Miscigenação+ID. | Centro Cultural da FMP/FASE

Na sequência da primeira exposição da francesa StelH no Brasil, o Centro Cultural da Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP/Fase) apresenta a coletiva “Miscigenação+ID.”, na serra fluminense. Criações de StelH e dos colegas brasileiros Ana Clara Guinle, Claudio Partes, Doug, Gardênia Lago, Loan Tammela, Maria Eduarda Gurjão e Sonia Xavier ganharam contribuições artísticas dos visitantes. É que a exposição “Miscigenação”, que reuniu StelH e convidados, foi acompanhada por oficinas criativas com alunos da instituição e de jovens da rede pública da cidade, que deixaram suas impressões no espaço.

“A proposta está em sintonia com objetivos do Centro Cultural e com a faculdade para ampliar as buscas do pensar e do fazer artístico em prol de uma vida plena, onde juntas caminhem razão e sensibilidade, aproximando artista, arte e público”, diz Ricardo Tammela, coordenador de Projetos e Extensão da FMP/Fase.

Claudio Partes, que também assina a curadoria das exposições, explica que o conjunto de obras reunidas em “Miscigenação+ID.” promove a sensibilidade e a riqueza do tema: “Os trabalhos enaltecem a diversidade e ao mesmo tempo a identidade em meio à miscigenação que é a cultura brasileira.”

StelH veio ao Brasil, onde já tinha vivido, para uma curta temporada e uma residência artística, em Petrópolis. Com o projeto de “Miscigenação”, ela conseguiu trabalhar ao lado de artistas convidados locais e do Rio, para mostrar a alquimia na arte e na vida, com ênfase nos quatro elementos da natureza.

“Sou apaixonada pela diversidade cultural do Brasil. Nesse projeto, trabalhamos com pinturas a partir de matérias vivas, vibrações e emoção, provocadas pelo tema da miscigenação”, conta StelH, satisfeita com os resultados dos encontros.

 

Foto: Divulgação/Claudio Partes

Compartilhar: