exposição coletiva “Museu dançante”, que reúne trabalhos de diferentes artistas para falar sobre a dança. Sandra Cinto integra a mostra, que tem curadoria de Felipe Chaimovich e Inês Bogéa.

Como um corpo se posiciona? As artes visuais e a dança encaram o desafio comum de lidar com corpos no espaço. Para a dança, a ocupação de palcos e tablados sempre foi associada ao movimento, mas a escultura tradicionalmente trabalha com objetos parados. No entanto, as artes visuais ultrapassam as fronteiras estabelecidas ao produzirem obras que convidam o público a agir, abandonando a posição passiva característica da contemplação. Além de poder circundar a escultura, o público passa a tocar, penetrar, subir, descer, pisar, sentar, deitar etc. Essas obras criam, assim, situações de movimentação do público que transformam as exposições em locais de intensa interação corporal.

O desafio trazido ao museu pelas obras que levam o público a se movimentar pelo espaço motivou o convite à São Paulo Companhia de Dança para experimentar o processo de criação de coreografias no MAM. Foram selecionadas obras do acervo que contêm elementos de composição compartilhados pela dança: gravidade, desequilíbrio e flutuação. Além de esculturas, foram também selecionados desenhos, performances, instalações, fotografia e filmes que motivem o público a se mexer.

A disposição das peças na Grande Sala permite ao coreógrafo propor movimentos aos bailarinos no mesmo espaço habitado pelo público do museu. Não há palco nem plateia: o movimento do público e o do bailarino compartilharão o mesmo solo, ambos motivados pelas obras aqui expostas. O museu não é um lugar de repressão corporal e silêncio: para incitar o público a se ver como agente da criação artística, recebemos a São Paulo Companhia de Dança para um baile das artes.

A São Paulo Companhia de Dança foi convidada a ocupar a sala Paulo Figueiredo para uma experiência de criação de coreografias no museu. Durante alguns dias da semana, o público poderá acompanhar ao vivo o processo de trabalho de coreógrafos com os bailarinos. A experimentação poderá resultar num espetáculo ou não, pois seu foco é a vivência do cotidiano do MAM pelo corpo de baile. Nos períodos de intervalo, exibiremos filmes sobre a produção da São Paulo Companhia de Dança, bem como seus documentários sobre expoentes da dança no Brasil.

Felipe Chaimovich e Inês Bogéa

 

“Museu dançante”, com participação de Sandra Cinto
Curadoria de Felipe Chaimovich e Inês Bogéa
Abertura: 27 de janeiro, das 20h às 22h
Em cartaz até 20 de março de 2015

 

Compartilhar: